Pular para o conteúdo principal

A 4 SÉRIE A DE 1956 DO IEHS DE OURINHOS

Quando ingressei no curso ginasial do Instituto de Educação Horácio Soares, em 1959,  havia na minha classe de 1ª série alguns veteranos - os repetentes. A repetência, prevista em lei,  era aplicada sem dó nem piedade,  e alguns professores se valiam dos instrumentos de avaliação para coibir a algazarra em classe. Com isso, muitos estudantes tinham às vezes sua nota de prova dividida por 2 devido a uma chamada oral repentina. Comigo isso aconteceu muitas vezes com Padre Felipe Dimants, professor de inglês, embora eu não fosse dos mais levados.
Corriam soltas,  pela transmissão oral dos veteranos, as narrativas das façanhas das turmas que nos antecederam.
A 4ª série A de 1956 foi uma das mais famosas.
É essa turma de jovens, hoje quase todos setentões, que vemos na foto daquele ano.
São eles:
Clique sobre a foto para maior visibilidade.


 Quarta Série A de 1956



Última fila, em pé, da esquerda para a direita:

Joaquim Luiz Bessa Neto, Roberto Abucham, Mario Takaes, José Luiz Devienne, Yasufico Yamamoto, Celso Gambale, Edmur Elias Neder, Samir Makarios e José Carlos Marão.

Fila do meio, em pé:
Mario Mizato, Reynaldo Medina, Yoshiuki Simono, Kenzo Iwano, Harugi Seno, Nilson Zuim Pinar e Jorge Maluf.
Primeira fila, sentados:
Roberto Pellegrino, Domingos Perino Neto, Aldo Santoro, Sylvio Leite Monteiro, Carlos Ostronoff (o Mocho), Paulo Aurélio Vivan dos Santos, Diógenes Ferreira, Claudio Antonio Baccili e Pedro Eduardo Perez (o Charretinha).

Depoimento do jornalista José Carlos Marão:

"Aqueles malucos da 4ª Série A de 1956 eram considerados “indisciplinados”. Ao longo do ano, aprontaram muitas. Por exemplo, havia na sala de aula uma tampa de carteira solta, chamada “beronha”. Toda vez que uma aula era muito chata ou a turma percebia que o professor estava inseguro quanto ao assunto, a “beronha” era lançada estrondosamente no chão. Com isso, a aula era interrompida e vinham muitos minutos de reclamação da manutenção, reivindicações, impropérios. Tudo falso, só para enganar o professor. Claro que com a Maria Tereza, ou Norival, ou o Albertinho Brás isso não acontecia. Mas o pessoal era bom de nota. Ficava difícil castigar. A quarta série B, mista, era, claro, bem comportada. Estavam lá, entre muitos, o Chico Pinha, o Nelson Tijolinho, a Glorinha, a Ivonete.






O dia do último exame oral foi uma grande zorra. Na gritaria que durou quase a manhã inteira, em certo momento, alguém pintou uma placa onde estava escrito: “Rua Quarta Série A de 56”. A turma foi lá para trás do campo de futebol e “inaugurou” a rua, com discurso e tudo. Essa rua seria perpendicular ao atual prédio do instituto, portanto paralela ao velho prédio do Ginásio."


Segundo Marão, as fotos provavelmente tenham sido feitas pelo Profº Norival, também uma amante da fotografia.

Acesse também:
http://ourinhos.blogspot.com.br/2012/06/turma-de-1945-do-ginasio-de-ourinhos.html

http://ourinhos.blogspot.com.br/2012/06/em-1977-lurdes-de-freitas-ja-falecida.html

Comentários

Marão disse…
José Carlos, convite de formatura dessa mesma turma foi publicado aqui por você, com comentários sobre a arte do convite, criação do Mario Takaes. Era uma turma boa mesmo.
Marisa F. Batista Ferrazoli disse…
Que ótimas .Adorei ver essas fotos.Era só conclusão de ginasial, mas a roupa fazia os rapazes parecerem tão adultos.
Um abraço
Marisa
Alfredo Bessa disse…
Creio estar ficando louco. Estive com esse pessoal na mesma turma. Me lembro perfeitamente de todos dentro da classe: as gozações no Abuchan; os dois que vinham de Ipaussu(Ministrinho Pau D'água e o outro me esqueço o nome) chagavam sempre atrasados fingindo dar um chute na professora sem que ela visse, claro; Paulo Aurélio o maior gozador da classe; José Carlos Marão; a inauguração da Av. 4ª Série A, e tudo o mais. Devo ter faltado no dia das fotos, ou fugido das mesmas.
Alfredo Bessa disse…
Acho estranho por não aparecer em nenhuma das fotos. Estive com essa turma: Paulo Aurélio, o maior gozador da turma; Marão; Carlos Ostronoff; meu irmão Joaquim Luiz; Roberto Abuchan; Aldo Santoro, vulgo Ministrinho Pau D'água e Maluf que vinham diariamente de Ipauçu; e outros. Lembro-me da inauguração da Av.4ª Série A e tudo o mais. Não sei por que não me encontro em nenhuma das fotos. Talvez eu houvesse tomado bomba nessa época.
Marão disse…
Fredinho
Também estranhei muito você não estar em nenhuma das fotos. Que eu me lembre, você não levou bomba não. No ano seguinte você estava na Científico com a gente. Lembro que foi no dia do último exame. Talvez você tenha ido embora mais cedo. Seu nome começa com A, fez o exame oral antes dos outros, pode ter se mandado mesmo. Tenho a lista de chamada da 4ª A. Estão todos na foto, menos você. Inexplicável.
Denise Ribeiro Murasawa Moro disse…
Adorei ver meu tio Harugi Seno!

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…