Pular para o conteúdo principal

OTÁVIO FERREIRA, O AMANTE DA PESCARIA







Rodeado por dois rios de porte grande - Pardo e Paranapanema, sem falarmos do pequeno Turvo, e a proximidade com estado do Mato Grosso, Ourinhos oferece forte atrativo para aqueles que apreciam a caça e a pesca.
Já na década de 1950 (5/7/1955), foi criado o Clube de Caça e Pesca, com a seguinte diretoria:
Carlos Eduardo Devienne – presidente
Paulino dos Santos – vice
Nelson Vieira da Silva – tesoureiro
Geraldo Ribeiro Abujamra – secretário
Antonio Segala - diretor social
A sede do Clube ficava numa ilha, alguns quilômetros abaixo da Usina Salto Grande, nas proximidades do ponto Jaú. O bar do Daniel, na Rua Paraná era a sede urbana do clube.
Anualmente, seus membros seguiam em excursão para o Mato Grosso.
Em frente ao Grêmio Recreativo de Ourinhos, existiu uma grande loja de artigos de caça e pesca. Na rua Paraná ainda há uma das mais antigas.
Um grande pescador foi Otávio Ferreira, cuja família era proprietária de um banco de areia. Seu pai Benedito Ferreira, falecido em 1950, aos 83 de idade, era um dos mais antigos habitantes da cidade.
Otávio foi vizinho de meus avós, residindo na Rua 9 de Julho, esquina com a Rio de Janeiro. Lembro-me dele sentado numa poltrona, em frente de sua casa todos os finais de tarde, vendo o movimento da rua e proseando com aqueles que ali passavam e paravam. Sua esposa chamava-se Isabel. Tiveram os filhos: Homero, Diógenes, Clodoaldo, Raph,  Edméia, Benedito, Otávio, Glauco, Nilza, Iara e Itapema. Otávio era uma pessoa muito popular
Encontrei um negativo de foto de Otávio feita por meu pai nos anos 1930. Sem dúvida, um belo instantâneo provavelmente feito no Paranapanema. Fica assim registrada essa homenagem, na pessoa de Otávio Ferreira, a todos os antigos ourinhenses amantes da pesca e da caça.



Renato Ferreira, Octavio Ferreira e a dupla infernal Tiguera e Clodo. Pantanal matogrossense.








OS MILANI.
A partir desta publicação, José Rubens, filho de Iara e José Milani, mandou-me  essas duas fotos onde estão seu pai e Otávio Ferreira no Paranapanema. Não consegui identificar a terceira pessoa. 
Tanto Zeca Milani como Iara sua esposa já faleceram. O casal morava na casa que fica entre a casa paroquial e a de Oriente Mori. José Rubens era afilhado de Oriente e Dirce.
Os Milani eram primos dos Mori. Eram cinco irmãos: Oswaldo, José, Diva, Ziza e Nadir. 
Oswaldo foi casado com uma filha do Júlio Mori, Anita. Teve, por muitos anos, uma papelaria em frente a Casa Alberto, na 9 de Julho.

Comentários

Anônimo disse…
jose carlos , tenho uma foto do OTAVIO COM MEU PAI ZECA MILANI, pescando !!!gostaria de publicar ???
jose rubens
Quero sim, por favor se puder mande para o endereço jcnlour@yahoo.com.br
Abs
José Carlos
Anônimo disse…
desculpa , j carlos , vi sua resposta so hoje , vou te enviar
JOSE RUBENS MILANI
Anônimo disse…
José Carlos Marão escreveu:
Zé Carlos, xará

Excelentes fotos do Otavio Ferreira e do Zeca Milani.

O Zeca foi sócio do meu pai, durante anos.

Você mandou o link para o Diógenes Ferreira ("diogenes2407@gmail.com" )?

abraços

marão
Itapema Brasil Ferreira disse…
Itapema Brasil escreveu: "José Carlos Neves Lopes, meu dileto amigo veja o seu blog corrrendo através dos netos e netas do meu pai. Ah a Eneida reclama a ausência do nome do Clodo, aliás faltou o nome do Ralpho também, este voce não conheceu, ou melhor não conhece. abraços."

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…