Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2011

MARTA ROCHA EM OURINHOS - 29-6-1955 - 1ª PARTE: CHEGADA E VISITA AO GRUPO ESCOLAR VIRGÍNIA RAMALHO

FOTOS POR JOSÉ MACHADO ACERVO FRANCISCO DE ALMEIDA LOPES

PERFIL: COLORIZAÇÃO POR FRANCISCO DE ALMEIDA LOPES



O DESEMBARQUE EM JACAREZINHO, VOANDO PELA REAL. AO DESCER  É SAUDADA PELO DRº ALFREDO DE ALMEIDA BESSA



NA RESIDÊNCIA  DOS HÓSPEDES. O CASAL VIRGÍNIA E ALFREDO BESSA. DA ESQUERDA PARA A DIREITA: O CASAL MARIA LÚCIA E MÁRIO CURY, O CASAL BESSA, O CASAL SELMA  E  DEMERVAL FERREIRA, O PROFº DALDON MORATO VILLAS-BOAS, DIRETOR DO GRUPO ESCOLAR "VIRGÍNIA RAMALHO". O GAROTO É O FILHO CAÇULA DO CASAL BESSA, CIRANO. SENTADAS, MARTA UMA AMIGA E DUSA PRIMA MARION


SELMA ABUCHAM FERREIRA E MARTA ROCHA

A CHEGADA AO "GRUPINHO"

RECEBE UM PRESENTE ENTREGUE PELO PROFº DALTON MORATO VILLAS-BOAS DIRETOR DO GRUPO ESCOLAR. 


SAUDADA POR UMA ALUNA. CREIO SER  ZOÉ MACHADO BRANCO. AO FUNDO, O PROFº DALTON , VÍRGÍNIA  BESSA E O FILHO CYRANO.


JOSÉ DEL CIEL FILHO, vereador e presidente da Câmara Municipal de Ourinhos

José Del Ciel Filho trabalhou na Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná, nela permanecendo após a encampação pelo governo federal em 1944. No início dos anos 1960, com a redução das atividades do escritório da ferrovia em Ourinhos, muitos empregados foram transferidos para Londrina, um deles foi Del Ciel. José Del Ciel Filho foi eleito vereador pelo Partido Trabalhista Brasileiro - PTB - , para a legislatura 1956-1959. Foi  presidente da Câmara Municipal de Ourinhos em 1958/1959, ocasião em que assumiu o cargo de prefeito devido ao afastamento do titular José Maria Paschoalick para candidatar-se a deputado estadual.  Ele tinha dois filhos que foram meus contemporâneos. Um deles José Luiz, foi vice-prefeito de Londrina  nos anos 1980, assumiu o cargo de prefeito com a desincompatibilização do titular (1982/83).  José Del Ciel Filho   foi fotografado pelo amigo Chiquinho , sentado e escrevendo à máquina de datilografia,   em seu local de trabalho no escritório da ferrovia.


1937 MANDA NOTÍCIAS

A REFORMA DO JARDIM ACHAVA-SE A CAMINHO DA FINALIZAÇÃO.



EDIÇÃO DE 3/7/1927. 
QUE MOTIVOS TERIAM LEVADO O PREEFEITO CAMARGO A RENUNCIAR QUANDO UMA DE SUAS PRINCIPAIS OBRAS - A NOVA PRAÇA - ESTAVA PRESTES A SER INAUGURADA?


O ESCOLHIDO ACABOU SENDO O DRº JOSÉ ESTEVES MANO FILHO, ENGENHEIRO DA SPP. 


A COMEMORAÇÃO DO 24 DE MAIO - MMDC.





CONHECI MUTOS (AS) DOS (AS) PRESENTES. QUASE TODOS (AS) JÁ PARTIRAM. 

DEJANIRA BRAZ BACILE (1922-201)

Dejanira Braz Bacile era filha do casal Elisa e José Adriano Braz. 
Foram seus irmãos: Maria Braz, Alberto, Oslavia, Dejanira, Helena, Alipio, Adair e Edmeia.
 Ela faleceu em São Paulo dia (15/7/2011), onde residia,  aos 89 anos.Era casada com Arnaldo Jose Bacilegerente do antigoBanco "Brasul" Deixou 5 filhos, 9 netos e um bisneto. À família nossos sentimentos.
À família nossos sentimentos. Memórias Ourinhenses Na foto abaixo, Dejanira com o neto mais novo, Léo 

COMPANHIA FERROVIÁRIA SÃO PAULO-PARANÁ - A CASA DO SUPERINTENDENTE

No início da Avenida Rodrigues Alves que, sem desmerecer o presidente famoso, deveria ter seu nome alterado para "Avenida dos Ingleses", estão localizadas as três mansões sobreviventes do  passado glorioso da ferrovia construída  a partir de Ourinhos e que se pretendia levar até a fronteira com o Paraguai. Assim como também deveria haver na cidade a "Rua dos Ferroviários", como diz meu primo, o   jornalista Jefferson Del Rios, numa justa homenagem aos trabalhadores das duas ferrovias que cortavam a cidade: a São Paulo-Paraná e a Sorocabana. Perdemos a oportunidade de deixar registrados oralmente o depoimento desses mesmos trabalhadores, que muito enriqueceria o Museu que se pretende instalar na cidade. Oxalá isso aconteça realmente, reunindo nele  o acervo fotográfico e toda a sorte de documentos , móveis e peças sobreviventes. Das três casas que restaram , conheci de perto a mais antiga, a primeira de quem sobe a "Rodrigues Alves", pois lá residiu meu padr…

AMIZADE

Encontrei  essa poesia no site http://www.paralerepensar.com.br/index.htm , onde  é apontada como de autoria desconhecida:

ENQUANTO HOUVER AMIZADE...

Pode ser que um dia deixemos de nos falar. Mas, enquanto houver amizade, faremos as pazes de novo. Pode ser que um dia o tempo passe. Mas, se a amizade permanecer, um do outro há de se lembrar. Pode ser que um dia nos afastemos. Mas, se formos amigos de verdade, a amizade nos reaproximará. Pode ser que um dia não mais nos vejamos Mas, se ainda sobrar amizade, recordaremos bons momentos mesmo distante um do outro... Pode ser que um dia tudo acabe. Mas, com a amizade construiremos tudo novamente, cada vez de forma diferente,sendo único e inesquecível cada momento...
Acredito que seus versos se encaixam bem com a situação retratada na foto. Local: porta de entrada do Escritório Central da Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná, em Ourinhos. O ano: Muito provavelmente 1940/41 Os retratados: funcionários da empresa

"Pode ser que um dia não mais…

FREDERICO HAHN, JOSÉ MACHADO DIAS E SHUKI SAKAI, AMANTES DA FOTOGRAFIA

Há quase dez anos, 28 de outubro de 2001, um dos primeiros artigos que escrevi para a “Folha de Ourinhos, denominava-se “Amantes da Fotografia”, o qual reescrevo hoje. Falava eu, na ocasião, sobre meu contato com dois importantes fotógrafos profissionais de Ourinhos, José Machado Dias e Shuki Sakai, proprietários, respectivamente, do Foto Machado e Foto Vitória. Essa aproximação se devia à grande amizade que os ligou a meu pai, dos quais se tornou colaborador, nas horas vagas.O Foto Machado ficava na Praça Melo Peixoto e o Foto Vitória na Rua 9 de Julho, em frente ao Grupo Escolar “Jacinto Ferreira de Sá”, atual Diretoria de Ensino da Região de Ourinhos. Acredito que o Foto Vitória passou chamar-se depois Foto Sakai. José Machado Dias era natural da bela e agradável Santa Bárbara do Rio Pardo, onde nascera em 14 de /abril de 1894. Foi casado com Gabriela de Oliveira Machado, com quem teve os filhos Alberto, Walter. Gabriel. José Roberto. Carmen, Wilma. Carlos e Gabi. Ele se estabeleceu…

O COTIDIANO (1937)

Novamente, Ourinhos passava por um período sem  Banda Municipal, corporação musical fundamental naqueles anos em que a praça pública era frequentada pela população. As Bandas promoviam retretas no coreto da praça, sendo assistidas entusiasticamente  pela população. 
Uma nova corporação seria organizada na gestão do prefeito drº Hermelino de Leão. Ele é vista na foto abaixo, na qual estão também o prefeito Hermelino, a esposa Tata e o ex-prefeito Horácio Soares.

O articulista dava aqui uma cutucada nos Integralistas e Comunistas
A inauguração se concretizaria alguns meses depois, sendo uma das grandes obras do prefeito Benedito Camargo .
A deficiente iluminação da cidade era criticada.


Eis uma foto do prefeito Benedito Camargo em sua residência, onde hoje se encontra o Colégio Drumond/Anglo, na Rua 9 de Julho. Ele é visto à direita, tendo ao lado o Bispo de Botucatu, D. Carlos Duarte da Costa,  o vigário local Padre Vitor Moreno, que assumira a função em 5/5/1931,  e a esposa com a filha ca…

ALFREDO DEVIENNE JÚNIOR (1936-2011)

Alfredo Devienne Júnior  (1936-2011) (professor Dinho) faleceu no dia 26 de junho p.p. Dinho era filho de um primo de papai, Alfredo Devienne e de Isolina Catai Devienne, que foram proprietários de casa comercial na Rua Paraná , a Casa dos Fogões. Licenciado em Educação Física, desde jovem foi um amante do esporte. Esteve envolvido em todas as atividades esportivas havidas na cidade desde finais dos anos 1950. Foi Secretário Municipal de Esportes, tendo também lecionado na Faculdade de Educação Física de Jacarezinho. Espírito jovial herdado do pai,  granjeou muitas amizades ao longo da vida. Foi casado com  Edite Ferrazoli. Nessa foto por Francisco de Almeida Lopes,  vemos Dinho e Edite (AO CENTRO), quando ainda noivos, num baile de debutantes (GRO) nos anos 1960, ao lado do primo José Luiz Devienne e noiva.

LEMBRANÇAS DO PASSADO