Pular para o conteúdo principal

FALA ROBERTO PELLEGRINO

ANTIGOS PENSAMENTOS

Há uma coisa que me intriga: o que eu pensava, nos meus primeiros tempos de Ourinhos, a respeito de, vindo de Roma, haver atravessado o oceano para ir morar numa cidadezinha quente, "avermelhada" e sem possuir absolutamente nada daquilo com que estava acostumado? Para falar a verdade verdadeira, não lembro. Sou, porém, levado a crer que não me preocupava com esse aspectos, pois estava empolgado com a grande aventura em que havia se transformado minha vida. Sim, era uma grande aventura mergulhar em um mundo tão desconhecido quanto inusitado. Era tudo tão novo para mim -- os edifícios, as ruas, a vegetação, as pessoas, a língua, os costumes, o clima -- que o deslumbramento ante aquela miríade de novidades e o esforço requerido para me inserir naquele contexto não me deixavam tempo para pensar em mais nada.



A PIZZA

No princípio dos anos 1950, eu deixava os ourinhenses atônitos e incrédulos quando declarava detestar pizza. Diga-se de passagem que naquela época não existia na urbe rubra essa iguaria partenopeia, mas sua existência, logicamente, era do conhecimento dos íncolas da Rainha da Média Sorocabana, que a haviam apreciado alhures.
Para explicar minha aversão à pizza, terei de regressar ao tempo em que eu habitava a Caput Mundi, no dizer dos antigos romanos. Perto da minha casa existia uma pizzaria que minha família costumava frequentar. Meu pai, com o espírito democrático que o caracterizava, oriundo da cultura machista siciliana do início do século XX, só pedia pizza à romana, com alice, que ele adorava. Dessarte, na minhan ingenuidade, eu pensava que pizza fosse apenas daquele jeito (odeio até hoje pizza à romana, porém gosto por demais das outras, especialmente a Margherita). E, paradoxo dos paradoxos, eu só vim a conhecer outros tipos de pizza no Brasil!

Roberto Pellegrino

PS.: Em 2001, quando fui à Itália com a Maria Inês, constatei que a tal pizzaria próxima à minha antiga casa ainda existia.





TARDE
Tarde quente e modorrenta. O silêncio quebrado apenas pelo martelar de uma araponga nas imediações. Tudo parado, nenhuma brisa mexe as folhas das árvores, nenhum pássaros canta. Nada. Ninguém. O sol domina tudo; o único sinal de vida vem dos insetos. Eu quero sumir dali, para bem longe, para a capital, que fervilha de gente, de carros, onde se ouve barulho de motores, de buzinas, de vozes.
No final da tarde quente e modorrenta, o silêncio é quebrado por um estrondo, mais outro, mais outro, cada vez mais próximos. E a tempestade cai com violência, molhando a rua, as casas, as árvores, calando a araponga, refrescando o ar.
Eu continuo querendo sumir dali.

Pelleberto Rogrino

NOTEI
Eu notei o semblante compungido dos fieis depois de tomarem a hóstia. Notei o vagaroso caminhar de funcionários, de volta a seus escritórios, após terem almoçado em restaurantes. Notei motoboys arriscarem a vida para ganhar um segundo ou menos, Notei pessoas só falarem de si mesmas, de seus problemas, sem perceber que não são ouvidas. Notei pessoas de mal com o mundo e cujos reclamos são o leitmotiv de suas vidas. Notei gente que adora dar conselhos, perdendo muitas oportunidades de ficar de boca fechada. Notei homens e mulheres adoráveis que iluminam os ambientes com sua presença. Notei mulheres com trajes e chapeus estranhos em cerimônias de casamento. Notei maridos mandarem nas esposas, e vice-versa, como se casamento fosse um exercício de dominação, e não de satisfatória convivência. Notei olhares de amor incondicional de mães e pais dirigidos aos filhos. Notei que já pensei, falei e fiz muitas tolices.

Pelleberto Rogrino

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…