OS PRIMÓRDIOS DO TEATRO EM OURINHOS NOS ANOS 1940: O GRUPO DE AMADORES TEATRAIS OURINHENSE - GATO

Ourinhos viveu um momento de muita criatividade do ponto de vista cultural e  esportivo nos finais dos anos de 1930 e início de 1940.
A área teatral foi um deles, com a formação de um grupo teatral o Grêmio Ourinhense de Amadores Teatrais -  o GATO.

As reportagens são do jornal "A Voz do Povo"

08.02.1941

Por estes dias! O nosso applaudido e diligente «Grêmio Ourinhense de Amadores Theatraes», levará a effeito mais um formidável espectáculo no palco do Cine Theatro Casino, dia 17 do corrente, com a scenação da estupenda comedia-dramatica: «O Pequeno Parisiense», de origem franceza. A peça, de um enredo finíssimo, está sendo rigorosamente ensaiada e os principaes papeis foram confiados aos amadores Sebastião, Euclydes, Herculano e Umberto, já apreciados pelo publico ourinhense. A segunda parte do espectá­ culo será completado pelo Conjuncto Marajós, o melhor conjuncto vocal da alta Sorocabana.


Gremio Ourinhense de Amadores Theatraes 


O espectáculo dramatico e musical levado a effeito á noite de 17 do corrente, no Cine-Theatro Casino, foi mais um successo alcançado no palco pelo Gremio Ourinhense de Amadores Theatraes. "0 Pequeno Parisiense" é uma peça de excellente enredo e foi carinhosamente interpretada pelos nossos amadores conterrâneos, agradando muito ao numereso publico que não regateou applausos aos que se exhibiram no palco. A segunda parte, foi preenchida pelo Conjuncto Marajós, executando um programma vocal musicado, tendo desempenho impecável e surtindo successo, resultado, aliás, já antecipado pela excellenciá do Conjuncto Marajós, de nome feito. 


29-3-1941















Drº Herculano Neves 
Herculano Neves (1927-1985) foi aluno das primeiras turmas do Ginásio de Ourinhos. Após sua formatura em 1945, foi para São Paulo onde fez o curso secundário e ingressou no curso de Direito na Faculdade do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo. Recém-formado, foi um dos advogados de defesa que atuaram no processo movido contra os participantes das  associações secretas japonesas que atuaram no Brasil no transcorrer da Segunda Guerra Mundial. Foi o maior e mais longo processo criminal do Judiciário brasileiro (durou 12 anos e 4 meses). Herculano escreveu três livros:  NEVES, Herculano. O Processo da “Shindô-Remmei” e demais associações secretas japonesas no Brasil. São Paulo: Linográfica Editora ltda., 1960 ; "Eu te arrespondo Carolina - São Paulo, 1961" e "321 perguntas a um brasileiro - São Paulo - São Paulo, Fulgor, 1963 (Coleção Universidade do Povo)"; "Pequena Cartilha do Socialismo Revolucionário - São Paulo, Fulgor, 1963"

Os irmãos Herculano e Sebastião Neves (1943)




Integrantes do "GATO: Sebastião Neves, Herculano Neves,Vivaldi Vigna, Leonor de Campos, Maria Neves, Nair Graciano (Azevedo), Juracy Valvassori, Euclides Valvassori, Álcio Gomes e Olavo Mantovani,  em frente a Igreja Matriz, no dia  15 de junho 
de 1942, quando se  apresentaram na peça “Almas do outro mundo”, comédia em 3 atos 






O único remanescente desse grupo ainda vivo: Euclides Valvassori, foi entrevistado por meu primo, o jornalista Jefferson Del Rios Vieira Neves:   
"O primeiro grupo amador teatral de nossa cidade tinha o engenhoso e bem humorado nome de GATO (Grupo de Amadores Teatrais de Ourinhos). Afirmação de  Euclides Valvassori um dos seus fundadores juntamente com o nosso tio Sebastião  Neves.
 Nascido em São Manoel, em 1920. Seu pai negociava algodão  e ele foi alfaiate. Da pouca diversão ou vida cultural no cotidiano provinciano, surgiu a ideia do grupo amador vinculado à Congregação Mariana. Valvassori esclarece no entanto que não se tratava de proselitismo religioso e nem os artistas estavam subordinados às diretrizes do padre. Passados mais de 70 anos, Valvassori não guarda o nome de todos os integrantes do elenco, mas cita além de Sebastião dois outros tios nossos, Herculano e Maria Neves (que uma vez teria interpretado um pequeno papel) e Simão Pires do qual não tem notícias. O repertorio consistia em melodramas típicos de circo  e comédias de  Armando Gonzaga, autor então em grande em evidência. Dele, o GATO representou O Maluco Número 4 e a ainda conhecida  “Cala boca Etelvina”  levada ao palco por Procópio Ferreira (1925) e mais tarde ao cinema por Derci Gonçalves e Paulo Goulart (1959).
A equipe encarregava-se de toda produção incluindo cenários e figurinos. As apresentações eram pagas e parte da renda revertida para a paróquia. O GATO excursionava pela região e Valvassori lembra-se das viagens a Jacarezinho e Ribeirão Claro, no Paraná.
 Com o tempo, o grupo fundador se dispersou, outros vieram. Sebastião Neves mudou-se para Itapeva onde teve uma autoescola e era despachante nesta área, e Herculano Neves foi cursar direito na Faculdade São Francisco, em São Paulo, onde fez carreira como advogado. Maria Neves, tia Nim, trabalhou até se aposentar na antiga Cia Telefônica Brasileira e era uma pessoa conhecia e querida na cidade.  É hoje quase inacreditável descrever a telefonia desses anos em que a telefonista entrava na linha para intermediar as chamadas (o que se vê em filmes norte-americanos antigos)
Finalmente, em 1947, Valvassori, filho de brasileiro e italiana da região de Nápoles  deixou Ourinhos para sempre. Trabalhou inicialmente na extinta companha aérea Real Aerovias e a seguir tornou-se propagandista de laboratório farmacêutico até se aposentar. Viúvo, reside no Alto da Lapa ao lado da filha Déa. Absolutamente lúcido e em boa forma física, colabora regularmente com uma crônica para  a revista Nosso Bairro "


"AVoz do Povo", in Tertuliana.







Comentários

Unknown disse…
José Carlos, bela matéria, estou sempre acompanhando, - porém gostaria de fazer uma correção...Maria Neves faleceu em 1.999
Um abraço.
Raffi Dread disse…
Não procede tal informação, Maria Aparecida Neves minha avó faleceu em 2010 como descrito por Jose no blog.

Quem faleceu em 1999, foi a irmã de Sebastião, tia Nim - Maria Neves.
A esposa dele faleceu em São Paulo em 2010.
José Carlos
Gabriela Antunes disse…
Olá, gostaria de perguntar se alguém teria, por favor, uma cópia do livro Eu te arrespondo Carolina, de Herculano Neves para me enviar/emprestar/vender. Sou doutora em literatura pela Universidade de Berlim, e estou escrevendo um texto sobre a recepção crítica de Quarto de Despejo para ser publicado num livro alemão. Como vivo em Lisboa, tenho muita dificuldade em aceder a bibliografia (simplesmente não existe o livro em nenhuma biblioteca europeia!). Assim, ficaria muito agradecida se pudesse me ajudar, e obviamente estou disposta a pagar pelo serviço, mesmo que seja uma fotocópia, um scanner, etc. Depois de terminado meu trabalho, terei o maior prazer em doar o texto à Universidade de Lisboa, para que ele possa ser lido por mais e mais pessoas. Eis o meu contato: gabiantunes@hotmail.com Obrigada desde já e bom domingo. Gabriela Antunes
Professora Gabriela, sou sobrinho de Herculano Neves, a viúva dele, Geny, deve ter um exemplar disponível. Vou falar com ela para que entre em contato com você.