18.3.17

A PEDRA FUNDAMENTAL DA SANTA CASA DE OURINHOS 23-3-1941


Clique sobre a foto 


O momento do lançamento da pedra fundamental, foto por Frederico Hahn.
Eu identifico na foto: Carlos Nicolosi, Silvano Chiaradia, Hermínio Soci, Rodopiano Leonis, Álvaro de Queiroz Marques, drº Hermelino Leão e esposa Tata, as duas filhas do casal, Alzira Tocalino Nicolosi, as meninas Maria Lucia, Nice e Nancy Nicolosi, Annete Papa, o  jovem padre Eduardo Murante, nos seus primeiros dias como pároco de Ourinhos, Virgílio Varago, José das Neves Júnior e Florindo Carrara



Conforme o anunciado no convite em forma de folheto dirigido à população ourinhense, às 15 horas de um domingo chuvoso, em terreno ao lado do recém construído Ginásio de Ourinhos, foi dado o ponto de partida para a edificação da tão sonhada Santa Casa de Ourinhos (23-3-1941), com um costume daqueles tempos, o qual não sei dizer se ainda existe: o lançamento da pedra fundamental. 
No que consistia isso? Abria-se no chão de terra    um buraco quadrado que era  revestido de cimento, no qual   se depositava a ata dessa cerimônia, moedas da época, etc, fechando-o em seguida. Esse ato simbolizava o início da obra. 
Sobre a pedra fundamental erguia-se o edifício. 
Foi um domingo chuvoso aquele do dia 23 de março de 1941, o que não animou os habitantes da cidade a deixarem  suas casas e se dirigirem a um dos pontos limítrofes para assistir à cerimônia.
Mesmo assim, calculou-se em 300 os presentes, o que é um número razoável, convenhamos:

(A Voz do Povo, 30-3-1941, in Tertuliana on line)







11.3.17

UM OLHAR SOBRE OS PROBLEMAS DE OURINHOS PELO ENGENHEIRO WALLACE HEPBURN MORTON, SUPERINTENDENTE DA COMPANHIA FERROVIÁRIA SÃO PAULO-PARANÁ

Logo após a fundação do Rotary Clube de Ourinhos, era comum o semanário A Voz do Povo publicar a transcrição de palestras de membros dessa entidade.
Assim foi com a palestra proferida pelo Engenheiro Wallace Hepburn Morton, superintendente da Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná. Tendo assumido essa posição na ferrovia inglesa em 1931, Morton permaneceu em Ourinhos até o ano de 1944, quando a ferrovia foi encampada pelo governo federal. Retornou à cidade em finais dos anos 1940 para uma visita a amigos.  Foi um incentivador do esporte na empresa que administrava, ao criar  as condições para a prática do tênis, do basquete e do futebol, cedendo espaço nos terrenos da ferrovia para tanto. Participou da criação do Rotary Clube local e das tratativas para a construção da Santa Casa de Misericórdia. 
Na palestra em foco, ele tratou de três  questões cruciais para o progresso da cidade : esgoto, o abastecimento de água e o calçamento. A segunda foi resolvida na gestão municipal seguinte a do médico Hermelino Agnes de Leão (1941-1945), a segunda no governo do professor Cândido Barbosa Filho (1948-1951)







4.3.17

OS 60 ANOS DA FORMATURA DE NORMALISTAS OURINHENSES


Neste ano de 2017, duas turmas de normalistas ourinhenses comemorarão 60 anos de formatura. 


Fonte: Acervo digital Tertuliana


A turma do Colégio Estadual e Escola Normal Horácio Soares, uma das primeiras do Curso Normal estadual instalados em finais dos anos 1940.


Fonte: Acervo digital Tertuliana

A outra da Escola Normal Livre Imaculada Conceição, do Educandário Santo Antônio, das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, talvez a primeira turma.



Fonte: Acervo digital Tertuliana


Da turma do colégio estadual destaco quatro integrantes:  Ana Dora de Almeida, Antonia Dupas, Emery Farah, e Luciano Correia da Silva. Ana Dora foi minha professora na quarta série do curso primário;  com Antonia Dupas  convivi no período de instalação da biblioteca do Grêmio Recreativo de Ourinhos, obra de Mário de Oliveira Branco; Emery Farah, é hoje  uma das responsáveis pelo jornal Folha de Ourinhos, do qual sou colaborador há mais de 15 anos; Luciano Correia da Silva foi meu professor de Língua Portuguesa no curso ginasial e no curso téccnico de contabilidade.
Com certeza a maioria dos  integrantes dessas duas  turmas dedicaram-se ao magistério,  sendo responsáveis pela alfabetização  de inúmeros ourinhenses e de crianças de outros municípios vizinhos.
Na foto abaixo, se veem alunos do Colégio Estadual e Escola Normal Horácio Soares desfilando em 7 de setembro de 1957
(na confluência da Avenida Altino Arantes com a Rua Antonio Carlos Mori). Destaque para o aluno Luciano Correia da Silva que vem à frente portando a bandeira.


25.2.17

RELEMBRANDO VELHOS CARNAVAIS 1920 a 1960

ANOS 1920


Família Ferrari no Corso (1928)

ANOS 1930

Bloco carnavalesco no GRO


Bloco das mexicanas (3 e 4 Antonieta Zaki e Esperança Matachana)



Baile infantil no Grêmio Recreativo de Ourinhos - GRO
A professora Diva Leonis é a primeira na última fileira, da esquerda para a a direita.


ANOS 1940
Bloco do Western
 Silas Amaral Santos, Elsa e Wanda Sachelli, Diva Leonis, Selma Zaki Abucham, Maria Vara  


ANOS 1950

Bloco Ferrari


Vesperal no GRO 
Professor Norival e alunos do Ginásio
José Carlos Marão (e), Joaquim Bessa (d), os irmãos Carlos e Mauro Ostronoff, Walter Abujamra.


Posando para o fotógrafo (1956)

ANOS 1960



Vesperal GRO 


esquerda para a direita: Suely Lopes, Ivone Maluf, Carminha Trepadelli, Solange Teodoro, Olenka de Melo Sá, Fernanda Saraiva, Rosely Cury, Nilza Ferrari, Cristina Souza, Elisabeth Fenley, Marisa Brandimarte e Benedita Teixeira. Foto cedida por Cristina Souza.


à esquerda Olenka de Melo Sá, Nilza Maria Ferrari, Marilene Bertoni e Benedita Teixeira; à direita, Ciomara Matachana, Benedita Teixeira, Nilza Maria Ferrari e Olenka de Melo

18.2.17

MEMÓRIAS DO ESPORTE CLUBE OPERÁRIO (1920-1944)

Esse clube esportivo foi fundado em 27 de junho de 1920. Com a sua constituição tornou-se o grande rival do time um pouco mais velho, o Esporte Clube Ourinhense que, em meados dos anos 1920, sofreu um desgaste, reerguendo-se no início dos anos 1930. 
No início de 1930, janeiro, o Operário escolhia uma nova diretoria:
Presidente: Hermenegildo Zanoto
Vice: Hermínio Socci
1º secretário: Edison Leonis
2º: Edison Fioravanti
3º: Aurélio Sacheli
1º tesoureiro: Joaquim Miguel Leal
2º: Ernesto Gonçalves
Orador: profº José Galvão
Diretor geral: Francisco Ciffone Fº
Conselho Geral: Oswaldo Pareto, Américo Cera, Chede Jorge
O campo de futebol do clube se localizava no final da Rua Antônio Prado.

 "A Voz do Povo", de 28-3-1942, dá conta da importância do "Operário" no cotidiano ourinhense:
"Domingo último, às 15 horas, no campo de esportes do E. C. Operário (esse campo ficava entre as ruas Antonio Prado e Expedicionários, em frente ao atual prédio da Escola de Música), abrilhantado pela Lira Carlos Gomes (banda de música local) teve ensejo o anunciado prelio de futebol entre o quadro do veterano local e o seu velho adversário cambaraense, Operário Futebol Clube , já nosso familiar, pelas lutas que tem sustentado contra os quadros locais. A movimentada tarde esportiva promovia pelo E. C. Operário, em seu estádio, constituiu um acontecimento que levou ao campo grande assistência, ávida a premiar aos contendores que mais se destacassem na luta pebolística entre os quadros interestaduais, que se defrontavam em igualdade de forças, sendo o quadro visitante um dos mais credenciados em nosso meio, pelo seu valor.
(...)
Coube a vitória ao quadro local por 3 a 0. Como árbitro, atuou o jovem e distinto esportista ourinhense, Alberico Albano (Bio). que demonstrou, mais uma vez, a sua competência e retidão, agindo com imparcialidade, merecendo francos aplausos a sua atitude.
Preliminarmente, se defrontaram os segundos quadros das mesmas entidades, agradando a todos a pugna, pela disciplina e educação esportivas."



Em 15-11-1944, o Esporte Clube Operário passa a ser denominado  Esporte Clube Olímpico.

A foto abaixo, de autoria desconhecida, dá a dimensão do entusiasmo da população ourinhense numa partida disputada em 1931, no campo do Operário.


Esta outra nos mostra o time do Operário tendo atrás alguns membros de sua diretoria. A foto é dos anos 1940. 
Entre eles identifico (partindo da esquerda) (3) Leontino Ferreira (um dos mais antigos),  (4)o advogado e professor Júlio dos Santos, (6)o profº José Maria Paschoalick (7) Moacyr de Mello Sá e (penúltimo)Tufy Zaki.


O saudoso Francisco Soares (Chicão, irmão da professora Esmeralda Soares , num dos excelente comentários feitos neste blog, assim se referiu ao Operário:
Quando ele perdia um jogo, sua torcida subia para o centro da cidade com a do Operário perturbando. Dona Benedita, esposa do Miguel Cury, era uma apaixonada. Sempre que ia ao campo, levava um guarda-chuva para protegê-la de chuva ou de sol. Em suas mãos, ele era uma verdadeira arma que ela brandia sobre as cabeças de torcedores operarianos que a provocavam Isto passou a ser um fato histórico em nossa cidade.
Bons e felizes tempos aqueles em que a cidade pôde contar com dois excelentes times de futebol.

11.2.17

LAURO MIGLIARI X ALDO MATACHANA THOMÉ - A ELEIÇÃO MUNICIPAL DE 1968


Dois candidatos se defrontaram na eleição para a escolha do prefeito de Ourinhos em 1968. 
Pela primeira vez dois candidatos nascidos em Ourinhos, e com raízes familiares entre os pioneiros, concorriam para se eleger prefeito - Lauro Migliari e Aldo Matachana Thomé. 
O Movimento Democrático Brasileiro - MDB - não apresentou candidato a prefeito, razão pela qual elegeu um pequeno número de vereadores. Já a Arena - Aliança Renovadora Nacional, apesar  de ser o partido mais forte, não era um partido unificado, pois tinha três sublegendas, o que era permitido pela legislação eleitoral. Isso fez com que três candidatos fossem lançados : Aldo Matachana Thomé com o apoio do prefeito em final de mandato, Domingos Camerlingo Caló, Lauro Migliari, com o apoio da sublegenda do ex-prefeito Antonio Luiz Ferreira. Um terceiro, também da Arena, Jorge de Barros Carvalho, desistiu e passou a apoiar Lauro Migliari.
O resultado foi a derrota de Aldo Matachana  Thomé, que concorreria novamente, em 1976, quando então  sagrar-se-ia vencedor (1977-1983) .



O jornal Tempo de Avanço publicou o perfil dos dois candidatos:





Sobre o prefeito Lauro Migliari e sua curta gestão leia em:
https://ourinhos.blogspot.com.br/2016/03/o-prefeito-lauro-migliari.html



27.1.17

SÉRGIO NUNES FARIA (1949-2008)

Sérgio Nunes Faria, falecido em 2008, aos 59 anos, esteve envolvido com teatro desde a adolescência, tendo sido fundador de um grupo teatral em Ourinhos, no final dos anos 1960 -  Grupo de Teatro Amador de Ourinhos - o GRUTAO.
Em agosto de 1968, esse grupo participou do Festival de Teatro Amador do Estado, realizado na cidade de Botucatu, sagrando-se vencedor entre os seis grupos concorrentes, na fase eliminatória,  com a apresentação da peça Arena conta Zumbi.O grupo ourinhense levou 6 das 9 premiações:espetáculo,  direção, ator, ator coadjuvante masculino, figurino e cenário. A direção foi de Sérgio Nunes

"Muitos anos depois, em 1993, nascia o Grupo Soarte em Ourinhos, pelas mãos do mesmo Sérgio Nunes Faria, que passou a vida semeando núcleos de teatro pelos lugares por onde andou. O Soarte encenou dezenas de espetáculos, mesclando infantis, musicais, clássicos da dramaturgia universal e temas da cultura popular brasileira, numa produção intensa e diversificada."
Fonte: Tertuliana artigo por Neusa Fleury

No começo era um Fusca












Fonte: O Progresso de Ourinhos

Felizmente, a municipalidade de Ourinhos prestou duas homenagens a Sérgio Nunes de Faria: há uma mostra de artes cênicas que leva o seu nome,  já  em sua sexta edição

6ª MOSTRA SÉRGIO NUNES DE ARTES CÊNICAS

E, mais recentemente, foi inaugurada uma concha acústica que leva o seu nome:






Para encerrar esta homenagem de Memórias Ourinhenses a Sérgio Nunes Faria, transcrevo este belo artigo de autoria de Neusa Fleury, publicado no Debate de Santa Cruz do Rio Pardo (http://www2.uol.com.br/debate/1427/regiao/regiao10a.htm):

Sérgio Nunes não tinha laptop
Neusa Fleury Moraes


Sérgio Nunes não tinha carro, laptop, cartão de visitas, roupas da moda. Sérgio nunca sabia onde estava o RG, a carteira de trabalho, não tinha um currículo digitado para apresentar procurando emprego ou buscando reconhecimento. Sérgio viveu como um pária, e talvez por isso tenha escolhido o teatro como paixão de vida — essa arte tão visceral, que ele, discípulo fiel, ensinava a quem estivesse disposto a aprender.

A exigência era que fosse sem fazer de conta, sem artificialismos, sem querer parecer bonito. Tinha de ser com todas as feridas expostas, com a nudez que as entregas verdadeiras exigem. Quem não estivesse disposto, que não se aventurasse.
Com os sentimentos sempre no limite, não era fácil conviver com ele. Foi avesso a comportamentos socialmente corretos e tentava sobreviver sem ser manipulado por códigos de conduta que não tivessem sido construídos por ele mesmo. Difícil entender alguém que não fecha a porta da própria casa, e era assim que ele agia. E para aqueles que não estão acostumados com pessoas assim diferentes, saibam que Sérgio acreditava em Deus, era de uma piedade extrema com quem tinha menos ainda que ele, tinha uma capacidade enorme de amar, era cidadão e tinha consciência de seu papel no mundo. Tudo a seu jeito.
Os amigos sabem que demonstrava carinho fazendo doces e reunindo todos em sua casa nada ortodoxa, onde trens de cozinha ficavam misturados a objetos de cenário, cópias de textos teatrais, CDs, maços de cigarro barato. Tinha um pé de caju plantado numa lata, quem vai molhar? Nunca escondeu que usava drogas, talvez para suportar sua estranheza com este mundo. Manifestava descontentamentos da maneira mais impulsiva possível. Quem não se lembra do tênis atirado no palco para “acordar” o ator desconcentrado, os muitos momentos de mau humor... Depois dos destemperos, a cara mais santa desse mundo, como se nada tivesse acontecido. Quem conseguia reconhecer sua superioridade intelectual, relevava, sabendo que o pecado tinha sido pequeno perto da grandeza e generosidade de sua alma.
Sérgio foi um intelectual, entendido como a pessoa que questiona, provoca, que instiga ao pensamento e à crítica. Era um intelectual no sentido puro da palavra: não possuía diploma, terno e gravata nem curso de pós-graduação — não precisava de disfarces. Apaixonado pelo teatro, não via limites entre as artes, sendo crítico de dança, música, artes plásticas, literatura... Era dono de uma cultura invejável conquistada em anos de seminário, e um eterno defensor da cultura brasileira. Quanto aprendemos com o Sérgio — que falta ele nos fará...
Sabia-se miserável e dolorosamente humano. Sabia a extensão da sua solidão. Acho que soube também o quanto foi amado e respeitado por muitos, embora este amor não amenizasse a impotência de se sentir pertencente à raça que mata, estupra e destrói. No concerto das Orquestras do Festival de Música deste ano, no último dia 26 de julho, o maestro Gil Jardim redimiu Sérgio Nunes de seus pecados. Disse ao público que lotava o Teatro o quanto o Sérgio era importante para a cultura ourinhense, e as pessoas aplaudiram longamente aquele emocionado senhor dos palcos, avesso a elogios e badalações. Obrigada, Gil, por dizer publicamente aquilo que nós já sabíamos. Obrigada por ter feito Sérgio Nunes feliz e orgulhoso naquela noite.