Pular para o conteúdo principal

OURINHOS A CAMINHO DO CENTENÁRIO: O EXTERNATO RUI BARBOSA

O prédio do Externato Rui Barbosa, que  ficava na Avenida Altino Arantes,  é o que tem uma placa grande na varanda. Nesse local hoje está instalada uma agência da Caixa Econômica Federal.


O Externato Rui Barbosa, fundado em 1928, foi a primeira escola particular a oferecer uma modalidade de  curso ginasial em Ourinhos.
Seu proprietário era Constantino Molina,  professor espanhol muito preparado, colaborador de "A Voz do Povo", onde escreveu muitos artigos sobre diversos assuntos ao longo dos anos 1930, tendo ainda publicado uma alentada narrativa sobre a Revolução de 1932 na região de Ourinhos.





Os alunos dessa modalidade de curso ginasial eram preparados na escola e, ao final do ano, iam até São Paulo prestar exames em escolas autorizadas pelo governo federal. 
Em 1937, um grupo de alunos submeteu-se a  exames na Faculdade Comercial Brasil, em São Paulo. A nota mais alta entre as alunas foi 8, obtida por Rosa Fragão, Ivone Pierotti e Amélia das Neves Lopes. A mais alta entre os alunos foi 7, obtida por José Fernandes, Hermínio Nogueira e Jairo Diniz.




Nesta foto editada vemos Amélia das Neves Lopes e
Jairo Teixeira Diniz 









Vários outros cursos eram também oferecidos pelo Externato:


Dois de meus tios, João e José e  minha mãe, Amélia estudaram nessa escola. Meus tios fizeram o curso comercial e Amélia o curso secundário.
Em 24 de maio de 1935, o jornal "A Cidade de Ourinhos publicava:
"Resultado do segundo exame bimensal de março e abril:
1º lugar - João Neves, com 100 pontos; 2º lugar - Agripino Braz, com 91 pontos; 3º Orlando Vendramini, com 87 pontos; 4º José Neves Neto, com 78 pontos(...)"



Com a criação do Ginásio de Ourinhos, uma escola particular com subvenção da prefeitura, oferecendo o curso secundário regular, o Externato Rui Barbosa foi perdendo a sua clientela. Isso levou o professor Molina a deixar cidade em outubro de 1942, indo para São Paulo. O prédio onde funcionava a escola foi comprado pelo professor Aparecido Lemos, que ali manteve por muitos anos um curso de datilografia.

Comentários

Marão disse…
O professor Aparecido e dona Josefa também tiveram, por algum tempo, uma especie de pré-primário. Para entrar no grupão, a idade mínima era 7 anos. Então aprendi a ler ali, aos 6 anos, com dona Josefa.
Boa lembrança, Marão, mantiveram então por certo alguns dos cursos que o professor Molina havia criado.
Obrigado.
Abraço.
Francisco Soares (Chicão) disse…
Francisco Soares escreveu;

O professor Aparecido Gonçalves Lemos mantinha dois cursos, um de noções de contabilidade comercial e outro de datilografia Foi ali que tornei-me datilógrafo e fui trabalhar no cartório do Geraldo Abujamra.onde tornei-me exímio tecladista. Um dia o professor Aparecido estava no cartório e o Geraldo perguntou-lhe se não era pouco demais, ele dar diploma a quem escrevesse 30 palavras por minuto. Ele respondeu que isto era normal, e perguntou ao Geraldo quantas palavras ele escrevia por minuto. Este disse: O Chiquinho saiu de lá com 30 palavras e hoje, um ano depois, escreve perto de 70. Ante a dúvida do professor, o Geraldo fez-me copiar uma escritura e marcou o tempo de dois minutos. Após, contou as palavras,que atingiram 164. Foi um sucesso. Ah, eu tinha apenas 14 anos, pois foi em 1946.
Marisa Nogueira disse…
Que bela recordação. Obrigada pela lembrança.
Marisa da Silva Nogueira

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…