24.8.16

Drº JÚLIO DOS SANTOS, ADVOGADO E PROFESSOR DE PORTUGUÊS




Tanto no diz respeito às suas duas profissões advogado e professor ouvi, na infância e adolescência, rasgados elogios à sua atuação.
Quando atuava no Juri, o recinto onde ocorria a sessão costumava ficar lotado por  pessoas que lá iam para admirar a sua oratória; de sua atuação como professor de português no Ginásio de Ourinhos, ouvi de dois de seus alunos, meu tio Herculano Neves, bacharel em direito pela Faculdade do Largo São Francisco e Inês Souza Leal, professora primária da primeira turma de normalistas de Ourinhos, elogios à sua competência no magistério.
Radicado em Ourinhos desde meados dos anos 1930, foi convidado a lecionar no Ginásio recém criado. Na época, não se exigia a formação acadêmica na disciplina para lecionar em ginásios. Desse modo,  era comum advogados lecionarem língua portuguesa e história, principalmente. 

Nesta foto, vemos o drº Julio entre membros do "Operário": é o segundo na segunda fileira à esquerda. Na foto também se encontram, Tufy Saki Abucham e o professor José Maria Paschoalick.



Foi um dos fundadores do Rotary Clube de Ourinhos,  integrante da direção do Clube Atlético Operário e  colaborador do jornal " A Voz do Povo", onde publicou artigos que tratavam de questões jurídicas e de outra natureza.


Casado com Wanda Penteado, desse consórcio nasceu a filha Nielse, minha contemporânea, casada com Ernesto Rondelli, advogado.


2 comentários:

Dirceu Bento Silva disse...

Tive o prazer de ser um de seus alunos na quinta série ginasial no Horário Soares.Era realmente uma sumidade!Dizia, entre outras pérolas: Estudem e poderão tirar a nota máxima;SEIS. Indagado porque Seis era a nota máxima, explicava; Nota 10, só pra DEUS, 9 pra Jesus Cristo, 8 pra Rui Barbosa, 7 pra mim mesmo e 6 para o melhor aluno! Grande Professor!

José Carlos Neves Lopes disse...


Obrigado amigo Dirceu por ter postado essa lembrança. Eu a conhecia contada por minha saudosa amiga Inês Souza Leal, que também foi sua aluna. Não consigo me lembrar na íntegra, razão pela qual não a mencionei no artigo. Sua ação tornou possível o seu resgate.
Abraço.
José Carlos