Pular para o conteúdo principal

AS CASAS FINANCIADAS PELA SÃO PAULO-PARANÁ.


Em 1937, a "Caixa" da Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná entregava as casas que construíra no quadrilátero Avenida Altino Arantes/Monsenhor Córdova/Rua do  Expedicionário. Eram 14 casas modernas, com 3 e 4 dormitórios, sala, copa, banheiro e cozinha, algumas com duas varandas e um vasto quintal. Obra do construtor Henrique Tocalino, que já construíra as primeiras estações da companhia inglesa. 
"A "Caixa" financiara essas casas para os empregados mais graduados. As duas maiores ficavam na Altino Arantes, logo após o sobrado do médico Hermelino Agnes de Leão, tendo sido adquiridas  pelo contador da empresa, Benedito Monteiro  e pelo  Chefe de Movimento, Carlos Eduardo Devienne.
Foi o primeiro impulso de renovação arquitetônica da cidade, seguido por outro, quatro anos depois, graças ao novo lote de cerca de  de vinte casas construídas no quadrilátero Rio de Janeiro/Souza Soutelo/Arlindo Luz e Cardoso Ribeiro, entre 1941 e 1943. Esse segundo lote de casas marcou o início de um novo estilo arquitetônico residencial na cidade, o de Ezelino Zório, sobrinho de Henrique Tocalino,  também responsável pela edificação da nova Igreja Matriz. A residência mais bonita que ele construiu foi a de Silvano Chiaradia, podendo  ser apreciada ainda com características originais na Expedicionário, entre Antônio Carlos Mori e Cardoso Ribeiro. Outra construção muito bonita de sua lavra são dois sobrados geminados da Altino Arantes, um deles tendo sido residência do médico Alfredo de Almeida Bessa.
As casas do primeiro quadrilátero citado já passaram por várias reformas que modificaram totalmente o seu estilo original; já no segundo ainda se podem encontrar algumas poucas que ainda  conservam suas  características originais, entre essas a de meu pai, na Rua Souza Soutelo, 294.
A foto que ilustra este artigo é do livro "Ourinhos - memórias de uma cidade paulista", do jornalista Jefferson Del Rios. Não se sabe a autoria da foto que, provavelmente, foi tomada do reservatório de água que ficava no topo da Altino Arantes. Note que no quarteirão seguinte ao quadrilátero ainda não havia construções.


Esta é a casa que Francisco de Almeida Lopes, autor da foto em slide, adquiriu em 1943, com financiamento da "Caixa da SPP" . Obra de Ezelino Zório.
A foto é dos anos 1970.
Rua Souza Soutello esquina com Rio de Janeiro.

Comentários

Anônimo disse…
José Carlos
Para complementar suas informações, informo o seguinte:-
(da esquerda para direita)
1- Primeira casa (frente para Altino Arantes e aparecem três vitros):- casa do Juca e Nadir Camerlingo;
2- O muro:- hoje são duas clínicas odontológicas;
3- Segunda casa:- IPMO - Instituto de Previdência do Município;
4- Terceira casa:- casa do Sr. Rubens e Tereza de Souza;
5- Quarta casa:- casa do Péricles e Dina Migliari;
6- Quinta casa:- casa do Tonico e Ilma Saraiva; e
7- Terreno baldio:- Fuad Despachante, antiga casa do Tico Migliari.
Em frente a estas casas moravam as Famílias Baccili, Sr. Mário Zanoto, Sr. Quincas Machado, Dr. Júlio dos Santos e outros.
Obrigado
Fernando Saraiva
Noel Cerqueira comentou:
Prezado José Carlos;

Parabens pela continuidade do trabalho - belas fotos e suas histórias.
Os ingleses, no caso das residências, atendia os funcionáriios mais
graduados. NO entanto, também se preocupava com os demais
ferroviários. Por exemplo, no final dos anos 30 e início das década de
40, a sua administração praticava o crédito consignado - com desconto
em folha. Meu pai, então açougueiro na avenida Jacinto Sá, fornecia
carne para a família dos ferroviários através de anotação em
caderneta. No final do mes, as cadernetas eram recolhidas com as
anotações e enviadas ao escritório da ferroviária para conferência e
o devido desconto no salário do funcionário. Papai contava que eram
500 cadernetas - imagine fornecer carne durante o mês para número
igual de famílias - montava valores expressivos. Também por isso deve
ter lamentado o fim da concessão e a estatização da ferrovia, cuja
administração demonstrava competência e preocupação com o bem estar
dos seus empregados. Um forte abraço, Noel.
P/S - As casas da Rodrigues Alves, com seus belos jardins, além dos
animais exóticos como pavões e silvestres como veados - para nosso
deleite - ainda exibiam uma placa VIA PERMANENTE - designação do
leito da ferrovia (acho . . . !)
Agradeço ao Fernando Saraiva e Noel Cerqueira as informações encaminhadas.
Abraços.
José Carlos
Pedro Luiz Trevisan disse…
Jose Carlos, esta foto é em frente a casa dos meus pais. Luiz Danilo Trevisan e D. Alzira. Me lembro que nela moraram a minha professora do terceiro ano primario, Profª Maria Augusta nos anos 60, e ultimamente era a imobiliaria do Sr Agenor Pedrotti.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…