Pular para o conteúdo principal

A QUASE CENTENÁRIA IGREJA METODISTA DE OURINHOS

Este ano a Igreja Metodista de Ourinhos completará 100 anos!
O movimento metodista remonta à primeira metade do século XVIII, tendo iniciado graças ao sacerdote  John Wesley, que buscava uma renovação dentro da Igreja Anglicana. Após a sua morte, é que surge a Igreja Metodista.
O metodismo teve uma penetração grande no sul dos Estados Unidos, no século XIX.. 
No Brasil, sua presença data da segunda metade do século XIX. O primeiro núcleo foi fundado pelo pastor Junius Estaham Newman na Província de São Paulo, o chamado "Circuito de Santa Bárbara", em 1871. (em http://5re.metodista.org.br/ , há um bom resumo sobre a a história do Metodismo).
Em Ourinhos, o  núcleo inicial, segundo o reverendo João Francisco Ricardo Baptista,  era constituído por um grupo de 10 pessoas que se reuniam numa casa próxima à estação ferroviária. 
Jacinto Ferreira de Sá doou, em 1915,  um terreno na Rua São Paulo para a construção do templo. A inauguração do templo se deu em 13 de junho de 1915.
O crescimento do número de membros nas três décadas seguintes trouxe a necessidade de construção de um novo templo. A ação nesse sentido foi obra do reverendo Augusto Schwab, durante os anos de 1952 a 1958. 
Ergueu-se então esse belo templo da Rua  São Paulo, de perfil elegante externamente e muito bonito na parte interna. Sempre o admirei, desde criança.




Foto postal Colombo (1959)​

Cheguei a conhecer o reverendo Schwab e família que moravam na mesma rua (9 de Julho) que eu, a três casas do pontilhão de acesso à Vila Nova.
Uma das mais antigas senhoras metodistas frequentou muito a casa de meus avós, tendo sido a professora de corte e costura de minha mãe. Ela se chamava dona Inês.




A família era de Minas Gerais. Benedito era  um dos melhores alfaiates de Ourinhos. Foi para Santo André com a esposa e filho nos anos 1950. 

Dona Inês viveu bastante;  já bem idosa, a comunidade cedeu dois cômodos ao lado da Igreja para ela morar. Ali faleceu. Quando eu já estava   em São Paulo, visitava-a todas as vezes em que ia a Ourinhos. 
Nessa foto de membros da Igreja, acredito que Benedito seja o terceiro(à direita) na fileira atrás das senhoras sentadas. A segunda jovem sentada, de vestido branco,  (à direita) talvez seja  dona Inês.

Foto de autoria desconhecida, em http://5re.metodista.org.br/conteudo.xhtml?c=9983 

Comentários

Noel disse…
José Carlos, boa tarde !

Também conheci o revendo Augusto Shwaber, homem austero, só se vestia de preto e chapéu. Costumava visitar seu "rebanho" utilizando-se de uma bicicleta. A Igreja Metodista contou entre seus membros de pessoas representativas da sociedade ourinhense. Por exemplo: a família Moraes, o Jacinto ( ou Olavo ) de Sá, casou-se com uma das filhas de Álvaro Ribeiro Moraes: outra família foi de Ângelo Christone, um dos fundadores da cidade. Uma das filhas de Swuaber casou com o doutor Faris Freua, renomado médico - tinha uma bela casa ao lado do Grêmio Recreativo, na Altino Arantes.Seu outro filho, de nome Ciro, era um jovem esportista. Um galã que mexia com a imaginação das moças evangélicas, geralmente pudicas. Talvez tenha sido a única igreja a manter uma quadra esportiva e salas de aula na rua 9 de julho - era franqueada a todos.Certa feita, no final da adolescência, frequentei as aulas do Alfredo Cubas e Anibal Monitor - talvez ali tenha despertado meu interesse nos estudos. Também manteve por décadas, o Asilo Samaritano, na rua 12 de outubro. A Igreja Metodista, por sua importância, merece o destaque de seu centenário, em Ourinhos. Gostaria de vê-la mais pujante como outrora ! Forte abraço, NOel.
Obrigado Noel pelos acréscimos sobre a Igreja e seu rebanho. Efetivamente, ela merece todas as comemorações possíveis e homenagens, principalmente da municipalidade.
Abraços.
José Carlos

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…