Pular para o conteúdo principal

DEPOIMENTO DE JOÃO ABUJAMRA


João Abujamra – JORNAL DA DIVISA – 1967 - 1970 :” Ourinhos e sua história”

      “Se nós pudéssemos construir a máquina do tempo e recuar por volta de 1914 olhando a praça Melo Peixoto veríamos uma cena engraçada e singela, coisa própria de um lugarejo que nascia. Veríamos um campo de futebol onde os moços daquela época faziam as suas peladas se divertin-do e passando o tempo praticando o esporte favorito do povo.
      O campo era aberto e os jogadores em dia de jogo, envergavam um uniforme garboso: calção abaixo do joelho, camisa de manga comprida, com colarinho onde uma gravata borboleta compri-dinha despontava.
      Do lado de baixo da praça, em frente ao Banco Bradesco, a casa do sr. João Neder; na esqui-na, a padaria do sr. Lourdino de Jácomo. Em frente a casa comercial do sr. Cury ficava a residen-cia do sr Felisbino Vieira.
      Esse era o panorama da atual praça por volta de 1914. Em volta do campinho de futebol, algu-mas casas de madeira.
      Conta o sr. Leontino Ferreira que jogavam nesse quadro Miguel Petronile, Toninho Moraes, João Albano e João Petronile.
      Depois que o lugarejo foi elevado à categoria de cidade, a prefeitura foi desapropriando as casas existentes para a construção de uma praça.
      Desapareceu assim o campinho das peladas fabulosas, dos gols sensacionais e hoje ele existe nas lembranças de bem poucos ourinhenses.
      Mas, o espírito esportivo dos moços daquela época não se apagou. Trataram de fazer outro campo de futebol no fim da rua São Paulo, onde hoje se localiza uma serraria.
      Formaram um timão e astros autênticos da envergadura de Miguel Cury, Manuel Teixeira, Tenente Raul, Vasco Grilo e Miguel Sapateiro deliciavam os espectadores com jogadas admira-veis.
      Contou-me o sr. Manuel Teixeira que o time possuía diretoria e chamava-se E. C. Oriente.
      Em 1920 é fundado o Esporte Clube Operário, o clube do povo, que não sei por qual motivo desapareceu.
      O primeiro campo de futebol do Esporte Clube Operário foi feito no local onde se acha insta-lada a firma Dias Martins.
      Afonso Salgueiro, Francisco Negrão e José Abujanra jogaram e eram diretores desse clube.
      Em 1922 desaparecendo o Esporte Clube Oriente foi fundado o Ourinhos Futebol Clube, na vila Margarida, nas imendiações da casa do Prof. Dalton.
      Jogavam nesse quadro Domingos Grilo, Antonio Mori, Lazinho, Nico Mori e outros. O sr. Miguel Cury fazia parte da diretoria.
      Em 1924 o Ourinhos Futebol Clube desaparece e sómente em 1930, com a vinda do conheci-do esportista Antonio Ferraz surge o Clube Atlético Ourinhense.
      Miguel Cury, Ítalo Ferrari e Julio Mori doaram  ao clube um terreno na rua Duque de Caxias onde foi construído um novo campo de futebol.
      Nessas alturas o Esporte Clube Operário já estava com seu campo também na rua Duque de Caxias no local onde o sr. Beibe possue salões de aluguéis. Sómente mais tarde chegou o clube a comprar o atual terreno de seu campo de futebol.
      Esse é o resumo da vida esportiva da cidade naqueles tempos em relação ao futebol.”


______________________________________________________________________________    
  Wilsom Monteiro foi o autor da descoberta desse documento
Notas: de acordo com o Jornal do Povo – fundado em 1927, o Operário comprou um campo que já existia pertencente a outro clube não mencionado, o Aurora Futebol Clube. A compra foi realizada em 1933 e o dinheiro foi arrecadado através de empréstimos dos simpatizantes. O mentor do negócio foi o sr. Joaquim Luis da Costa. O campo no final da rua São Paulo foi também o campo de outro time chamado Serraria e ficava em terras da família Sá antes do surgi-mento da vila inglesa A vila Margarida só surgiria no final dos anos 30.
O primeiro campo do Aurora ficava na av. da saudade, hoje av. Jacinto Sá.
Profº Carlos Lopes Baia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…