8.9.12

DESFILES DE SETE DE SETEMBRO EM OURINHOS AO LONGO DE CINCO DÉCADAS


Francisco de Almeida Lopes foi o pioneiro em fotografar desfiles em Ourinhos.
Iniciou essa atividade nos anos 1930, como passatempo.
Com a chegada de José Machado Dias a Ourinhos, no final dos anos 1940 fez com ele uma parceria nesse sentido.
Fotografar desfiles era com ele. Saía de casa antes das 8 horas com a máquina a tiracolo e somente retornava quando o desfile terminava, percorrendo todas as ruas selecionadas para a festa.
Quando morou em São Paulo, de 1967 a 1974 fotografou desfiles em diversos pontos da cidade.
Retornando a Ourinhos,  continuou a fazê-lo, somente abandonando esse hábito quando adoeceu.
Seguem abaixo algumas fotos:



Início dos anos 1940
Na Rua Antônio Prado, próximo à cancela da ferrovia.



Início dos anos 1950
Na Avenida  Altino  Arantes, esquina com a atual Antonio Carlos Mori


Na Rua 9 de Julho, entre a Paraná e a Arlindo Luz, alunas do Colégio Santo Antônio. A primeira à direita é Edna Silva  Matozinho.



1959
Na Praça Melo Peixoto, alunos da 5a. Série do IEHS: 1 - Roberto Ribeiro da Silva,  2 - Ismael, 3 - Antonio Romani, 5 - José Carlos Neves Lopes.



1965
Na Rua Antonio Prado, alunos da ETC de Ourinhos: à esquerda 1 - Walter Brandimarte - 2 - José Carlos Neves Lopes



Segunda metade dos anos 1970
Avenida Altino Arantes entre Cardoso Ribeiro e Souza Soutelo

Fotos por Francisco de Almeida Lopes 

2 comentários:

Marisa Ferreira Batista Ferrazoli disse...

Querido

Belas fotos!Provavelmente estou em alguma fileira da foto 4.
Desfilamos com arcos floridos e depois de algum tempo participamos de um desfile em Botucatu
com os mesmos arcos.
Lembro muito bem dessa viagem acho que a primeira que fiz sem os meus pais.

Abraços
Marisa

Gabriel Marão disse...

José Carlos,
Mais uma vez parabéns pelo seu excelente serviço prestado à nós ex ourinhenses.
Eu já nem lembrava mais do Ismael, mas ao ver a foto e a legenda me lembrei dele.
Com aquela carinha, acho que só me lembro dele naquela época, não me lembro dele nos últimos tempos em que morei lá.
Um grande abraço.
Gabriel