Pular para o conteúdo principal

PASSEIO DE MEMÓRIA


Completando este passeio de memória pelo entorno da Praça Melo Peixoto, vemos a face da 9 de Julho. Era a mais importante porque lá se achava a Matriz do Senhor Bom Jesus, edificada na década de 1920.
Tendo sido erguida uma nova Igreja na Praça Benedito Camargo, a "Igreja Velha " foi desativada e demolida nos anos 1950. Deixou muitas saudades nos corações de muitos ourinhenses católicos que lá haviam sido batizados, feito a primeira comunhão, se casado e se despedido de seus mortos.
A Igreja ocupava o centro do quarteirão; era simples no seu exterior, mas bela no interior. A foto é do início dos anos 1930, mostrando na extremidade direita o belo prédio do Banco Comercial do Estado de São Paulo (recém construído) que destoava da simplicidade característica do entorno da praça. Em seguida havia um prédio abrigava uma pensão. Ao lado da Igreja havia uma pequeno coreto utilizado para o leilão de prendas por ocasião de quermeses beneficentes. Seguiam-lhe dois prédios que abrigariam dois bares importantes: o "Bar Internacional", da família Mayoral e o Café Paulista da família Zaki.
No canto direito da foto podemos ver os alunos do primário em frente ao velho Grupo Escolar localizado na rua Paraná.
Poucas árvores ocupam a praça, na qual há alguns toscos bancos e postes de madeira
Já a Praça Melo Peixoto com a qual convivi na infância era muito mais acolhedora, repleta de grandes árvores onde faziam ninhos as andorinhas, de canteiros floridos e bem cuidados e de confortáveis bancos com encosto.

Como escreve Dalva Maria Ferreira, que conviveu com a cidade na sua adolescência:
VOLTANDO ATRÁS
Eu, voltando atrás bem atrás
lá aonde a memória ainda alcança
- ser criança

e estar sentada no último degrau
vendo o mundo virado em boiada
que desfila perante os meus olhos
e o medo, 
e a surpresa, 
e o cheiro gostoso da terra.
Eu, lá no meio do pasto
era noite,era o medo,era o cheiro que vinha da terra
com o corpo tocando na grama
com a boca tocando nos astros
que eu sentia ser parte do todo
eu, rodeada de mil vagalumes.

Comentários

Scrachados disse…
Foto fantástica!!!
Poesia das melhores que li...
Fiquei admirado.

Grande abraço
Edelcio Vigna
Obrigada José Carlos, obrigada Edélcio. A poesia nos ajuda a externar essas coisas que temos guardadas na alma, e creio que todos nós vivemos um tempo dourado, quando as cidades tinham a feição das pessoas que ali nasciam, cresciam e morriam com dignidade.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…