Pular para o conteúdo principal

OURINHOS E AS FERROVIAS

Ao que tudo indica, Ourinhos vive a hora da verdade no que diz respeito a malha ferroviária que corta a cidade.
Cidade que nasceu em função do café,  teve  duas ferrovias cortando o seu perímetro urbano.
Até o final dos anos 1950, o cafezal dos Ferreira de Sá e dos Soares ainda faziam limite com a área urbana. O que restou da Fazenda Múrcia, situada no lado oeste da cidade,  foi loteada, surgindo assim novos bairros. 
Quem mais resistiu no tempo foi o restante dada propriedade cafeeira de Jacinto Ferreira de Sá, no lado leste,  hoje já rodeada pela área urbana.
Do leito ferroviário da Sorocabana, já na segunda metade dos anos 1920, partiu a ferrovia que demandava o Norte do Paraná - a Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná, passando por terras de Horácio Soares e seguindo até a divisa com o Paraná.
O centro de Ourinhos, com esse traçado ferroviário,  acabou tendo o formato de uma  ferradura, como pode ser observado nesta foto.
Foto do início dos anos 1970 - autoria desconhecida.
 
Ou seja, esse leito acaba tendo o  traçado de uma avenida perimetral tão cobiçada. 
O leito ferroviário na região encontra-se degradado há muitos anos, e as manobras realizadas nessa região causam há anos transtornos para a população da cidade, sem contar com os alegados  problemas de segurança apontados por estudiosos da questão. 
Ao  que indicam  as notícias essa situação vive os seus últimos momentos.
A remoção do leito ferroviário da área central já ocorreu em em Londrina, Araraquara e outras cidades paulistas.
Dificilmente Ourinhos conseguirá escapar desse destino. Tivesse o transporte ferroviário de passageiros sido mantido e aperfeiçoado, outra seria a situação, como ocorreu nas ferrovias europeias  e dos Estados Unidos.
Em breve, teremos que dar adeus aos trilhos com os quais convivemos por mais de cem anos.


Nesta foto dos anos 1950, por Francisco de Almeida Lopes, vemos o início do leito ferroviário 
da antiga Rede de Viação Paraná-Santa Catarina. A foto foi tirada a partir do pontilhão que liga a Rua 9 de Julho com a  Avenida Rodrigues Alves.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…