1932 - A REVOLUÇÃO EM OURINHOS, A POPULAÇÃO SE ORGANIZA.

 Assim se inicia o capitulo da narração feita pelo professor Constantino A. Molina, proprietário do Externato Rui Barbosa na publicação de sua autoria -   SALVE 9 DE JULHO, Em http://www.tertulianadocs.com.br/



Desse modo, foi organizado em Ourinhos um batalhão, denominado BATALHÃO CEL THEOPOMPO  DE VASCONCELOS, composto por  90 integrantes, entre os quais procedeu-se  a escolha dos oficiais, que recaiu entre aqueles que demonstravam "maior competência e aptidão para assumir o comando":
Capitães - sr. Francisco Coccapieller e drº Ribeiro Cruz;
Sargentos - Benedito Martins de Camargo, Carlos Amaral, Telésforo Tupiná, João Petronilho Ribeiro, Hermenegildo Simonassi, Osvaldo Pareto e Eduardo Sandano.

Abaixo duas fotos de integrantes do Batalhão Teopompo. Na primeira,  vê-se a quase totalidade de seus  integrantes.






Fundou-se um hospital de emergência -  CRUZ VERMELHA - do qual as enfermeiras são vistas na foto abaixo: 



Senhoritas Laura Jamal, Adalgisa Tocalino, Maria Alonso, Alice Pedroso, Cecília Ferraz, Mariinha Mano, Aída Zaki Abucham, Zizzi Coccapieller, Olinda Zanoto, Eurídice Madureira, Maria Braz, Ercília Bugelli e dona Anita Amazonas. Entre elas minha certeza é em relação às duas senhoritas na fileira em pé (as que têm uma cruz na boina) (2) Adalgisa Tocalino e (3) Aída Zaki Abucham


Aspecto da Praça Melo Peixoto em 1932.


É sabido o engajamento da Diocese de Botucatu ao movimento, na pessoa do Bispo Dom Carlos Duarte. Desse modo, um panfleto conclamando para um ato e missa campal na praça foi distribuído entre a população, o qual se encerrava com a afirmação:


A população acorreu ao chamado do vigário local, Pde Vitor Moreno.
Missa campal no ato de entrega das bandeiras ao batalhão.


Vemos abaixo as senhoritas organizadoras do Café Soldado: da esquerda para a direita: Alzira Santos Pereira, Chiquinha Mano Filho, Emilieta Sassi, Emília Tocalino e a filha Alzira. 


Comentários