9.9.12

MAIO DE 1937

1937 foi o ano em que o Brasil tornou-se uma ditadura, o chamado "Estado Novo". Imaginem, um presidente eleito segundo o estabelecido na Constituição de 1934 fecha o Congresso Nacional e outorga uma nova Constituição, a de 10/11/1937.
Apoiado pelo Exército, a resistência ao golpe  estava fadada ao fracasso.
  Seis meses antes, quando o golpe estava sendo urdido, nesse ano haveria eleição para presidente da República, Sansão Ferreira, redator de "A Voz do Povo",escrevia:
(15/5/1937)




 

O jornal noticiava nesse dia  uma comemoração ao "24 de maio", que seria para sempre lembrado como o "MMDC":


Joaquim Pedroso era o diretor do Grupo Escolar.
Edison Leonis era  filho de Rodopiano Leonis Pereira, que foi prefeito de Ourinhos em 1931. Foi casado com Oslávia Braz, filha de Adriano José Braz.. Abaixo a foto de casamento deles. Edson era o líder do Movimento Integralista Brasileiro em Ourinhos, agremiação que fora fundada por Plínio Salgado nos anos 1930. Ele casou trajando o uniforme do MIB. 



Foto postada originalmente em http://monteirowilson.fotoblog.uol.com.br/

Maria Inês de Camargo Pires foi bibliotecária do IEHS, a quem conheci. Foi candidata a vereadora no final dois anos 1940. Era irmã do drº Luiz de Camargo Pires. Mãe de minha amiga Ivelina M. Marques. 
Aparecida Pontes, Quinha Martins e Geralda Vilches foram colegas de escola de minha mãe.
Também conheci as irmãs Santa (mãe de Mariza Brandimarte) e Otilinda Ramos ( foi casada com Bija Zanotto, já falecida).
Diva Ferreira foi a segunda esposa de Romeu Silva, gerente do cinema.
Antonieta era filha de João Simão Yared, o João Chic, dono da Casa Chic.
Mário Branco foi figura de destaque na cidade. Criador da Biblioteca do GRO. 
Dedé Carvalho era irmã de Geraldo de de Barross Carvalho, casado com a profª Maria Teresza Caetano..

2 comentários:

José Carlos Marão disse...

Xará


É difiícil confiar na memória.

Mas, das pessoas citadas na Festa de 24 de Maio, acho que conheci a dona Marcenina Azevedo.

Se eu estiver certo, era casada com o escrivão de policia, Ingmar Samadelo, e foram nossos vizinhos no corredor.

Abraços

José Carlos Neves Lopes disse...

Sim, era filha do proprietário do jornal "A Voz do Povo".