12.12.15

OS 50 ANOS DA TURMA DE 1965 DA ESCOLA TÉCNICA DE COMÉRCIO DE OURINHOS


Em finais dos anos 1930, estavam dadas as condições para a criação do curso secundário em Ourinhos,  pois havia se formado na cidade a "Sociedade Expansão Cultural de Ourinhos", que tinha como um de seus objetivos "construir um prédio próprio para o estabelecimento do ensino secundário", entregando-o a "pessoa idônea que se proponha organizar e dirigir um estabelecimento de ensino secundário para ambos os sexos".
Essa pessoa foi o  professor José Augusto de Oliveira, natural de Cravinhos,  com experiência na criação e  direção de estabelecimentos de ensino em várias cidades.
Em 26 de fevereiro de 1939, foi lançada a pedra fundamental do primeiro ginásio de Ourinhos, tendo sido iniciadas as aulas da primeira turma nesse mesmo  ano, em prédio provisório.
Em Ourinhos, o professor José Augusto encontrou na pessoa do jovem advogado João Batista de Medeiros, o auxiliar ideal para dirigir o estabelecimento de ensino criado. Os dois foram além da proposta inicial e, em  1946, criaram o  a Escola Normal Livre destinada a formação de professores para o curso primário, sob a direção do drº Medeiros.  
Em 1948, foi anunciada a criação do Curso Técnico de Contabilidade, sob inspeção federal, em turno único noturno, que começaria a funcionar no ano seguinte.
Com a instalação do curso ginasial estadual em 1948 e, posteriormente, do curso normal, o Instituto Educacional de Ourinhos, recém criado para abrigar os cursos ginasial, normal e técnico não teve condições de se manter, tendo a sociedade que o mantinha sido extinta. Com isso, o curso técnico continuou a funcionar, sendo mantido pela prefeitura e sob a direção do professor Jorge Herkrath que mais tarde  venceu a concorrência aberta pela prefeitura em 1954. A gênese da Escola Técnica de Comércio de Ourinhos, acampada pelo profº Jorge,  foi minuciosamente narrada pelo jornalista  José Carlos Marão em artigo do "Correio de Notícias", de 25-12-1957, publicado neste blog sob o título "RELEMBRANDO... A ESCOLA TÉCNICA DE COMÉRCIO DE OURINHOS , A "ESCOLA DO JORGINHO"
No próximo dia 16 de dezembro, a formatura da turma de 1965, da Escola Técnica de Comércio de Ourinhos, completará 50 anos. Como integrante dessa turma, homenageio aqui o professores Jorge Herkrath, Hermilo Coelho Tupiná, paraninfo,  e Carlos Nicolosi, patrono. Aos integrantes dessa turma meus parabéns pelo cinquentenário e muitas saudades de uma turma unida, que tornou possível uma das mais bem organizadas festas de formatura e um baile que ficou na história. 


"Os alunos da 3ª série do  Curso Técnico da E.T. C. desta cidade promoveram para si e convidados um suculento churrasco na fazenda do sr. Tufik Zaki gentilmente cedida pelo proprietário aos contadorandos deste ano. Entre comes e bebes, improvisou-se brincadeira dançante bastante movimentada. Passaram-se,  sem duvida, uma excelente tarde de domingo, ao soprar da brisa campestre. Prometem os formandos novas churrascadas para breve." "O PROGRESSO DE OURINHOS", 23-11-1965.




Os professores Luis Carlos Althoff, Carlos Nicolosi e Harugi Seno 


José Carlos Neves Lopes, orador da turma, à direita o prof. Hermilo Coelho Tupiná, paraninfo.






5.12.15

A FAPI DE OURINHOS, RUMO AO CINQUENTENÁRIO - A III FAPI - 1969

O jornal "O Progresso de Ourinhos" publicou uma edição especial (18-25-5-1969) a respeito da realização da III Feira Agro Pecuária Industrial  - FAPI,  com o título: III FAPI ALCANÇA ÊXITO TOTAL.
Além de trazer algumas fotos dessa edição da Feira e manifestações de autoridades locais: prefeito, presidente da câmara, juiz de direito,   a publicação inseria várias mensagens de apoio e congratulação pelo evento de autoria do comércio e indústria locais. Estas  foram as empresas:

CHURRASCARIA GAÚCHA, DE LUIS GOLIN E CIA,VIAÇÃO GARCIA LTDA
ORGANIZAÇÃO COMERCIAL GOLIN, GRANDE HOTEL, DE LUIZ GOLIN
COMPANHIA TELEFÔNICA DE OURINHOS, RENOVADORA DE PNEUS OURINHOS
INDÚSTRIA FARMACÊUTICA HEMOLABOR, CASA BANDEIRA BRANCA, DE RAFAEL HERNANDEZ E CIA LTDA
BANCO BRASUL DE SÃO PAULO S.A, IRMÃOS YAMAGI - MÓVEIS, TAPEÇARIA E DECORAÇÕES
IRMÃOS MORI S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA, CIRILO MOTO PEÇAS, PANIFICADORA E CONFEITARIA Q'PÃO, COMPANHIA OURINHENSE DE VEÍCULOS REVENDEDORA CHEVROLET
FARMÁCIA CENTRAL , DE SILVA GASQUE  & CIA LTDA, SANBRA S/A
ORGANIZAÇÕES TUPINÁ, ULLIANA & TOJERO LTDA, IRMÃOS DEVIENNE LTDA
U. ITO E FILHOS LTDA, INDÚSTRIA DE CAMAS OURINHOS, DEPÓSITO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E FÁBRICA DE TACOS SANTO ANTÔNIO,  GUAÍRA AUTO PEÇAS LTDA,  J. ALVES VERÍSSIMO, A FLORISTA, ELETRO OURILUZ,  AUTO ESCOLA GUARANI, DE MARCO ANTÔNIO SAMADELLO, SOCIEDADE AUTOMÓVEIS BANDEIRANTES  - REVENDEDOR WOKSWAGEN, LABORATÓRIO OSWALDO CRUZ, OLAMAR LOJA, REFRIGERAÇÃO INCOMAR LTDA - CHAVANTES, BAR DO TIDE LTDA, DE   ZIMMERMAN E MORI LTDA, FÁBRICA DE DOCES MARACANÃ, ÓTICA VIEIRA, BANCO COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO, INDÚSTRIA MECÂNICA CARDOSO LTDA - IMCAL, HELIOGÁS S/A COM. E IND., ESCRITÓRIO DO ANTONINHO, PLINEL LOJA, CASA CLORIVAL, MOTOSERVIX, CERÂMICA OURINHENSE,  DE  NATALI & CIA, CASAS PERNAMBUCANAS, BRADESCO S/A, COMPANHIA LUIZ SILVA DE AUTOMÓVEIS REVENDEDOR FORD E WILLYS, LOPES & GIMENES LTDA, INDÚSTRIA FARMACÊUTICA APASIL LTDA, SOCIEDADE DE AUTOMÓVEIS RACANELLO LTDA, RETÍFICA DE MOTORES SÃO JOÃO, DE AMANTINI & AMANTINI LTDA. 

Como podemos verificar,a grande maioria dessas empresas já não mais existe, no entanto todas foram importantes ao seu tempo para o progresso de Ourinhos. A elas a nossa homenagem. 
Na foto abaixo, de autoria desconhecida, vemos autoridades locais e do governo estadual, descerrando a fita do estande da  SANBRA, a maior indústria local.


Da esquerda para a direita: José Fernandes de Souza: gerente da Sanbra; Orlando Zancaner, Secretário de Cultura, Esportes e Turismo; Lauro Migliari, prefeito de Ourinhos; drº José Ferreira Nunes Júnior, Promotor de Justiça; Silvestre Ferraz Egreja, deputado Federal; drº Rui Geraldo Camargo Viana, Juiz de Direito da Comarca; Salvador Gomes Fernandes, Secretário de Informação e Waldemar Ferraz, Secretário do Interior

Flagrante do interior do estande da Sanbra

28.11.15

MITHUO MINAMI, PREFEITO DE OURINHOS (1937-2015)




Foto Minoru, por mim editada.

Em 1968, o ourinhense Lauro Migliari, foi eleito prefeito.  Lauro já tinha experiência parlamentar, tendo sido vereador na quarta legislatura (1960-1963) e  presidente da Câmara Municipal (1960-1961. Seu vice era o engenheiro Mithuo Minami.
Em 13 de dezembro do mesmo ano, sobreveio o Ato Institucional nº 5, dando início ao período mais duro dos governos militares,  após a derrubada do presidente João Goulart em 1964.
Em 1º de julho de 1969,  com base no Ato Institucional nº 5, o jovem prefeito recém eleito foi cassado. Fato que traumatizou a cidade e, cujas causas até hoje não foram suficientemente esclarecidas. Há um artigo publicado pelo jornal "Debate", de Santa Cruz do Rio Pardo,  que procura lançar alguma luz sobre o ocorrido:
Com a cassação de Lauro Migliari, Mithuo Minami assumiu a prefeitura. Ele já havia sido vereador na quinta legislatura (1964-1968)
De 1977 a 1983, Mithuo foi também o vice do prefeito Aldo Matachana Thomé.
 Mithuo Minami, engenheiro civil, faleceu no dia 26 de outubro passado, aos 78 anos. Foi sepultado na cidade de Arujá. Ele foi casado com Alice Siduko Koga, irmã do comerciante Kenichi Koga.
O casal teve três filhas, todas engenheiras.
Profissional competente, além de ter realizado uma boa administração como prefeito da cidade, foi por muitos anos presidente da Companhia Estadual de Construções Escolares do Estado de São Paulo - CONESP, na gestão do governador Paulo Salim Maluf.
Nos últimos anos, Mithuo atuou na vida privada, tendo deixado Ourinhos após ter sido vice de Aldo Matachana Thomé.
Nesta foto de autoria desconhecida,  publicada anteriormente no  blog de Wilson Monteiro, temos um instantâneo de uma cerimônia religiosa na Igreja Matriz de Ourinhos na qual Mithuo Minami faz uma leitura. Ele tem ao seu lado o saudoso Thomas Lopes, tenor e mestre de obras da edificação da igreja matriz, o ex-prefeito Rubens Bortolocci da Silva e o congregado mariano Humbeto Rosa. Foto de autoria desconhecida.


Nesta outra foto, vemos Mithuo ao lado governador Paulo Egydio Martins e do deputado federal Silvestre Ferraz Egreja. Foto por Francisco de Almeida Lopes


Logo abaixo inseri dois comentários sobre o episódio da cassação do prefeito Lauro.


22.11.15

O BANCO DO ESTADO DE SÃO PAULO - BANESPA, EM OURINHOS


A origem do Banco do Estado de São Paulo  remonta a 1909, sob a denominação de Banco de Crédito Hipotecário e Agrícola do Estado de São Paulo, com capital social francês e estatal. Em 1919, o seu capital foi nacionalizado, tornando-se o governo estadual paulista seu acionista majoritário. 
Em 4 de novembro de 1926, na gestão de Altino Arantes,  passou a denominar-se Banco do Estado de São Paulo, ocasião em que houve aumento do capital social e subscrição pelo Tesouro do Estado e pelo Instituto do Café de 98% do novo capital. 
Aos poucos o banco estadual paulista foi abrindo agências nas principais cidades do interior. A agência de Ourinhos foi criada em meados dos anos 1940,em prédio  localizado na Rua Arlindo Luz.
A sede do Banespa, então o mais alto edifício de São Paulo, foi inaugurada em 1947.


No início de 1995, o Banespa foi "federalizado",  e  após o seu saneamento, ocorreu a sua privatização em novembro de 2000. O Grupo Santander Hispano obteve o  controle acionário do Banespa, após adquirir no leilão 60% das ações com direito a voto. A denominação passou ser Santander Banespa e, posteriormente, apenas Santander.



Foto de autoria desconhecida - Acervo de Francisco de Almeida Lopes

Nessa foto vemos sua equipe inicial, na qual identificamos: Walter Hildebrandi, gerente (último à esquerda), Plínio de Campos , Marcos Reginato (último à direita na primeira fila), Arlindo Gomes (Cabo Arlindo), último na segunda fila e Evaristo Saraiva, o quarto da esquerda para a direita.
Em 1954, Walter Hildebrandi foi promovido e deixou a gerência da agência de Ourinhos que passou a ser administrada por Antônio Ferreira Batista, até então gerente em Itapeva,
Esta foto de 14 de maio de 1954 mostra essa passagem:


Da esquerda para a direita (3)Antonio Ferreira Batista, (4) Walter Hildebrand,(5) Evaristo Saraiva, (7) Marcos Reginato.
No degrau da porta(3) Arlindo Gomes
Foto de autoria desconhecida pertencente ao acervo da família de Antônio Ferreira Batista 

11.11.15

A NOMENCLATURA DE RUAS, HERÁCLITO SÂNDANO E A PRIMEIRA ESTAÇÃO DE OURINHOS


"A Voz do Povo", de 17.12.1949, publicou um artigo denominado NOMENCLATURA DE RUAS, propondo que se desse o nome  de Heráclito Sândano a uma das ruas de Ourinhos. Ao justificar a propositura, o artigo toca num assunto  que hoje talvez esteja esquecido: o local onde fora construída a primeira estação. 
"Este assunto, sempre em ordem do dia, tornou-se mais evidente, desde que foram aprovados projetos de  leis neste sentido. Ainda ha pouco, o vereador Camargo Junior comunicou á Camara, que o Executivo Municipal, iria enviar um projéto no sentido de se dar a denominação de José Felipe do Amaral a uma das nossas vias publicas. Muito justa homenagem, não  ha duvida e para a qual não regateamos aplausos. Entretanto, o primeiro habitante de Ourinhos não merecia ter o seu nome perpetuado numa via publica?
Quem foi o primeiro habitante, o primeiro chefe de familia que se radicou em Ourinhos, quando isto aqui era ainda plena mata?  A pergunta é facil de se responder, uma vez que Ourinhos é cidade fundada ha bem pouco tempo.
Quem primeiro fixou residência em Ourinhos foi o snr. Heraclito Sandano.
Vindo da ltalia em 1897, esteve em diversas localidades paulistas. Por fim,acompanhando a turma de construção da Empreza José 
​G
iorgi, veio dar com os costados em Ourinhos, mais ou menos em 1907.
De acordo c
​o
m os planos estabelecidos, a esta­ção de Ourinhos deveria ser no ponto onde a atual estrada de rodagem se bifur
​c
a, seguindo a direção do Paraná, de um lado e  Salto Grande do outro.
Porém, 
a falta de agua no local obrigou a localiza-la onde se acha.
A primeira estação foi construída no lado oposto á atual e por isso o hotel construído por Heraclito Sandano, entre a estação e a atual avenida Jacinto Sá, tomou o nome de “Explanada".
Com o tempo, vendeu-o e, de hotel, passou a pensão, que hoje ainda conserva o nome primitivo escrito em ortografia moderna.
(...)
Não é justo que este primeiro varão a se fixar em Ourinhos, tenha o seu nome perpetuado em via 
​p​
ublica?
Não é ele muito merecedor da gratidão e lembrança por parte dos que, mais tarde, conhecendo-o ou não, aqui vieram viver, em companhia de muitos dos seus descendentes? Aí fica a nossa lembrança, que, esperamos, seja apresentada em bôa hora.​"

Dona Cesira Migliari, filha de Heráclito e esposa de Narciso Migliari, dona de incrível memória, em relato feito há muitos anos já abordara esse assunto da localização da primeira estação.

Há anos, abordo nesta coluna a questão da injustiça que se cometeu para com alguns moradores de Ourinhos que, de uma forma ou de outra, contribuíram para o progresso da cidade, seja no exercício de cargo público, na atividade comercial e industrial  ou em alguns outros setores.
Fosse eu vereador ou presidente da Câmara Municipal, proporia a constituição de uma comissão para estudar a questão e reparar o esquecimento a que essas pessoas foram relegadas. Ainda é tempo, estamos nas cercanias do centenário da cidade.

PRESTES MAIA EM OURINHOS - 1949

Francisco Prestes Maia (19/3/1896 - 26/4/1965),engenheiro, foi por duas vezes prefeito da capital. A primeira como prefeito nomeado (1938-1945) pelo então interventor Ademar de Barros, a segunda como prefeito eleito (1962-1965).
Graças ao prestígio obtido por ter realizado uma excelente 
administração, foi escolhido pela União Democrática Nacional como candidato a governador do estado, nas eleições que ocorreriam em 1950.
Para tanto, as lideranças udenistas organizaram  visitas do candidato às principais cidades do interior, ainda em 1949.




Ourinhos recebeu a visita do engenheiro Prestes Maia em 14 de agosto de 1949, conforme organização elaborada pela Comissão Diretora local composta para esse fim, constituída por:
Dr. Alfredo de Almeida Bessa - presidente;
Francisco Rodrigues da Silva - vice-presidente;
Braulio Tocalino - l.o secretário;
Rubem Prado - 2.o secretário;
Olímpio Tupiná - l.o tesoureiro;
João Marciano de Melo - 2.o tesoureiro.
Vários prefeitos de cidades vizinhas estiveram na cidade para contato com o candidato. 
O comício foi realizado no Coreto da Praça Melo Peixoto, às 20 horas,  sendo transmitido pela ZYS7 Rádio Clube de Ourinhos. Falaram vários oradores entre os quais Auro de Moura Andrade, Silvestre Ferraz Egreja e Osni Silveira.  Por último falou o candidato, que foi muito aplaudido.
Prestes Maia não foi eleito, tendo vencido a eleição o candidato apoiado pelo governador Ademar de Barros, o também engenheiro Lucas Nogueira Garcez.
Fonte: "A Voz do Povo", agosto de 1949 - In "Tertuliana"

1.11.15

O HOTEL COMERCIAL EM TRÊS MOMENTOS


O primeiro proprietário do Hotel Comercial, na Rua Antônio Prado, foi o português Antônio Ferreira Dias, que o fez construir em 1924. Na foto que vemos abaixo, de autoria de Francisco de Almeida Lopes, o hotel é visto em  seu estilo original.



Segundo relato do professor Norival Vieira da Silva,  seu sogro,  Augusto Fernandes Alonso, teria sido o projetista do prédio que foi erguido em 1939, sobre o alicerce original (Diário de Ourinhos, fevereiro de 2011).O hotel aparece nesta foto, de autoria desconhecida. Na esquina com a Praça Melo Peixoto vemos "A Vencedora", famosa casa lotérica de propriedade Américo Facini.

Nos anos 1940, o hotel sofreu uma reforma que desfigurou o seu aspecto original. É nessa condição que ele se encontra ainda hoje, hospedando muitos visitantes que demandam a cidade. Esta foto é de autoria de Francisco de Almeida Lopes.



Outros dois portugueses foram seus proprietários:João Domingues de Sá e Carlos Rodrigues, genro de Antônio J. Ferreira, comerciante na Avenida Jacinto Sá. O proprietário atual é Paulo Suzuki.

24.10.15

1948 - UM GINÁSIO ESTADUAL PARA OURINHOS


Clique sobre a foto

No dia 5 de agosto de 1948, ocorreu a cerimônia de instalação do Ginásio Estadual de Ourinhos.
Com isso, alcançava o município um objetivo há muito tempo almejado. Desde 1938, o ensino secundário era oferecido, na modalidade ginasial, por uma instituição privada com subvenção da prefeitura, o Instituto Educacional de Ourinhos. No entanto, o acesso a essa modalidade não era universal na cidade, limitando-se aos que podiam pagar a mensalidade ou aqueles poucos alcançados com a subvenção municipal. 
A criação do ginásio estadual foi obra do Partido Social Progressista - PSP, que estava no poder em São Paulo. O comitê local, que havia apoiado a eleição do prefeito recém eleito Cândido Barbosa Filho, desde o início do ano de 1948 desenvolvera gestões junto ao governo do Estado para alcançar aquele objetivo.
Estiveram presentes à cerimônia, que ocorreu nas dependências do Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá, às 15 horas: Horácio Soares,  presidente da Câmara a Municipal local, prof. Cândido Barbosa Filho, prefeito municipal da cidade prof. Dalton Morato Vilas Boas, diretor do 2º Grupo Escolar local, profa. d Hilda Saraiva, diretora substituta do Grupo Escolar «Jacinto Ferreira de  dc Sá»  e outros.
O  prof. José Camarinha Nascimento, técnico de educação, instalou o Ginásio Estadual e empossou os  professores e pessoal administrativo  já nomeados. Para responder pela direção do novo estabelecimento de ensino foi designado o professor de português, drº Júlio dos Santos. O contador Romeu de Paula Lima assumiu o cargo de secretário do estabelecimento.
Professores nomeados:
Dr. Julio dos Santos, professor de português; Profa. d. Dirce Alvarenga, professora de Latim; Dr. Aristino Flauzino Teixeira de Almeida, professor de francês; Profa. d. Maria da Penha Santos Garcia de Oliveira, de História Geral e do Brasil; Profa Maria José Santos Soares, de Geografia Geral e do Brasil; Profa. Judite Leonis, de Desenho; Prof. Lourenço Dias Machado, de Trabalhos Manuais seção masculina.
Provisoriamente, o Ginásio Estadual funcionou nas dependências do Grupo Escolar "Jacinto Ferreira de Sá", no período noturno.
No mês anterior, o semanário "A Voz do Povo" noticiara:

A Diretoria do Ensino Secundário, autorizou transferências para as primeira e segunda séries do novo estabelecimento. Destarte, é necessário que os interessados requeiram à Diretoria do Ensino Secundário as transferências. O ensino no Ginásio do Estado é INTEIRAMENTE gratuito. O corpo docente do nosso ginásio oficial é dos mais idôneos e tem longo tirocínio, e a cada professor compete reger uma unica cadeira, o que torna o ensino eficientíssimo. Além disso, os professores do Ginásio do Estado são bem remunerados e sendo bem remunerados, têm eles interesse no ministrar o ensino. Ourinhos, está, pois, de parabéns com a instalação de seu ginásio oficial De parabéns estão, lambem, o Snr. Prefeito Municipal, que não mediu esforços para que nossa cidade possuísse um Ginásio do Estado, e todos quantos, irmanados, trabalharam pela criação e instalação do ginásio oficial. De parabéns, ainda, estão os que têm filhos para ingressar no ensino secundário, pois o estudo nos ginásios oficiais é gratuito. 31-7-1948.


No final de 1948a sociedade civil “Expansão Cultural de Ourinhos”, constituída em finais de 1938 com a finalidade dotar Ourinhos do curso secundário, foi extinta, nos moldes do que estipulava os seus estatutos, sendo transferido o antigo prédio para o patrimônio público estadual. 

Iniciava-se  uma nova era no ensino secundário em Ourinhos. 

Alguns dos primeiros professores do Ginásio Estadual "Horácio Soares"

Sobre este assunto acesse também: 


http://ourinhos.blogspot.com.br/2006/01/o-ginsio-de-ourinhos-o-primeiro-ginsio.html


http://ourinhos.blogspot.com.br/2011/12/sociedade-expansao-cultural-de-ourinhos.html





17.10.15

AS FORMATURAS ESCOLARES AO LONGO DE TRÊS DÉCADAS

Já em finais do século passado, as cerimônias de colação de grau foram deixando de existir.
Isso tanto nas escolas estaduais de 1º e 2º graus, estaduais e particulares, com raríssimas exceções.
Na Universidade de São Paulo, quando conclui o bacharelado em História, em 1970, eram marcados dias na Reitoria nos quais grupos de alunos colavam grau sem qualquer aspecto solene.
No curso de Direito, a tradição da cerimônia ainda persistia, apesar de seu alto custo. Passei por ela em 1980, no Mackenzie. Não sei hoje como está.
Nos anos 1940, 1950 e 1960, as cerimônias ocorriam no primário, no secundário e no ensino superior.
As fotos que aqui seguem proporcionam uma ideia de como essas cerimônias eram bonitas, tanto em escolas estaduais que congregavam alunos de todas as camadas da sociedade, como em escolas particulares.
As cerimônias ocorriam nos salões  de clubes  e em cinemas. No caso de Ourinhos, eram utilizados o Cine Ourinhos e o Grêmio Recreativo de Ourinhos. Já o Educandário Santo Antônio  possuía um grande auditório e o utilizava para essa finalidade.

Em 1948, o Ginásio de Ourinhos, ainda um estabelecimento privado com subvenção da prefeitura, realizava a festa de formatura da primeira turma de normalistas da cidade utilizando-se do Cine Ourinhos.
À esquerda achavam-se os professores (as) e à direita as formandas.
Na foto, discursa o diretor do estabelecimento, drº João Batista de Medeiros. 


Em 1954, ainda no Cine Ourinhos, o Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá realizava a festa de formatura dos alunos do curso primário. Na foto, o diretor da escola, professor José Maria Paschoalick entrega o diploma à garota Marisa Ferreira Batista, que tem ao seu lado o pai, Antonio Ferreira Batista, gerente do Banco do Estado de São Paulo. À esquerda, a professora do quarto ano, dona Dalila Souza aguarda o momento de entregar à aluna o seu prêmio pela classificação.  


Alunas do curso ginasial do Educandário Santo Antônio, na cerimônia de formatura, em 1959. Entre as formandas está a aluna Marli Ferreira Batista, a primeira à direita.


As duas fotos abaixo são da formatura do curso normal do Educandário Santo Antônio. Na primeira discursa a irmã Celestina,  à mesa se encontram o professor Norival Vieira da Silva, o padre Duílio Liburdi, do Seminário Josefino e o Inspetor Federal drº Salem Abujamra.



Das mãos de seu pai, Marisa Ferreira Batista recebe o anel de professora



Em 1958, o garoto José Carlos Neves Lopes, orador da turma do curso primário do Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá, lê o discurso. Ao fundo Tufy Zaki Abucham, Miguel Farah e o professor Aparecido Lemos.
Cerimônia realizada no Grêmio Recreativo de Ourinhos. 



1962, as turmas do ginásio (primeira fileira) e do científico  (somente os cinco últimos), do Instituto de Educação Horácio Soares cantam o Hino Nacional, em cerimônia no Grêmio Recreativo de Ourinhos





 Nesta  foto, o ginasiano José Carlos Neves Lopes recebe o diploma das mãos do Inspetor Federal, drº Salem, sendo observado pelo diretor do "Grupão, profº Luiz Cordoni Junior; na ponta da mesa, padre Felipe, professor de inglês e irmã Celestina.



Alunos do curso ginasial do IEHS em cerimônia de formatura, no ano de 1957.
A quarta aluna, da esquerda para a direita, é Maria Inês Pizzolante, que foi casada com Roberto Pellegrino.


Alunos do curso técnico de contabilidade do ano de 1965, em cerimônia realizada no ano de 1965, no GRO. A cadeira vaga é a minha. Eu fui o orador da turma, e fazia o discurso naquele momento. 





10.10.15

A PRAÇA PREFEITO CAMARGO, UMA HOMENAGEM A BENEDITO MARTINS DE CAMARGO

A Praça Prefeito Camargo foi criada em 1948 para homenagear o prefeito Benedito Martins de Camargo (1934-1937), falecido em 1939.Como o prefeito Camargo foi vizinho de cerca de meu avô, fui criado ouvindo referências a esse ilustre morador de Ourinhos.
As novas gerações que passam diariamente por essa praça central, já nem se lembram de sua denominação, hoje é mais comum referir-se a ela como a "praça da Catedral".



Essa praça ficou muitos e muitos anos abandonada pela municipalidade, embora ali estivesse localizada a Igreja Matriz, que somente foi concluída interna e externamente nos anos 1960. 
O único "adorno" que lhe deram foi nos anos 1960 com o plantio de várias mudas de flamboyant em seu entorno. Trata-se de espécime originária da ilha de Madagascar, cujas raízes externas assumem formas diversas,e que,  anualmente, nos oferece belos cachos de  flores vermelhas.
Até o início dos anos 1960, a praça era ocupada por nós, garotos que moravam nas suas proximidades para brincadeiras e jogos diversos, principalmente o jogo de bets e de bolhinha de vidro (gude). Também a Congregação Mariana ocupou uma parte do seu entorno para construir um barracão onde funcionava sábado à noite o denominado "cineminha do padre".
Com a conclusão da parte externa da Igreja Matriz e edificação de suas torres, a Praça Prefeito Camargo recebeu um trabalho paisagístico,e nossas brincadeiras e o "cineminha"tiveram fim. Bem,  nessa altura já éramos adolescentes e tínhamos outros centros de atenção.



Foto por José Carlos Neves Lopes


A praça chegou a ter por muitos anos um jardineiro da prefeitura que cuidava dos seus canteiros, o saudoso senhor Nelson, que depois de aposentado tornou-se jardineiro de muitas famílias da redondeza, inclusive a minha.
Feita essa apresentação, transcrevo aqui parte da notícia publicada em 31 de julho de 1948 sobre o ato de emplacamento da"praça da
Nova Matriz"


Dona Alzira com a filha Maria Helena ao colo, Padre Vitor Moreno, vigário de Ourinhos, o bispo de Botucatu, Dom Carlos Duarte Costa e Benedito Martins de Camargo, na varanda da casa na Rua 9 de Julho, onde hoje se encontra o Colégio Anglo. Foto de autoria desconhecida.

Praça Prefeito Camargo
De grande prova de apreço e de reconhecimento, foi a homenagem póstuma, que Ourinhos, por sua Municipalidade, prestou, segunda-feira p. passada, ás 17 horas, á memória do seu saudoso e sempre reverenciado amigo, Prefeito Benedito Martins de Camargo, dando a uma das praças desta cidade o nome de Praça Prefeito Camargo. Ao ato da imposição da nova placa, compareceram o Snr. Prefeito Municipal, membros da Camara Municipal, autoridades, representantes da imprensa, a viuva do homenageado, d. Alzira Portela de Camargo, destacadas personalidades políticas e sociais de Ourinhos. A placa, dando a nova denominação á praça da Nova Matriz, estava coberta pela Bandeira Nacional, cabendo á viuva do saudoso homenageado, d. Alzira Portela de Camargo, desvenda-la, o que foi feito por entre salva de palmas dos presentes. O nosso digno e acatado Prefeito Municipal, Prof. Cândido Barbosa Filho, deu por inaugurada a nova denominação da referida praça, delegando a palavra ao Dr. Salem Abujamra, para, em nome da Prefeitura e do povo de Ourinhos, saudar d. Alzira Portela de Camargo, rendendo na sua pessoa, uma homenagem ao seu extinto esposo, cujo nome vinha de ser dado a uma das praças mais centrais de Ourinhos. O dr. Salem Abujamra, com a palavra, desincumbiu-se magnificamente da missão, relembrando, com eloquencia, o que foi a vida de Benedito Martins de Camargo para esta cidade, que ele amou muito e a ela se dedicou de coração. O discurso do dr. Salem Abujamra agradou sobremaneira, recebendo o orador, ao findar, fartos aplausos. Agradecendo, em nome da sra. d. Alzira Portela de Camargo e da familia Martins Camargo, respondeu o Snr. vereador Joaquim Lino de Camargo Junior, mostrando-se sensibilizado com aquela homenagem á memória de seu irmão, que de perto tocava a todos eles, da familia. Findo o seu discurso, muito aplaudido, foram batidas varias chapas do ato. Para assisti-lo vieram de S. Paulo, acompanhando d. Alzira Portela Camargo, os Srs. Deocleciano P. Camargo, José Luiz Camargo, Paulo Brasilio Camargo, Carlos Alberto Mendes e sua esposa, d. Lidia Camargo Mendes, que regressaram á capital no mesmo dia. 
Prefeito Benedito Martins de Camargo. Foto de autoria desconhecida.


Desse modo, Ourinhos prestou, em 1948,uma justa homenagem a Benedito Martins de Camargo, que hoje tem seu nome perpetuado numa das mais importantes praças da cidade.

A DEMOLIÇÃO DA "IGREJA VELHA"
Sempre que é postada uma foto da "Igreja Velha", os (as) mais velhos (as) lamentam a sua derrubada, apesar de que seria difícil para a Cúria manter duas igrejas numa mesma paróquia, além do fato de a "Igreja Nova", ainda necessitar de muitos recursos para o seu término, o que somente ocorreu em meados dos anos 1960.
Descobri outro dia o projeto de lei nº 15, de 1949, que jogou mais luzes sobre o que ocorreu. A "Igreja Nova foi edificada num terreno que pertencia à Prefeitura e, que, em 1949, recebeu a denominação de Praça Prefeito Camargo. Para legalizar a situação, houve na verdade uma troca entre a Diocese de Botucatu e a Prefeitura, a primeira doou o terreno da Igreja Velha para a Prefeitura, e esta recebeu em troca o terreno onde se edificou a "Nova" .

A Prefeitura, então, teve que demolir a igreja antiga e deve ter doado aquele terreno para a Telefônica ou o vendido a esta.

3.10.15

A QUINTA LEGISLATURA DA CÂMARA MUNICIPAL DE OURINHOS (1964-1968)

Foto de autoria desconhecida, publicada por Wilson Monteiro, em seu blog.



"O período das atividades da Câmara compreendido entre a posse dos Vereadores e o término de seus respectivos mandatos é denominado LEGISLATURA".

Nos municípios brasileiros as primeiras eleições de vereadores pelo voto direto deram-se em 1947, após as eleições para o Senado, Câmara dos Deputados, Presidente da República, Governador de Estado e Assembleia  Estadual. 
Numa cerimônia que ocorre na Câmara Municipal, o vereador recebe da Justiça Eleitoral um documento oficial que reconhece a validade de sua eleição - o diploma, de posse dele, são então empossados.
Nesta foto vemos algum dos vereadores da 5ª Legislatura na cerimônia de posse. Dois deles têm nas mãos o seu diploma: Ibraim Roberto Ribeiro Abujamra e Esperidião Cury. A eles seguem-se:  Mithuo Minami, Geraldo Bernardini, Ary Francisco Negrão e Luciano Correia da Silva
O pai de Ibrahim, Abrahão Abujamra, havia sido vereador nas 2ª e 3ª legislatura
Abrahão deixou Salto Grande com a esposa Alice  e os filhos  Alix, Geraldo, Ciro, Alceu, Ibrahim, Irineu e Décio, e veio para Ourinhos em 1939 em função da transferência da comarca. O 1º Tabelionato  de Ourinhos tem à frente hoje a terceira geração dos Abujanra. O filho Geraldo sucedeu ao pai e teve ao seu lado o irmão  Ibraim Roberto. A filha de Geraldo,  Deise Abujamra Bozon Verduraz​, responde  hoje pelo tabelionato. 
​Ibrahim Roberto foi também vereador na 6ª legislatura, tendo sido presidente da Câmara em 1969. ​
Esperidião Cury, que anos depois seria eleito prefeito, exerceu esse mandato por três legislaturas.
Geraldo Bernardini, Luciano Correia da Silva  e Mithuo Minami, mais tarde  prefeito, exerceram apenas essa legislatura

1964 a 1968   (5ª. Legislatura)

  1. Álvaro Ribeiro de Moraes
  2. Antônio Jorge
  3. Ary Francisco Negrão
  4. Benedito Pimentel
  5. Dirceu Correia Custódio
  6. Espiridião Cury
  7. Geraldo Bernardini
  8. Harugi Seno (Presidente 1966)
  9. Ibraim Roberto Ribeiro Abujanra
  10. João Newton César (Presidente 1965/1967/1968)
  11. Jorge de Barros Carvalho
  12. Luciano Correia da Silva
  13. Manoel Teodoro de Mello
  14. Mithuo Minami
  15. Oriente Mori (Presidente 1964)

22.9.15

1948 - UM SEMINÁRIO E UM COLÉGIO PARA OURINHOS

O ano de  1948 iniciava-se promissor. No dia 1º de janeiro era constituída a primeira legislatura da Câmara Municipal e tomava posse o primeiro prefeito eleito pelo voto direto: Cândido Barbosa Filho.
Dois dias depois, o semanário "A Voz do Povo" publicava:
 
"SEMINÁRIO JOSEFINO NOSSA SENHORA DE GUADALUPE - OURINHOS

Os Padres Josefinos têm o grato prazer de convidar o bom povo de Ourinhos para assistir á solene Benção da Pedra Fundamental

do Seminário NOSSA SENHORA DE GUADALUPE, que vai se realizar no dia 6 de Janeiro, ás 4 e meia horas da tarde.

A cerimônia será abrilhantada pelas honrosas presenças de

ilustres personalidades:

Exmo. Snr. D. Antonio José dos Santos, DD. Bispo de Assis;
Exmo Snr. D. Geraldo de Proença Sigoud, DD Bispo de Jacarézinho e Exmo. Monsenhor José Melhado Campos, nosso digno Vigário Capitular.
Paraninfarão a Benção da Pedra Fundamental do Seminário Josefino os Exmos. Snrs:
Prof. Cândido Barbosa Filho, Prefeito Municipal de Ourinhos e exma. Sra.
Dr. Antonio da Rocha Paes. DD. Juiz de Direito da Comarca e Exma. Sra.
Cel. Antonio Almeida Leite e Exma. Sra.
Cario Farina e Exma. Sra
Antonio Silva, Prefeito Municipal de Quatá e Exma. Sra.
Nicola Carona e Exma. Sra.
Mansueto Lunardi e Exma. Sra.
Oswaldo Lunardi e Exma. Sra.
Pedro Primo Orzesi, Prefeito Municipal de Manduri e Exma. Sra.
Antonio Arbex e Exma. Sra.
 P R O G R A M A
DIA 6 DE JANEIRO DE 1 9 4 8

Às 15 horas — na Matriz, hora de Adoração pelas Vocações
Sacerdotais no Brasil, pregada pelo Exmo. Mons. José Melhado, Vigário Capitular e Reitor do Seminário de Botucatú. É feito particular convite ás Irmandades.
Às 16,30 horas
— no lugar da Construção, após vários e breves discursos, finalizando a solenidade as Autoridades religiosas procederão á Benção da Pedra Fundamental.
Os Padres Josefinos cordialmente agradecem a todos que os honrarem com sua presença."

A paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe foi criada por provisão do Bispo de Botucatu, Dom Henrique Goland Trindade, em 12 de dezembro de 1957. A sua instalação deu-se em 27 de abril de 1958.



A igreja em construção.







O interior da igreja.




O prédio do Seminário em construção.  Foto de autoria desconhecida.


Os primeiros padres Josefinos do Seminário. Foto de autoria desconhecida.  O segundo, sentado,  da esquerda para a direita é o Pe. Bernardino Baccolo. O último à direita, em pé,  é o Padre Duílio Liburdi.

No dia 6 de janeiro, "Dia de Reis", a cidade recebia dois presentes: eram lançadas as pedras fundamentais de duas instituições religiosas: a do Seminário Josefino  e do Colégio Santo Antônio.


A benção da pedra fundamental do Colégio Santo Antônio ocorreu  no quarteirão de propriedade das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, na Rua Arlindo Luz, às 10h30. Falaram na ocasião o Dr. Antônio da Rocha Paes e o padre Eduardo Murante, vigário local.

Foto de autoria desconhecida. Nela vemos o quarteirão onde estava sendo edificado o prédio do colégio, na Rua Arlindo Luz.






Às 16h30, "nos altos da Vila Perino", teve lugar a benção da pedra fundamental do Seminário Josefino, de propriedade da Congregação dos Oblatos de São José.

Em meio a "uma grande multidão", a pedido dos Josefinos,  o srº Antônio Luiz Ferreira deu início à cerimônia, anunciando que a benção seria efetuada por Don Geraldo de Proença Sigoud, bispo de Jacarezinho. Após a benção falaram o juiz de direito Dr. Antonio da Rocha Paes, Padre Eduardo Murante, Antônio Silva e D. Geraldo Proença de Sigaud.

Procedida a leitura da ata, foi a mesma assinada pelas autoridades presentes sendo  uma cópia colocada no local da pedra fundamental juntamente com outras relíquias.
Todos os atos foram filmados pelo srº Osvaldo Lunardi.
Existirá ainda uma cópia desse filme?

Agradeço a Hélio Herra a cessão de algumas fotos.