Pular para o conteúdo principal

O GAROTO E O BARBEIRO ISAAC BENATTO

Ao longo da história, a figura do barbeiro sempre teve uma importância muito grande na vida das pessoas, até uma ópera há cujo principal personagem tem essa profissão -  "O Barbeiro de Sevilha"(Rossini).
Na primeira metade dos anos 1950, quando a maioria dos homens ainda usavam bigode, a ida ao barbeiro era ainda mais frequente. 
Cada um tinha o seu barbeiro de preferência, ao qual  era completamente fiel.
Logicamente os  meninos eram levados ao barbeiro do pai para o primeiro corte de cabelos.  Invariavelmente, herdava assim o barbeiro do pai, que passava a ser o seu também.
Somente havia mudança de barbeiro quando o mesmo morria ou  aposentava.
Como não podia deixar de ser, herdei o barbeiro de meu pai, o senhor Isaac Benatto. Ele foi casado com  Idelma Bruno Benatto, com quem teve os filhos  Isaíra, Íria, Inês, Idelma, Ivanil, Ivone, Isaac e Ivam . 
Meu primeiro corte de cabelo somente ocorreu quando tinha dois anos de idade.

Eu morava em casa de meus avós maternos, onde havia um pé de fruta do conde, no qual abelhas fizeram moradia. 
Quando fiz o primeiro corte contei para o barbeiro que na minha casa havia um "pé de abelha". Daí em diante ele sempre me perguntava como estava o "pé de abelha"



Muitos anos depois, já morando em São Paulo (1966), retornei ao Salão do Benatto, que ficava na rua Souza Soutello ao lado do "Bar do Daniel" (Daniel Leirião), e seu Isaac assim que me colocou a capa perguntou:

" _ Como vai o "pé de abelhas", ainda existe?"

Quando resolvi dedicar a última página deste blog ao "seu Isaac", fiz uma consulta no Google e fiquei feliz por ver que sua memória ficou preservada ao ser dado o seu nome a uma das ruas da cidade.
Como ilustração foram inseridas duas fotos: na primeira o autor desta coluna está sentado no degrau de entrada do Foto Machado, onde ia frequentemente com seu pai, tendo os cachos caindo sobre os ombros; na segunda estou todo sorridente, feliz  com o primeiro corte de cabelo, feito pelo "seu Benatto".
Agradeço a atenção dos leitores (as) deste blog ao longo deste ano, desejando-lhes Feliz Natal e um excelente 2013.

Comentários

Marisa F. Batista Ferrazoli disse…
Olá

Adorei a historia do barbeiro.Você parece mesmo muito feliz após o primeiro corte.
Um relato carinhoso.
Abraços
Jefferson D. R. Vieira Neves disse…
Curiosa a sua lembrança dos barbeiros - herdados.
O meu ficava quase em frente ao Banco do Estado de SP , na Arlindo Luz. Infelizmente não deixou lembrança, exceto uma gaiola com um canarinho (típico das antigas barbearias).
Isaac Benatto é meu bisavô. Sou neta da Isahyra. Saudades!! Que felicidade ler esta história!!
Alfredo Benatto disse…
Tio Isaac meu tio avô, irmão de meu avô - João Antonio Benatto . Sempre muito querido de todos em minha família. Era muito esperando quando de suas visitas, faziamos fila pra cortar os cabelos com Tio Isaac, até mesmo por que era muito alegre e carinhoso conos. Fiquei muito feliz de ter encontrado aqui essa referência a pessoa tão iluminada.

Muito obrigado.

Alfredo Benatto
http://emdefesadacomida.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…