Pular para o conteúdo principal

SILVANO CHIARADIA, O BANCO FRANCÊS E ITALIANO PARA A AMÉRICA SUL E A TIPOGRAFIA CIDADE DE OURINHOS

As fotos podem ser visualizadas num tamanho maior clicando-se sobre elas.






Silvano Chiaradia foi o primeiro dessa família de Botucatu  a se estabelecer em Ourinhos, o outro foi seu irmão Orlando, guarda-livros (contador), que  se mudou com a família (a esposa Thereza e os filhos  Mariinha (Ferrari), Clóvis e Ana Lúcia (Abud). Orlando  faleceu em 1946. Seu filho Clóvis, médico, foi vice-prefeito  e prefeito de Ourinhos (1989-1992).
Silvano foi por muitos anos  gerente de um dos dois mais importantes bancos da cidade nos anos 1930-1940, o Banco Francês e Italiano para a América do Sul; o outro era o Banco Comercial do Estado de São Paulo. Cada um deles, com  a agência e  residência do gerente,  ocupava uma de duas das extremidades da Praça Melo Peixoto:  o Francês e Italiano, na esquina com Altino Arantes (onde hoje é o Itaú) e o Comercial, na esquina com Paraná, onde hoje se acha a Casas Pernambucanas.  O Francês e Italiano foi nacionalizado durante a Segunda Guerra Mundial, tornando-se o SUDAMERIS. 


Em 15-4-1936, Silvano contraiu matrimônio com Esperança Matachana, como noticiou o jornal A Voz do Povo, de 18-4-1936:

Enlace Matachana-Chiaradia 
Realizou-se, dia 15, nesta cidade, o enlace matrimonial da distincta senhorinha Esperança Matachana com o sr. Silvano Chiaradia. A noiva, que é filha do casal Luiza Garcia Matachana — Arquipo Matachana, teve como paranymphos: civil o sr. Benedicto Martins Camargo e religioso o snr. Alberto Matachana. O noivo, que é gerente do Banco Francez e Italiano nesta cidade, teve como padrinhos: civil o sr. Oswaldo Pareto e religioso o sr. Luiz Chiaradia. Os noivos, que foram muito felicitados pela nossa alta Sociedade, seguiram para o Rio de Janeiro, em viagem de núpcias.


(Benedito Martins de Camargo era prefeito nessa ocasião e Oswaldo Pareto, funcionário da SPP). 

Como de hábito, amigos e familiares foram à estação da Sorocabana acompanhar o embarque dos noivos:


Foto de autoria desconhecida.
A penúltima mulher à esquerda é do dona Laudelina, esposa do dentista José Felipe do Amaral. O penúltimo à direita, de chapéu,  é o prefeito Benedito Martins de Camargo.

O retorno do casal foi apontado por um repórter do jornal que cobria a chegada e o retorno de passageiros na estação da Sorocabana, na coluna Itinerantes, de 2-5-1936:

Regressaram de S. Paulo: os srs. Seraphim Rodrigues de Souza e família, Mansur Abujamra e José de Alencar Franco, prefeito interino; de Itapolis o sr. Mario de Castro e familia. Ainda de São Paulo, o snr. Silvano Chiaradia e exma. esposa. 

Após deixar a gerência do Banco, Silvano adquiriu a gráfica A Cidade de Ourinhos, que pertencera a Cândido Barbosa Filho, professor, coletor estadual e prefeito de Ourinhos.
A gráfica ficava na Rua 9 de Julho, entre o Cine Ourinhos e o Banco Francês e Italiano.






Nesta foto (editada por mim), de autoria desconhecida, vemos o casal Silvano e Esperança com a filha Célia Chiaradia Matachana (Braga) entre os empregados. Nessa foto identifico Alfredo Gurtovenko (o quarto após o casal), que mais tarde tornou-se contador e proprietário do Escritório Alfredo de Contabilidade. A saga de sua família é contada no livro de Jefferson Del Rios - Ourinhos: memórias de uma cidade paulista, nas pgs 106, 7. Outro empregado que se acha na minha memória é o terceiro após Alfredo, que morava nos fundos da loja com a esposa e uma filha, mas cujo nome me escapa.

Na parte da frente do prédio funcionava a tipografia que, nos anos 1950, passou  a vender também rádio vitrolas e discos.  Lá meu pai adquiriu uma rádio vitrola Philips estereofônica da primeira geração fabricada no Brasil, ocasião em que Silvano lhe presenteou com dois LPs da orquestra  Os Românticos de Cuba, muito apreciada naqueles anos.
Meu pai e Silvano foram amigos, unia-os o gosto pela fotografia e pela pintura. Quando o amigo adoeceu, visitava-o todo sábado à tarde. Ficavam proseando sobre a sua mocidade, a cidade no passado, pintura e fotografia.
Silvano Chiaradia faleceu no dia 19 de abril de 1984.



Vitrine da loja fotografada de dentro. Foto: autoria desconhecida.

Comentários

Anônimo disse…
João Neto escreveu : que maravilha... uma observação inescapável do enlace de Silvano e Esperança: "Como de hábito, amigos e familiares foram à estação da Sorocabana acompanhar o embarque dos noivos" José Carlos Neves Lopes, sensacional, parte de costumes da época! Obrigado!
Anônimo disse…
Ivelina, comentou: Ivelina M. Marques Maravilha ! ! Mais uma de suas delícias para o coração....
Anônimo disse…
Jefferson escreveu :
Nestas escadas de mármore, muitos jovens discutiram a vida (filosofias existenciais da adolescência, se posso assim dizer), seus planos, ou tiveram simples conversas ao acaso nos fins de noite daquela cidade que ficou várias décadas lá trás. Foi ali que me informei com um deles, que já estava em SP, sobre detalhes paulistanos (trabalho, onde morar, a nova realidade dele, enfim). Porque eu já pensava seguir o mesmo caminho.
Neste tempo, o banco chama-se Brasul, lembra-se?.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…