Pular para o conteúdo principal

ÁLVARO FERREIRA DE MORAES, UM BENEMÉRITO

ÁLVARO FERREIRA DE MORAES, natural do Estado do  Rio de Janeiro, foi casado com Elvira Ribeiro de Moraes, mineira.
Por meio do amigo Benício do Espírito Santo (prefeito de Ourinhos de 1921-1923), soube da existência de terras boas no município. Comprou então duas fazendas; em 1917 a Boa Esperança e, em 1918, a Santa Maria, unindo-as numa só (Boa Esperança).
Em 1921, a família mudou-se para Ourinhos. Essas duas fazendas de café ficavam no limite norte da cidade.
Álvaro ficou pouco tempo em Ourinhos, tendo retornado a Juiz de Fora, em 1922. Em 1930, retornou e instalou-se definitivamente na Fazenda Boa Esperança, 
Faleceu em 21-9-1942.
Com o falecimento do pai,  os filhos resolveram lotear as terras, abrindo a denominada Vila Moraes.
Por meio de casamentos as famílias Moraes e Sá se entrelaçaram.
Metodista, Álvaro Ferreira de Moraes, foi o responsável pela 
criação da Igreja Metodista de Ourinhos.
Foi o doador do terreno para a construção da Santa Casa de Misericórdia.
O casal teve 14  filhos: os homens, Rubem, Silas, Paulo, Jorge, Álvaro (Vico) e dois que morreram crianças (Eli e Jorge) e as mulheres.  Jenny (casada com Olavo Sá); Else (casada com Silas Sá), Esther (casada com   Mocyr de Mello Sá); Judith,  Noeme (morreu solteira) e Elvira, a única dos irmãos ainda viva.  



Foto da família Moraes na fazenda Boa Esperança, em 1937.

Nesta outra foto, feita entre 1948-1951, vemos o casal Paulo Moraes, a esposa Mirian D'Affonseca (professora de educação física) e o filho Flávio;  Antônio Luiz Ferreira; Domingos Camerlingo Caló (vereador), Telesphoro Tupiná (vereador) e o fotógrafo Frederico Hahn. A ocasião foi a da entronização de foto de Álvaro Ferreira de Moraes na Santa Casa de Misericórdia.

O jornal " A Voz do Povo", de 26-9-1942, publicou :

Falecimentos

Alvaro Ferreira de Morais 

Em sua propriedade agrícola Boa Esperança, neste município, faleceu dia 21, segunda-feira p. passada, ás 2 horas, aos 64 anos de idade, o sr. Alvaro Ferreira de Morais, deixando viuva a exma. sra. d. Elvira Ribeiro de Morais, sendo chefe de numerosa e distinta familia, representada por filhos, genros, nóras, netos irmãos e sobrinhos, a maioria da qual aqui ramificada e domiciliada.
O extinto, que residia ha muitos anos em Ourinhos, era muito estimado pela retidão de seu carater e belas qualidades filantrópicas. O enterro foi realizado no mesmo dia,tendo saido o corpo do Templo Evangélico Metodista, após o oficio religioso, sendo grande o acompanhamento.
Ao baixar o corpo á sepultura,falaram os srs. dr. Hermelino de Leão, prefeito municipal, revndo.Manoel Alves de Brito e Américo Granato que exalçaram as virtudes do morto. Pezames á familia enlutada


O texto foi baseado na entrevista de Rubem de Moraes ao jornalista Jefferson Del Rios Vieira Neves, in Ourinhos: memória de uma cidade paulista - 1992 p. 143-148 e  em informações prestadas por Flávio D'Afonseca Moraes.







O texto foi baseado na entrevista de Rubem de Moraes ao jornalista Jefferson Del Rios Vieira Neves, in Ourinhos: memória de uma cidade paulista - 1992 p. 143-148 e  em informações prestadas por Flávio D'Afonseca Moraes.

Comentários

Noel disse…
O túmulo do senhor Álvaro Ribeiro de Moraes é vizinho ao jazigo da minha família. Na sua lápide leio com frequência um extenso epitáfio que dá bem a dimensão do perfil daquele homem. O senhor Narcizo Migliari, capitão da indústria que leva o nome da família, dizia, enquanto eu engraxava os seus sapatos, que o senhor Álvaro foi a pessoa mais honesta que conheceu - na época da guerra teria transferido todos os seus bens para o nome do amigo. Pós guerra, livre do confisco, por ser italiano, teve todo o seu patrimônio de volta. No campo social, dizia que um amigo ou político, quando o procurava para lhe confiar algum segredo, logo recomendava: "não me conte, eu não sei mentir, se alguém me perguntar . . . " Sua relação com a Igreja Metodista, sempre foi de seguidor de seus preceitos 'o "Salão da Boa Vontade" - existente nos fundos da Igreja Metodista, foi uma doação dele - segundo comentários malévolos produziu um impasse entre os filhos, particularmente o Rubem que era contra a doação. Uma história de vida e realização que merece uma biografia fiel - para que possamos conhecer com
detalhes esse exemplo de vida. Noel Gonçalves Cerqueira - "Canto das Siriemas" - Jacarezinho - PR
Obrigado, Noel, pela informação importante.
Abraço.
José Carlos
Para mim o túmulo do senhor Álvaro Moraes é o mais bonito do cemitério.
Elegantemente simples.
José Carlos

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…