Pular para o conteúdo principal

O CINE OURINHOS

Emílio Pedutti (1904-1963), nascido em Botucatu,   formou-se contador na conceituada Escola de Comércio Álvares Penteado. O jovem seguiu a carreira bancária, tendo chegado a gerente do Banco Francês e Italiano para a América do Sul. Do banco, passou à atividade empresarial no ramo de diversões, constituindo a Empresa Teatral Pedutti, responsável pela abertura de salas de cinema em inúmeras cidades do interior paulista.



Emilio Pedutti


Em Ourinhos, a empresa adquiriu o Cine Cassino, cuja gerência foi entregue ao jovem  Romeu Silva, também de Botucatu, recém casado.
Ele e sua esposa Glorinha integraram-se à cidade, aqui passaram a viver e morreram;  fizeram história à frente do Cine Ourinhos. Os que frequentaram o cinema jamais se esquecerão da famosa bala de café que saia das hábeis mãos de dona Glorinha. Em Ourinhos nasceram os dois filhos do casal. Merecia ter sido dado seu nome a uma das ruas da cidade.

,

Romeu Silva  e Alfeu, um dos lanterninhas.

Ourinhos crescia a olhos vistos e a antiga casa de cinema já não comportava a demanda. A população ansiava por uma nova casa de espetáculos. Este almejo da população concretizou-se com a inauguração do Cine Ourinhos em 2 de setembro de 1944.



O filme de estréia chamava-se "Fugitivos do Inferno", uma das várias produções de guerra que Hollywood fez nos anos da Segunda Guerra Mundial. O diretor era Raoul Walsh. Chegou a ser nominado para o Oscar de efeitos visuais em 1943. Era estrelado por Errol Flynn, então no auge de sua carreira. Tinha também no elenco o iniciante Ronald Reagan que começava a despontar em sua carreira.

Na foto, vemos ao centro, de terno branco, o prefeito Drº Hermelino Agnes de Leão e Emílio Pedutti  

Em 1949, o Cine Ourinhos já oferecia, aos sábados e domingos,  duas sessões noturnas às 19h30 e 21h30 e uma vesperal (domingo) às 14h15:


Na segunda metade dos anos 1960, a cidade em franco progresso já comportava duas salas de cinema. Inaugurou-se então, o moderno Cine Pedutti, ao lado da Praça Benedito Martins de Camargo, dotado dos mais modernos aparelhamentos. De início, Ourinhos passou a contar com dois cinemas. O avanço da televisão foi minando o número de frequentadores. Em 2002, 28-1, o Cine Pedutti apresentava a sua última sessão de cinema. No espaço por ele ocupado, há hoje um shopping center, já o Cine Ourinhos foi transformado em teatro municipal, na gestão do prefeito Esperidião Cury.
Fontes: Ourinhos Notícias, jornal A Voz do Povo, Blogdodelmanto


Comentários

Alfredo de Almeida Bessa Junior disse…
Eu tinha três ou quatro anos de idade durante a inauguração do Cine Ourinhos. Me lembro ainda de ter frequentado o Cine Cassino na esquina da Rua dos Expedicionários com a Rua São Paulo. É só o que posso dizder.
Fui pouquíssimas vezes ao Cine Pedutti, já estava morando em São Paulo.
Caso meu irmão Aureliano tivesse acesso a esta mensagem, suponho que se jactaria de ter participado da organização da greve - promovida pelo GERB - que levou a Empresa Pedutti a construir um novo cinema. Acho que o terreno foi doado pela Prefeitura - a Câmara Municipal autorizou a cessão.
Sidney Elias Abucham disse…
Lembro que na época do meu ginasial, início dos anos 60, fizemos boicote ao aumento do preço de ingresso do cine Ourinhos,em uma fila circular na bilheteria para evitar a venda dos mesmos.Boas lembranças.
flavio devienne ferreira disse…
Fico muito feliz q o cine ourinhos nao tenha sido demolido, e Gracas a Santa Ava Gardner e ao Bispo Sinatra, nao virou igreja de especie alguma. TEnho as melhores memorias do Cine Ourinhos, seu Romeu e dona Glorinha, ja no cine Pedutti. Que bom rever o Alfeu!
Gabriel Arcanjo disse…
frequentei muito o cine ourinhos,bem como o cine peduti,lembro-me do sr. romeu e dona glórinha, realmente aquelas balas de café eram um show. . .uma pena que tudo se acaba e deixa um enorme rastro de saudades. . .bons tempos
Metal Vinyl disse…
me lembro de ter assistido um filme do homem aranha no cine ourinhos, acho que foi em 1983 se nao me engano...

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…