PADRE DUÍLIO LIBURDI, UM MISSIONÁRIO JOSEFINO EM TERRAS BRASILEIRAS


Minha tia, Maria Neves (Nim), apesar de pertencer à Paróquia do Senhor Bom Jesus, frequentou muito a Paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe, nos anos 1950 e 1960. De modo que eu, sendo até os 13-14 anos  muito religioso, acompanhava-a às cerimônias daquela paróquia. Assim sendo, cheguei a conhecer o padre Duílio.
Italiano de Roma, onde nasceu em 1926, ingressou no Seminário  dos Oblatos de São José, em Asti, aos  onze anos de idade.
Sagrado sacerdote em 1951, dois anos depois veio para o Brasil para iniciar uma ação missionária. Sua primeira missão foi a de dirigir , na condição de reitor,  o Seminário de Nossa Senhora de Guadalupe, em Ourinhos,  o primeiro da Ordem em  terras brasileiras.
Esse seminário havia sido inaugurado em 26 de janeiro de 1952, graças a ação dois padres josefinos, Pedro Magnone e Mario Briatore. 






 Nesta foto, de finais dos anos 1950, vemos o padre Duílio ladeado por algumas telefonistas: minha tia Maria Neves, Noêmia Pedroso, Zilda Fernandes e Maria de Lurdes Souza Barros (Lurdão)
Foto por Francisco de Almeida Lopes

Na condição de reitor, Padre Duílio desenvolveu um importante nos primeiros anos de funcionamento do seminário josefino. 



Padre Geraldo Bortolocci da Silva, irmão do ex-prefeito Rubens Bortolocci da Silva.

Em 5 de abril de 1961, foi  foi sagrado o primeiro sacerdote josefino brasileiro, o ourinhense Geraldo Bortolocci da Silva, de antiga família estabelecida na cidade. Isso ocorreu  numa bela cerimônia na Igreja de Nossa Senhora de Guadalupe, recém construída. Eu estive presente,  e guardo na memória esse momento importante.
Cumprida a sua missão em Ourinhos, Padre Duílio exerceu a condição de pároco em vários municípios do estado de São Paulo e do e  do Paraná.
Nos anos 1980, o Padre Duílio lançou-se em outra atividade missionária, dessa vez em Rondônia e Mato Grosso, onde em região de plena selva, atuou como mediador na defesa de pequenos agricultores migrantes face a ação de grandes proprietários. Foi ameaçado de morte inúmeras vezes.


Uma das últimas fotos do Padre Duílio Liburdi

Debilitado pela malária contraída, deixou a região após 12 de trabalho intenso. Ainda serviu à Igreja, em diversas outras localidades, até que, com  a saúde abalada, retornou a Roma onde veio a falecer após  57 anos de atividade missionária.
Por sua ação em Ourinhos e no Brasil, merecia uma homenagem de da municipalidade ourinhense.


As informações e fotos desta página pertencem ao excelente trabalho  que recomendo àqueles que desejam conhecer a obra desenvolvida pelos padres josefinos  no Brasil. Ela pode ser acessada em            http://www.osj.org.br/wp-content/uploads/pdf


Comentários