22.12.13

O GAROTO E O BARBEIRO ISAAC BENATTO

Ao longo da história, a figura do barbeiro sempre teve uma importância muito grande na vida das pessoas, até uma ópera há cujo principal personagem tem essa profissão -  "O Barbeiro de Sevilha"(Rossini).
Na primeira metade dos anos 1950, quando a maioria dos homens ainda usavam bigode, a ida ao barbeiro era ainda mais frequente. 
Cada um tinha o seu barbeiro de preferência, ao qual  era completamente fiel.
Logicamente os  meninos eram levados ao barbeiro do pai para o primeiro corte de cabelos.  Invariavelmente, herdava assim o barbeiro do pai, que passava a ser o seu também.
Somente havia mudança de barbeiro quando o mesmo morria ou  aposentava.
Como não podia deixar de ser, herdei o barbeiro de meu pai, o senhor Isaac Benatto. Ele foi casado com  Idelma Bruno Benatto, com quem teve os filhos  Isaíra, Íria, Inês, Idelma, Ivanil, Ivone, Isaac e Ivam . 
Meu primeiro corte de cabelo somente ocorreu quando tinha dois anos de idade.

Eu morava em casa de meus avós maternos, onde havia um pé de fruta do conde, no qual abelhas fizeram moradia. 
Quando fiz o primeiro corte contei para o barbeiro que na minha casa havia um "pé de abelha". Daí em diante ele sempre me perguntava como estava o "pé de abelha"



Muitos anos depois, já morando em São Paulo (1966), retornei ao Salão do Benatto, que ficava na rua Souza Soutello ao lado do "Bar do Daniel" (Daniel Leirião), e seu Isaac assim que me colocou a capa perguntou:

" _ Como vai o "pé de abelhas", ainda existe?"

Quando resolvi dedicar a última página deste blog ao "seu Isaac", fiz uma consulta no Google e fiquei feliz por ver que sua memória ficou preservada ao ser dado o seu nome a uma das ruas da cidade.
Como ilustração foram inseridas duas fotos: na primeira o autor desta coluna está sentado no degrau de entrada do Foto Machado, onde ia frequentemente com seu pai, tendo os cachos caindo sobre os ombros; na segunda estou todo sorridente, feliz  com o primeiro corte de cabelo, feito pelo "seu Benatto".
Agradeço a atenção dos leitores (as) deste blog ao longo deste ano, desejando-lhes Feliz Natal e um excelente 2013.

4 comentários:

Marisa F. Batista Ferrazoli disse...

Olá

Adorei a historia do barbeiro.Você parece mesmo muito feliz após o primeiro corte.
Um relato carinhoso.
Abraços

Jefferson D. R. Vieira Neves disse...

Curiosa a sua lembrança dos barbeiros - herdados.
O meu ficava quase em frente ao Banco do Estado de SP , na Arlindo Luz. Infelizmente não deixou lembrança, exceto uma gaiola com um canarinho (típico das antigas barbearias).

Escola Estadual José Augusto de Oliveira disse...

Isaac Benatto é meu bisavô. Sou neta da Isahyra. Saudades!! Que felicidade ler esta história!!

Alfredo Benatto disse...

Tio Isaac meu tio avô, irmão de meu avô - João Antonio Benatto . Sempre muito querido de todos em minha família. Era muito esperando quando de suas visitas, faziamos fila pra cortar os cabelos com Tio Isaac, até mesmo por que era muito alegre e carinhoso conos. Fiquei muito feliz de ter encontrado aqui essa referência a pessoa tão iluminada.

Muito obrigado.

Alfredo Benatto
http://emdefesadacomida.blogspot.com