Pular para o conteúdo principal

DONA CÂNDIDA MATEUS E AS PROCISSÕES DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA.


Há 95 anos,  ocorreu a primeira aparição de Nossa Senhora, a três crianças: Lúcia, Francisco e Jacinta. Foi no dia 13 de maio de 1917, na Cova da Iria, Freguesia de Fátima em Portugal. 
Ao cabo de várias aparições,  Nossa Senhora de Fátima tornou-se então  mundialmente conhecida e venerada.
No Brasil, por suas origens lusitanas, a santa viu sua popularidade estender-se por todas as regiões do país.
Cópias  da imagem da santa foram confeccionadas sob a supervisão do trabalho artístico pela  irmã Lúcia, e percorrem o mundo.
Nos anos 1950, a devoção à santa  ganhou força em Ourinhos por conta da ação de dona Cândida Mateus, uma senhora portuguesa que teria alcançado uma graça, D, Cândida era casada com um comerciante estabelecido na Praça Melo Peixoto, num prédio em frente ao atual Bradesco. Seu marido tinha sociedade com outro português, senhor Sarmento, que morou muitos anos num sobrado de propriedade de meu avô, na Rua Nove de Julho. Seu filho, o engenheiro Sarmento trabalhou muitos anos na Sanbra.
Dona Cândida tornou-se amiga de nossa família, por isso tive um convívio muito próximo com essa senhora. Ela fazia comercio com  jóias de ouro sob encomenda. As freguesas escolhiam a jóia e ela levava o pedido para um joalheiro em  São Paulo. Hospedava-se sempre num hotel do Largo Paissandu, que até bem pouco tempo ainda existia. Eram jóias muito bem feitas e de ouro de boa qualidade. Muitas delas  devem existir ainda, espalhadas  por muitos famílias ourinhenses.
Havia duas grandes festas religiosas na cidade em louvor a Nossa Senhora de Fátima: nos dias 13 de maio e 13 de outubro. Sob a supervisão de dona Cândida eram organizadas procissões, nas quais uma  imagem da santa percorria as ruas da cidade, levada por um carro alegórico  ricamente ornamentado. Chegando à Igreja Matriz,  a imagem era entronizada em seu altar. Essas procissões contavam com a presença da Banda Municipal. O Hino de Nossa Senhora de Fátima, de autoria desconhecida, era entoado ao longo da procissão e cantado pelos inúmeros fiéis que acompanhavam a procissão.

 HINO À NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

                        
                               A treze de maio
                               na cova da IRIA
                               no Céu aparece
                               a Virgem Maria !

                               AVE, AVE, AVE MARIA
                               AVE, AVE, AVE MARIA !

                               Os três pastorzinhos
                               cercados de luz
                               recebem a visita
                               da Mãe de Jesus !

                              Um susto tiveram
                              ao verem a luz
                              mas logo a Senhora
                             da Paz os conduz !

                             Então perguntaram
                             que nome era seu...
                             A Virgem responde:
                             "MARIA DE DEUS" !

                            Vivamos sem mancha
                            cristãos sem labéu.
                            Que a Virgem nos guie
                            a todos pro Céu !

CLIQUE SOBRE A FOTO
Nossa Senhora de Fátima abençoando Ourinhos.
Lembro-me   da ação amiga de Dona Cândida quando minha avó faleceu em 1965, trazendo para a família um grande caldeirão de canja. Nos finais de 1960, a idade avançada e a saúde abalada de Dona Cândida impediram-na de dar continuidade à organização de suas procissões. A Igreja Católica passava por grandes mudanças e tudo foi tomando outros rumos. 
Neste ano de 2012, por força do nonagésimo quinto aniversário da primeira aparição, uma cópia da imagem está peregrinando pelo Brasil.
Nos anos 1950, a imagem esteve em Ourinhos e uma grande festa foi organizada, ocasião em que meu pai a fotografou, como mostra esta foto de um altar edificado no final da Rua 9 de Julho, na altura da passagem da linha férrea.
Foto por Francisco de Almeida Lopes

Comentários

Anônimo disse…
José Carlos Marão escreveu
José Carlos Xará

Boa lembrança.

Minha mãe era freguesa da dona Cândida.

As medalhinhas de Nossa Senhora de Fátima ainda devem estar por aí, com a família.

abraços

marão
Marisa F. Batista Ferrazoli escreveu:
Lembro muito dessas procissões,pois nós estavamos junto à igreja.
E também da dona Cãndida puxando o terço e as canções durante a procissão.

Coisas que já não existem mais.

Boa semana
Anônimo disse…
Eliana MaRTINI ESCREVEU:

José Carlos que coincidência receber esse seu email seu sobre Fatima ,estou aqui em Portugal e ontem estive na missa campal no seu santuário,foi uma das coisas mais lindas que já vi,.....ela passou na minha frente ,pois foi conduzida até ao altar onde seria a missa ,recebi tb a benção do bispo com a água benta ,e o que me emocionou muito foi ver os romeiros ajoelhados no chão cumprindo sua promessa e agradecendo suas graça ...deixei nos pés da santa o livro que escrevi sobre a história da minha família pra que ela abençoe a todos. Foi m dia especial !!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…