RODOLFO PELLEGRINO, UM ITALIANO E A EDUCAÇÃO PÚBLICA PAULISTA NOS ANOS 1950

Rodolfo Pellegrino (Sicília 1908-Sta Cruz do Rio Pardo 1995) veio para o Brasil juntamente com a esposa (Maria), nascida neste país, e os dois filhos Franco e Roberto em 1951.


A família no navio que os trouxe para o Brasil.

Estabeleceram-se em Ourinhos, onde estavam os parentes Brandimarte, desde os anos 1940.
Rodolfo abriu na cidade uma loja  - a "Casa dos Acumuladores".

Em pouquíssimo tempo granjeou o respeito e a amizade de todos os que o conheceram.
Como imigrante tinha muito amor pela terra que o recebera, e reconhecia  as possibilidades que o ensino público paulista oferecia a seus filhos.
O discurso em italiano (traduzido por Roberto a meu pedido) que pronunciou por ocasião de um jantar oferecido à equipe de professores e direção do Ginásio de Ourinhos, em agosto de 1956, testemunha essa gratidão. Ele foi publicado no jornal do Grêmio Estudantil "Rui Barbosa - "A Voz do Estudante", do CEEN "Horácio Soares".


Arlete (desenho) ; Iolando (marido da Arlete e diretor do Ginásio); Cleide Bonetti (Canto Orfeônico); Toffoli (do Normal), com o casal Pellegrino e o filho Roberto.

Excelentíssimos Senhores
Inspetor Federal, Senhor Diretor Estadual, Senhores Professores e Professoras do Ginásio “HORÁCIO SOARES” de Ourinhos

Em primeiro lugar, quero sublinhar, em nome de minha família, o júbilo e a honra que sentimos neste momento festivo pela presença das eminentes figuras do excelentíssimo inspetor federal, do excelentíssimo diretor estadual e de quase todos os professores do Ginásio “Horácio Soares” de Ourinhos.
Expresso meu agradecimento pelas frases e pelos elogios do ilustre professor Norival Vieira da Silva. Suas preciosas palavras, pronunciadas com aquele estilo fino e delicado, comoveram-me profundamente.
Aos seus conceitos expressos com perfeição à minha família é difícil responder porque se trata de louvores dirigidos pessoalmente a nós.
Peço a Deus que me conserve sempre íntegro e vibrante o senso do dever, a fidelidade e a perseverança em todos os atos, sobretudo em relação à minha família, de modo que meu filho, vosso aluno, possa seguir o exemplo que lhe servirá de guia em seu futuro.
Agradeço de novo ao sr. Professor Norival, o qual, depois de haver falado em nome de todos os professores do Ginásio, quis mais uma vez demostrar que bom sangue não mente ao afirmar que os pais de Roberto Pellegrino podem estar tranquilos quanto ao fato de que os professores dedicarão todo o interesse possível ao estudante que, por motivos especiais, teve de deixar a própria pátria.
Tenho certeza que meu filho, com os vossos ensinamentos e sob a minha constante vigilância e guia, fará o possível para tornar-se digno de pertencer à democrática escola brasileira, para assim merecer a estima dos professores, de seus pais, e o reconhecimento de sua pátria de origem, e, naturalmente, de sua grande pátria adotiva: a pátria brasileira, que tanto necessita de homens capazes e corajosos. Permito-me dizer que todos nós -- entendo dizer todos aqueles que deixam a própria pátria com a esperança de construir um futuro para si e para os próprios filhos – temos o sagrado dever de contribuir para o progresso e a grandeza deste generoso Brasil: levando cada um seu tijolo ao canteiro do grande edifício da construção nacional brasileira.
Excelentíssimos sr. Inspetor, sr. Diretor e senhores Professores e Professoras, o haver de vossa parte aceitado com prazer de participar a esta festiva noitada encoraja-me a acreditar que meu filho conquistou esse merecimento com seu apego à escola e ao estudo, e pelo qual muitos obstáculos teve de superar, tratando-se de outra língua e de outros métodos de ensino. Isso demostra sua vontade a a paixão que ele tem pelo estudo. Paixão que é característica daqueles empreendimentos mediante os quais o homem se propõe alcançar altos objetivos, enfrentando quaisquer obstáculos e fim de obtê-los.
Excelentíssimo Sr. Inspetor, Sr. Diretor, Senhores Professores e Professoras, rogo-vos de aceitar meu reconhecimento por haver-me honrado com a vossa ilustre presença a este jantar que vos ofereço para externar a gratidão de um aluno, meu filho, àqueles que lhe abriram os braços para admiti-lo na escola brasileira.
Agora é na vossa forja, a forja da sabedoria, da qual vós sois os artífices, que meu jovem filho terá que construir o próprio futuro.


Agradeço-vos mais uma vez de todo coração e que Deus salve e proteja o BRASIL.


Rodolfo Pellegrino

O ator Rosano Brazzi na casa de Rodolfo Pellegrino em 1963.

Sobre Rodolfo Pellegrino ver também:

http://ourinhos.blogspot.com.br/2010/01/rodolfo-pellegrino-e-maria-pulcinelli.html 

http://ourinhos.blogspot.com.br/2008/10/rossano-brazzi-bolonha-1916-1994-foi-um.html

Comentários

Marão disse…
Belíssima homenagem. Seu Rodolfo e dona Maria às vezes convidavam os colegas de escola do Roberto para uma pizza ou uma pasta. Era muito bom.
Zélia Guardiano disse…
Maravilha, José Carlos! Uma riqueza!
Postagem que mexe com a emoção...
Abraço agradecido
Obrigado pelo comentário, Zélia e José Carlos! Ele merece. Seu nome deveria estar numa rua da cidade, mas.... Sem comentários.
José Carlos
Marisa F. Batista Ferrazoli disse…
Today at 10:15 AM
Olá

Legal falar sobre os Pellegrinos ,com quem a gente conviveu algum tempo.
Eram bons visinhos dos meus sogros e estavam sempre lá.
Os homens eram muito bonitos e a d.Maria uma excelente cozinheira.
Um abraço e boa semana!
Marisa
clau disse…
Caro Carlos, que emoção ao ler a história da minha família. Me lembrei do sabor da comida da minha Nonna Maria e das Óperas na casa do meu Nonno Rodolfo. Aqueceu o meu coração. Muito obrigada Claudia Pellegrino