Pular para o conteúdo principal

CAPITÃO PEDRO MOREIRA COPPIETERS (1912-1983)

Embora eu nunca tenha tido contato com ele, convivi com pessoas que muito o admiravam, guardando assim  de sua pessoa uma imagem muito positiva.
Também me recordo de alguns de seus filhos que foram meus contemporâneos.
Recentemente, o Face book pôs-me em contato com sua filha caçula,  Estela, que lá postou várias fotos interessantes  do passado da cidade e, por seu intermédio,  pude preparar esta merecida homenagem.



Baiano de Salvador, Pedro Coppieters nasceu em 12 de setembro de 1912, Viveu na sua terra natal até completar 19 anos, quando então ingressou no Exército Brasileiro. Isso se deu na cidade de Itajubá, MG, em 1935, no 19º Batalhão de Caçadores.
Na qualidade de Sargento de Infantaria, foi elogiado em 1935 pelo Presidente da República e pelo Ministro da Guerra, por suas qualidades morais e comportamento.
Pedro Coppieters chegou em Ourinhos em 1939, ano em que se formou a primeira turma do Tiro de Guerra, do qual se tornou Instrutor no ano seguinte, função  que também exerceu cumulativamente na cidade de Assis, em 1944.









Em 1946, foi transferido para Salvador, onde permaneceu até 1952, ocasião em que retornou a Ourinhos.
Permaneceu no Exército até 1954, quando passou para a reserva remunerada na condição de Capitão.
Desse modo, várias gerações de ourinhenses passaram por suas mãos no serviço militar obrigatório.
Amante de futebol,  foi diretor do Clube Atlético Operário, da Sociedade Esportiva Bacanas e  fundador do Núcleo Voluntário da Legião da Boa Vontade.
Foi grande a participação do capitão Pedro na vida civil da cidade, até a sua morte em 1983:
- membro da diretoria do Hospital Psicopata, do qual foi um dos fundadores;
-secretário executivo da Soprami;
- presidente da Santa Casa de Misericórdia;
- fundador e por várias presidente da Associação Mirim de Ourinhos;
- secretário executivo da Associação Comercial de Ourinhos.
Foi casado com Benedita da Silva. Tiveram os filhos: Eloyna, Esther Perci, Percival, Pedro, Pércio, Péricles,Pierre e Estela



O jornalista e escritor Jefferson Del Rios Vieira Neves guarda uma terna lembrança da convivência que teve com o capitão Pedro e seus filhos, no início dos anos 1960:



No alto – em pé: Eloísa (filha), Péricles (filho)  capitão e Sra.  Os filhos Pérsio e Pierre

Na mesa: - Domingos Perino Neto ,Jefferson Del Rios Vieira Neves, Alfredo Bessa Júnior, Wilson Pires,  bancário do Bradesco, Percival  (filho do capitão, Sergio Abujamra, o locutor da ZYS-7 José Maria Brandão de Toledo, Alfredo Cubas, Joaquim Bessa.


O Capitão Pedro, que nós ainda estudantes conhecemos,  foi um homem cordial e hospitaleiro com os  amigos dos filhos. Sua altura e  porte,  o tom de voz abaritonado, e os olhos azuis-cinza sugeriam ainda o comandante enérgico que gerações anteriores conheceram no Tiro de Guerra.  Quem, entretanto,  esteve sob  seu comando  jamais reclamou de prepotências . Sobrenome do norte da França, como o do ator  Paulo Autran, também descendente de franceses aportados na mesma Bahia onde o Capitão Pedro nasceu.
Éramos recebidos em sua casa em  maravilhosos vatapás, culinária pouco habitual na cidade. Tardes memoráveis da juventude, o que a foto (fins dos anos 60) expressa bem.
Visitei  o  capitão Pedro em 1982, sem imaginar  ser uma  despedida. Parte da família, depois do seu falecimento, transferiu-se para a Bauru.  Um dos filhos, Pierre (moramos juntos em São Paulo) , formou-se em medicina, clinicou em Ourinhos, Paranapanema e Arealva, onde faleceu. Os outros irmãos,  tão amigos  quanto ele , a vida nos dispersou. Mas vamos, quem sabe, nos reencontrar.

Comentários

Wilson Pires disse…
Olá José carlos

Tenho acompanhado seu magnífico trabalho com a nossa história. Quero parabenizá-lo pela iniciativa. Eu sou o Wilson, bancário, desta foto e meu nome é Wilson Pires.
Abraços
Vou acrescentar seu sobrenome. Obrigado pela visita.
Abs
José Carlos

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…