Pular para o conteúdo principal

PROFESSOR JOSÉ MARIA PASCHOALICK, PREFEITO DE OURINHOS



Nesta foto, Paschoalick está à direita,  no novo coreto da Praça Melo Peixoto.
Autoria: Francisco de Almeida Lopes.
A aluna Marisa Ferreira Batista, tendo ao seu lado o pai Antonio Ferreira Batista (gerente do Banespa) recebe o diploma do curso primário, em dezembro de 1954, das mãos do diretor José Maria Paschoalick.
Outro flagrante da entrega do diploma a Marisa, no qual se vê à esquerda a profª Dalila S. Souza. 

Desde criança, guardo simpatia para com o prefeito José Maria Paschoalick (1956-1959). Quais seriam as razões? Talvez porque tenha sido de suas mãos que recebi o meu diploma do curso primário,  realizado no Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá (1958). Muitos anos depois, os problemas que enfrentou logo após o golpe de 1964 (chegou a ser aposentado compulsoriamente como professor da rede estadual) devem ter contribuído também para isso.
Ele foi professor e diretor do Grupo Escolar Jacinto ferreira de Sá´("Grupão"). Sua vinda para Ourinhos deve ter ocorrido em finais dos anos 1930.
Pela leitura das páginas de "A Voz do Povo", percebe-se que era um homem dinâmico, envolvendo-se em atividades outras que não a do cotidiano de um professor do ensino primário.
Em 1º de setembro de 1940, um grupo de jovens ourinhenses partiu  em direção ao rio Paraná até o porto de Guaíra, na divisa com o Paraguai. Os participantes dessa expedição, denominada “Bandeira de Ourinhos”, tinham como objetivo estudar as riquezas do Brasil desconhecido. Chefiava-a o profº José Maria Paschoalick,  O percurso foi feito por canoa seguindo as margens do rio Paraná.
Meu pai deve ter acompanhado a saída desse grupo, pois recordo-me de algumas fotos do grupo em um de seus álbuns, infelizmente somente restou o negativo da foto abaixo.
O retorno dos “bandeirantes’ ocorreu no dia 27 de setembro, ocasião em que foram recepcionados à noite, no “largo do jardim”, com um comício público no qual falaram o prefeito Horácio Soares, o profº José G. de Matos, do ginásio local e, em nome de Salto Grande, o jornalista Miguel Farah. Pela “Bandeira”, agradeceu o professor Paschoalick (fonte - "A Voz do Povo", 28-7-1940) 
Ainda nos anos 1940, Paschoalick foi secretário do Sindicato dos Ferroviários, o que  deve  lhe ter assegurado muitos votos nesse meio quando candidatou-se a prefeito  em 1955.  Há manifestações positivas na imprensa a respeito do excelente trabalho que desenvolveu nesse sindicato.
Sua gestão foi marcada por uma forte oposição da União Democrática Nacional - UDN - local. Uma leitura de páginas  de alguns exemplares do "Diário da Sorocabana",  durante a sua gestão, dá mostra disso.
Apesar de  muito criticado pela iniciativa, levou adiante a construção do Ginásio de Esportes de Ourinhos, em 1958, ano em que se deu  também a inauguração da nova Praça Melo Peixoto.
Durante a sua gestão, a Câmara Municipal de Ourinhos achava-se na sua 3ª legislatura, e teve a seguinte composição:

1956 a 1959   (3ª. Legislatura)
  1. Abrahão Abujamra (Presidente 1956/1957)
  2. Aimoré Ferreira
  3. Alberto Santos Soares
  4. Américo Botelho Vieira
  5. Aparecido Gonçalves Lemos
  6. Dalila S. Souza
  7. Domingos Camerlingo Caló
  8. Esperidião Cury
  9. José Del Ciel Filho (Presidente 1958)
  10. José Domingues da Costa
  11. Manoel Teodoro de Mello
  12. Oriente Mori (Presidente 1959)
  13. Osvaldo Egydio Brizola
  14. Paulino dos Santos
  15. Reinaldo Azevedo
 
Foi seu líder na Câmara Municipal,  o jovem Alberto Santos Soares (Bertico), um dos filhos de Horácio Soares. Pela análise que faço dessa composição da câmara, acredito que Paschoalick  nela contava com  maioria.
Pesquisando na web encontrei um artigo ("Jornal da Cidade" - Ribeirão Preto) do qual deduzo que a família tenha se radicado em Ribeirão Preto. Nesse artigo ( "Jonas carrega no sangue o "legado da luta" http://www.jornalacidade.com.br/noticias/cidades/NOT,2,2,938025,Jonas+carrega+no+sangue+o+legado+da+luta.aspx encontramos notícia sobre o filho (José Maria)  e um neto do prefeito Paschoalick.  
Houve duas homenagens públicas a Paschoalick em Ourinhos. O ginásio de esportes que ele construiu leva o seu nome e também uma escola estadual,  a Escola Estadual José Paschoalick ( LEI N. 4.921, DE 17 DE DEZEMBRO DE 1985).


Comentários

priscila borek disse…
Estudei na EEPG prof. José Maria Paschoalick naquela época...período de 1991 a 1997.... Muita saudades ficaram professores q marcaram minha vida minha formação....minha primeira professora em 1991 primeira série, professora Maria Augusta...depois na 2 e 4 serie prof. Adilson Fuzetto q ja faleceu. Na época o diretor era o Passinho...Tantas pessoas amizades....as festinhas então....festa junina dançar quadrilha....que saudades. Atualmente moro em Santa Catarina. Raramente vou até Ourinhos....quando da certo passo na frente .....ai que tempo bom...que nao volta mais.
Minhas amigas e amigos daquela época...jamais vou esquece los.
Obrigada a todos.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…