Pular para o conteúdo principal

AS HOMENAGENS DE OURINHOS AOS SEUS EXPEDICIONÁRIOS (1945)

Esta é uma das várias fotos feitas por meu pai por ocasião da homenagem que a cidade prestou aos expedicionários ourinhenses.
Ao vê-la, vieram-me à memória fragmentos de outras fotos que se encontram desaparecidas.
Esta foi tirada a partir do primeiro andar do Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá, mostrando parte da multidão que lá se postou para assistir à missa e às homenagens prestadas. O altar foi erguido na confluência da Rua 9 de Julho com a Expedicionário, denominação que a rua recebeu naquela ocasião.
Transcrevo abaixo texto das reportagens minuciosas de "A Voz do Povo", de 12-5-1945





"Ourinhos, comemorando o término do conflito no velho continente, promoveu, nas noites do dia 5, sábado, e dos dias 7 e 8, segunda e terça-feiras, empolgantes e entusiásticas manifestações, nas quais, tomaram parte, as autoridades locais, as associações e o povo em geral. Desde o cair da tarde do dia 5, girândolas e rojões espoucando pelo espaço, anunciavam a grande concentração que se realizaria, como de fato se realizou, ás 20 horas, do já referido dia. Muito antes, da hora aprazada para a realização do magno comício, compacta massa popular, enchia a Praça Melo Peixoto. Dando início á grande festa popular, a Banda de Mú ­ sica local, executou uma marcha militar. Em seguida, ao microfone da radio audição local, instalado no coreto da referida praça, discursaram os drs. Antonio da Rocha Paes, M. Juiz de Direito da Comarca, Júlio dos Santos, advogado, Hermelino A. de Leão, D. D, Prefeito de Ourinhos, os sr. Benedito Alves, e o fecundo jornalista Milton Oliveira Rosa. Todos os oradores foram vivamente aplaudidos pela enorme massa de povo, que lotava a grande Praça Melo Peixoto. Depois do comício, pelas ruas de Ourinhos, empunhando bandeiras nacionais, dísticos e emblemas, desfilaram as autoridades locais, as associações e o povo em geral, acompanhando-os, a nossa banda de música. O enorme desfile, ao som das marchas militares e ao espoucar de milhares rojões, percorreu várias artérias de Ourinhos. Vivas ás nações unidas, urrahs ao nosso destemido Corpo Expedicioná­rio, ouviam-se de todos os lados. E debaixo da mais viva e entusi­ástica apoteose de comoção, findou a brilhante passeata. "




Itália, nesse grupo está um dos expedicionários ourinhenses da família Robles: Manuel Robles.

"Na segunda-feira, dia 7, com a noticia veiculada pelo rádio, da rendição incondicional da Alemanha, o comércio cerrou as portas ás 14 horas, e o M. Juiz, suspendeu o expediente forense. Durante toda a tarde desse dia, centenas e centenas de bombas e rojões espoucaram, anunciando o contentamento do povo, pela extinção da adversária da humanidade. A’ noite, no correto da Praça Melo Peixoto, realizou-se mais um entusiástico comício. Neste, falaram o dr. Hermelino A. de Leão, nosso distinto Prefeito, e o conhecido jornalista, Milton Oliveira Rosa, secretário de nossa Prefeitura. Ambos os oradores foram muito ovacionados. Após a concentração, novo desfile houve. Desfilaram, os atiradores, o povo e associações, acompanhando a passeata a banda de música. Na terça-feira, feriado nacional (Dia da Vitória), á noite, realizou-se, solenemente, o entêrro de Hitler. Acompanhou o préstito fúnebre, grande massa popular. Desta arte, Ourinhos, através de seu povo ordeiro e patriótico, comemorou muito dignamente, a derrota da Alemanha. O povo de nossa cidade, comparecendo a todas as solenidades levadas a efeito pelo triunfo das nações unidas, deu provas do seu amor cívico. E não só demonstrou o seu grande amor cívico, como também, durante a realização das solenidades, não se registou, sequer, um distúrbio na cidade. Tudo correu bem, e dentro da ordem e do respeito. Nossa fôlha, jubilosa com o término da guerra, saúda as na­ções aliadas, e saúda, outrossim, o bravo, e brioso, e destemido Corpo Expedicionário Brasileiro, o qual, na velha e gloriosa Europa, soube elevar bem alio o nome do nosso caro Brasil. 

"Ourinhos recebeu condignamente seus bravos filhos que lutaram nos campos da Itália.

Agachados: José Garcia Leal, João Rosa, Valdomiro dos Santos, Francelino dos Remédios, Nildo.
O segundo da direita para a esquerda é Ciro Abujamra.

 Jamais se viu nesta cidade, festa tão bem organisada — Está de parabéns a Exma  Sra Dna. Táta de Leão, o cérebro organisador de tão magníficas solenidades  que ficarão indeleveis na história de Ourinhos. Como se esperava, constituiu um verdadeiro acontecimento social, a festa de re ­ cepção aos bravos pracinhas ourinhenses, que tão bem souberam elevar o nome de Ourinhos em plagas distantes. Essa festa de proporções tão grandiosas, foi idealisada pela Exma. Snra. Dna. Táta de Leão ; que, recebendo apoio da população desta cidade, poude apresentar aos expedicionários ourinhenses, uma recepção digna de heróis. Nenhum detalhe foi esquecido, pela inteligente mentora da Legião Brasileira de Assistência de Ourinhos. Tudo foi previsto e matematicamente realizado. Desde a ornamentação das ruas até a apresentação das elegantes toiletes pelas distintas figuras femininas do mundo social ourinhense, no grandioso baile realizado á noite, nos fidalgos salões do Grêmio Recreativo de Ourinhos, tudo esteve de acordo e combinou com o ambiente festivo da ocasião. O programa de homenagens  foi elaborado caprichosamente por uma comissão composta de elementos representativos de todas as camadas sociais de Ourinhos. A homenagem do povo ourinhense aos destemidos expedicionários que, há anos daqui partiram para defender a integridade brasileira, contou do seguinte programa: Às 9 horas, na Rua 9 de Julho, em frente ao Grupo Escolar Jacinto F. Sá, no majestoso altar de madeira, especialmente armado, foi rezada uma missa em ação de graças pelo retorno de nossos irmãos aos seus queridos lares. Cêrca de 3.000 pessoas com ­ pareceram ao ato. Após a missa, discursou de improvisso o Dr. Cândido B. Porto, Digno Promotor Público da comarca, que, com belas e oportunas expressões exaltou os feitos dos nossos pracinhas nos campos de batalha. Em seguida, pelas legionárias, foi prestada uma homenagem ao expedicionário que ficou, sendo na ocasião depositada uma corôa de flôres naturais no lugar especialmente destinado para êsse fim. Nessa ocasião a Srta. Emery Trench, declamou uma poesia, com toda alma, conseguindo vibrantes aplausos da numerosa assistência. A parte que concorreu para a  grande animação das festividades, foi a presença do nosso garboso Paulistinha, e de aviões das cidades visinhas, que em formação fizeram evoluções durante o transcorrer do Santo Sacrifí­cio da Missa despertando a curiosidade do povo e abrilhantando consideravelmente a magnífica festa homenagem. Essa parte, deve-se á esforçada diretoria do Aéro Clube local, que, logo que teve conhecimento de que se projetava homenagear os pracinhas ourinhenses, imediatamente se prontificou a colaborar em tudo que estivesse ao seu alcance. E assim fez, convidou vários Aéros Clubes visinhos para abrilhantarem as nossas festas; e eles aqui se fizeram representar. Em seguida desfilaram garbosamente pelas ruas da cidade as representações do Ginásio de Ourinhos, Aeroporto de Ourinhos,  Legionárias e seus respectivos pares e etc. Na Rua Piauí, em frente ao Grupo Escolar, o Dr. Hermelino de Leão inaugurou oficialmente a placa que mudou o nome da Rua Piauí para Rua dos Expedicionários, em homenagem aos nossos pracinhas. Na ocasião o nosso preclaro prefeito pronunciou um belo discurso, sendo muito aplaudido pelo grande número de presentes. O desfile seguiu em direção ao campo do C. A. Ourinhense, onde se realizou um churrasco oferecido aos pracinhas e a população ourinhense.  Tudo decorreu dentro da ordem e do espírito de camaradagem. A’ noite, no jardim público, perante numeroso público discursaram através do Serviço de Alto Falante de Ourinhos, os jovens Benedito Pimentel, Conrado Moraes e o jornalista Milton Oliveira Rosa, que encerrou a solenidade. A’s 22 horas, no salão do Grêmio Recreativo, realizou-se um pomposo baile, que prolongou-se até altas horas da madrugada. A festa de Recepção ao Expedicionário ourinhense, qui­çá a maior e melhor festa realizada no interior, foi fruto da inteligência da Exma. Dama Dna. Táta de Leão, ativa Presidente do núcleo municipal da LBA. A’ Dna. Táta e aos seus esforçados colaboradores, os parabéns sinceros desta folha pelo êxito alcançado." 

A placa encontra-se na lateral do prédio da atual Diretoria de Ensino da Região de Ourinhos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…