PASSEIO DE MEMÓRIA


Completando este passeio de memória pelo entorno da Praça Melo Peixoto, vemos a face da 9 de Julho. Era a mais importante porque lá se achava a Matriz do Senhor Bom Jesus, edificada na década de 1920.
Tendo sido erguida uma nova Igreja na Praça Benedito Camargo, a "Igreja Velha " foi desativada e demolida nos anos 1950. Deixou muitas saudades nos corações de muitos ourinhenses católicos que lá haviam sido batizados, feito a primeira comunhão, se casado e se despedido de seus mortos.
A Igreja ocupava o centro do quarteirão; era simples no seu exterior, mas bela no interior. A foto é do início dos anos 1930, mostrando na extremidade direita o belo prédio do Banco Comercial do Estado de São Paulo (recém construído) que destoava da simplicidade característica do entorno da praça. Em seguida havia um prédio abrigava uma pensão. Ao lado da Igreja havia uma pequeno coreto utilizado para o leilão de prendas por ocasião de quermeses beneficentes. Seguiam-lhe dois prédios que abrigariam dois bares importantes: o "Bar Internacional", da família Mayoral e o Café Paulista da família Zaki.
No canto direito da foto podemos ver os alunos do primário em frente ao velho Grupo Escolar localizado na rua Paraná.
Poucas árvores ocupam a praça, na qual há alguns toscos bancos e postes de madeira
Já a Praça Melo Peixoto com a qual convivi na infância era muito mais acolhedora, repleta de grandes árvores onde faziam ninhos as andorinhas, de canteiros floridos e bem cuidados e de confortáveis bancos com encosto.

Como escreve Dalva Maria Ferreira, que conviveu com a cidade na sua adolescência:
VOLTANDO ATRÁS
Eu, voltando atrás bem atrás
lá aonde a memória ainda alcança
- ser criança

e estar sentada no último degrau
vendo o mundo virado em boiada
que desfila perante os meus olhos
e o medo, 
e a surpresa, 
e o cheiro gostoso da terra.
Eu, lá no meio do pasto
era noite,era o medo,era o cheiro que vinha da terra
com o corpo tocando na grama
com a boca tocando nos astros
que eu sentia ser parte do todo
eu, rodeada de mil vagalumes.

Comentários

Scrachados disse…
Foto fantástica!!!
Poesia das melhores que li...
Fiquei admirado.

Grande abraço
Edelcio Vigna
Obrigada José Carlos, obrigada Edélcio. A poesia nos ajuda a externar essas coisas que temos guardadas na alma, e creio que todos nós vivemos um tempo dourado, quando as cidades tinham a feição das pessoas que ali nasciam, cresciam e morriam com dignidade.