Pular para o conteúdo principal

AS LOJAS DE TECIDOS E A COSTURA DOMÉSTICA



Nos anos 1950 e 1960, as lojas de tecidos eram estabelecimentos comerciais fundamentais para todas as donas de casa. Lojas de roupas prontas eram exceções, e essas custavam muito caro. Portanto, era necessário recorrer à costura doméstica no caso de a mulher haver aprendido essa arte, ou senão, depender daquelas que fizeram da costura uma profissão.
Eu fui criado numa casa onde a máquina de costura era um dos mobiliários mais importantes. Minha mãe era de uma época em que saber costurar era uma das qualidades da moças. Assim, frequentou uma escola de costura na cidade, aperfeiçoando-se depois com uma senhora mineira, chamada Inês, que viveu muitos anos e tornou-se muito querida de toda a família Neves. Ela tinha um irmão que era exímio alfaiate ,  popularmente conhecido “Dito Chintan”.
Minha mãe ganhou uma máquina de costura Singer de seu pai e fez dela seu ganha-pão, ajudando no orçamento doméstico de seu lar após o casamento.
Tinha uma freguesia refinada. Fazia um molde com a maior facilidade. As freguesas vinham até sua casa e descreviam o modelo que desejavam ou traziam uma revista como referência. Ela, com a fita métrica sempre enrolada no pescoço, debruçava-se sobre uma mesa para dar início ao seu ato de criação Confeccionou vestidos para uso diário, de baile, de casamento, de primeira comunhão, de debutantes, blusa de todos os tipos, saias, roupas para crianças. Sua última criação especializada foi a confecção de camisas masculinas.
Nunca aderiu à máquina de costura com motor, permanecendo fiel à manual, toda de ferro fundido que ganhou do pai e está na sua casa até hoje.
Seu companheiro nessa atividade diária era o rádio, que ficava ao seu lado desde as primeiras horas da manhã até o entardecer, sempre sintonizado na Rádio Nacional do Rio de Janeiro por onde acompanhava as “novelas de rádio”
Por fim, quando essa atividade foi rareando, dedicou-se ao crochê que aprendera com sua mãe quando ainda criança, produzindo toalhas, toalhinhas e colchas
A costura rendeu-lhes boas amizades que persistem até hoje.
Essas duas artes – a costura e crochê – pô-las a disposição do Bazar da Santa Casa, ao qual se dedicou por mais de dez anos.
Bem, voltando às lojas de tecidos, seu número na cidade era grande, citando apenas aquelas das quais me lembro: a pioneira”Pernambucanas”, “Loja dos Retalhos”, “Ao Preço Fixo” (que aparece na foto) “Jaraguá”, “Nossa Casa”,Buri. Muitas delas abandonaram o ramo de tecidos e passaram a explorar outros.
A Buri ficava na rua Paraná, tendo se instalado em Ourinhos nos anos 1950. Seu primeiro gerente, é conhecido até hoje como o “Irineu da Buri”. Vindos da vizinha Cambará, ele e a esposa Maria foram morar numa casa ao lado da nossa, na Rua Arlindo Luz. As lojas Buri deixaram de existir, compradas que foram pelas “Lojas “Ponto Frio”. Irineu passou a dedicar-se ao ramo da construção civil. Maria, infelizmente, partiu muito cedo, deixando muitas saudades.
A indústria de confecções foi-se afirmando e ganhando terreno, com isso as lojas de tecidos foram se escasseando e, com elas as costureiras, hoje uma raridade.
A foto, por Francisco de Almeida Lopes, é do final dos anos 1950 , mostrando o trecho da Praça Melo Peixoto na face da rua São Paulo. Nela vemos a loja "Ao Preço Fixo e o início da obra de construção do primeiro edifício de Ourinhos, que passaria a abrigar no térreo o Bradesco, obra do arquiteto ourinhense Toshio Tone, formado pela Faculdade de Arquitetura da USP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…