Pular para o conteúdo principal

A SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO DE OURINHOS


A quase octogenária  SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO DE OURINHOS é uma das mais importantes instituições beneméritas de Ourinhos.
Segundo Eitor Martins, em seu livro MINHA VIDA - MEUS AMIGOS - MINHA CIDADE Resgatando nossa história...,   a criação da Sociedade  Vicentina deu-se por uma iniciativa do Monsenhor Córdova, em 29 de janeiro de 1936, contando inicialmente com 12 membros.

Em 22 de julho de 1956, a Sociedade fundou o Asilo São Vicente de Paulo, com a finalidade de abrigar idosos desamparados, tendo sido convidada para administrá-lo religiosas  da Congregação das Irmanzinhas dos Anciãos Desamparados, ordem    fundada por Santa Teresa de Jesus Jornet, na Espanha em 1873.

A denominação do Asilo ourinhense hoje é Lar Santa Tereza Jornet.

Meu padrinho de Crisma, Benedito Monteiro, na época contador da São Paulo-Paraná,  foi um dos fundadores da Sociedade. Eu me recordo da sua dedicação a essa instituição que lhe era muito cara.

No acervo de meu pai há esta foto de sua autoria, por ocasião de uma visita de um político paulista ao "Asilo", em finais dos anos 1960.






Da esquerda para a direita: Benedito Monteiro, Tomás Lopes,  Vadih Helou, deputado e ex presidente do Coríntians, o presidente da Câmara Municipal de Ourinhos, vereador João Newton César, o professor Luciano Corrêa da Silva, Armando Jardim, proprietário do Empório Jardim, na Rua Paraná e o proprietário da loja "Pescaça", Cândido Jacinto Lopes, também na Rua Paraná.

Atrás o filho de Benedito Rodrigues da Cunha, comerciante da Rua Paraná e um rapaz que não consegui identificar.

A VOZ DO POVO, 7-9-1940

VILA SÃO VICENTE
Domingo, l.o do corrente, realizou se o lançamento da pedra fundamental da Vila S. Vicente em terreno para esse fim generosamente doado pelo Snr. Horácio Soares, dd. Prefeito Municipal e pelo abastado fazendeiro Snr. Manoel Rodrigues Martins.
A’ ceremonia, compareceram elementos do mais destacado relêvo no seio do nossa sociedade e grande multidão de povo, estando a «Voz do Povo» representada pelo snr. Reynaldo Azevedo. Após o benzimento efetuado pelo Revmo. Conego Miguel dos Reis Mello, vigário da Paróquia, fez uso da palavra o nosso colaborador José Gondim Gomes de Mattos, presidente de uma das conferências vicentinas locais, o qual endereçou aos católicos de Ourinhos instante apêlo no sentido de concorrerem com a sua generosidade para a realização de obra de tão grande alcance, qual seja a da construção de um abrigo para os pobres, Atendendo á solicitação feita, enviaram donativos as seguintes pessoas, ás quais os
vicentinos, em extremo sensibilisados, profundamente agradecem:
Benedito Monteiro, CândidoBarbosa Filho, Rodopiano
Leonis, 50$ cada um; Antonio Luiz Ferreira, 30$; Carlos
Masi, Carlos Rodrigues, Prof.Constantino Molina, Prof. José
Augusto de Oliveira, Fco.José Arruda Silveira, 20$ cada
um.

FOTOS ATUAIS DO LAR SANTA TEREZA JOURNET






Comentários

JOSE RUBENS disse…
o politico paulista era Wadi Helou
que foi presidente do Corinthians
abs
JOSE RUBENS
Obrigado, Rubinho. O rosto me era familiar, mas...
abs.
José Carlos
Noel disse…
Reconhecimento ao Nilo Ferrari - homenagem à sua filha Nilza, que sempre aparece por aqui - que por décadas tocou o Asilo São Vicente de Paula. Acho que é estamos falando da mesma instituição. No período suas instalações ( prédios e capela ) foram melhoradas e atendia um grande número de anciões. Ourinhos deve esse tributo ao Nilo e outros tantos! Religioso, como era e imbuído e espirito altruísta, merecia estar na foto de formação da irmandade.
Noel, essa foto não é a da formação da entiodade e sim de um momento de sua vida.
Sei o quanto Nilo foi importante no auxílio a inúmera entidades religiosas e dei o devido crédito a ele por isso em duas ou três publicações que devem ter passado despercebidas.
Obrigado pela lembrança.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…