Pular para o conteúdo principal

A INAUGURAÇÃO DA CLÍNICA OVÍDIO PORTUGAL


Clique sobre a foto.



No dia 20/12/1938, ocorreu a inauguração de uma clínica de olhos, ouvidos, nariz e garganta - Clínica Ovídio Portugal.
Pertencia ao drº Ovídio Portugal de Souza, especialista naquelas três áreas. O drº Ovídio era casado com a professora Helena Orsi
As solenidades tiveram início pela manhã com uma missa de ação de graças celebrada no saguão do edifício pelo pároco, o  cônego Reis Mello.
À tarde houve a benção do estabelecimento, à qual seguiu-se a visitação das instalações pelos convidados. O repórter de "A Voz do Povo" destacava:

"Atraía também a atenção uma ampla biblioteca onde a par de autores nacionais e das mais recentes publicações aparecidas em nosso País e no estrangeiro se alinhavam em várias estantes trabalhos especializados dos mais renomados mestres da ciência Hipócrates, franceses, ingleses e italianos." 

Aos presentes foi oferecida mesa de doce e bebidas.
O prédio fora obra do construtor Henrique Tocalino. Ainda existe na rua Expedicionário, quase esquina com Cardoso Ribeiro. 
Quando adolescente,  fiz minha primeira consulta de olhos nessa clínica com o drº Ovídio .
Entre os presentes identifico:
  • entre as crianças na primeira fileira à esquerda: Maria Lúcia  e Nice Nicolosi, Lauro Castilho, Fausto Castilho, Carlos Nicolosi;
  • na primeira fileira sentados: ao centro,  dona Tata, o cônego Reis Melo ladeado por Ovídio e Helena; à esquerda, a segunda é  Chiquinha Mano Filho, Emilieta Sassi,  filha dela mais velha, à direita, Else Moraes Sá, Henriqueta Tocalino, Geraldina Zório e   Emília Tocalino;
  • na primeira fileira,  Álvaro de Queiroz Marques (Drogasil), José das Neves Júnior, Mariinha Mano Filho,  Alzira Tocalino Nicolosi, Irene Faccini Bassi; 
  • nos degraus da porta de entrada, centro, Benedito Martins de Camargo, Miguel Cury, drº Hermelino Leão, Henrique Tocalino, João Flauzino Gonçalves, Ezelino Zório Maulen, Hermínio Socci; `a direita, José Faccini, Filemon de Mello Sá;
  • à esquerda: drº Bessa, Silvano Chiaradia, Bráulio Tocalino, Narciso Nicolosi Filho, Moacir de Melo Sá e Mário Branco;
  • à direita: Zé Faccini Bassi, Filemon de Melo Sá, Drº Mano Filho, Antonio Joaquim Ferreira.
Foto por Frederico Hahn

Comentários

Unknown disse…
O único de gravata borboleta é o Dr. Sebastião de Castro.

JL Bessa Neto
Cristina Souza disse…
J Carlos

Dr Ovídio foi um dos primeiros amigos de meu pai. Frequentavamos a casa dele com certa frequencia e tão logo fui crescendo fui percebendo também a elegancia e cultura daquele senhor impecável de gravata borboleta e roupa branca. Era de poucas palavras e muitos livros, sempre acompanhado de músicas classicas. Dona Helena era mais despojada, alegre e falante. Eu adorava ir a casa deles, linda, clara, cheia de plantas e muito bem decorada (direfente da casa de dona Tata e dr Hermelino, mais escura e de cômodos menores).
O que mais me impressionava era o banheiro, ou melhor, a sala de banho, enorme toda em branco e preto, mármore e granito. Dr Ovídio tinha um aparenho de ginástica lá dentro, tipo remo, sabe como é? Lembro que uma vez fomos com alguém que não me lembro, conhecer o banheiro e entramos todos (5 ou 6 adultos mais eu e o Zezo). Qdo fui operada de amídala na clínica, o almoço foi trazido para mim da casa deles por d, Helena.
Adoro essa foto.
Beijos
Cristina
Belas recordações Cristina. Que fim terá levado a sua biblioteca e outras coisas mais da casa. Eles não tiveram filhos.
Obrigado.
José Carlos
maorsinobile disse…
então... sou sobrinha-neta deles, meu ao era o irmão mais velho da tia Helena. As coisas da casa, após a morte do Tio Ovídio, foram de mudança com a tia Helena, para Tatuí. lá ela viveu muito, após o seu falecimento em 1997, as coisas e o dinheiro foram repartidos entre os sobrinhos e em valores iguais, como foi pedido por ela, antes de falecer.. Tia Helena, faleceu com 97 anos, sempre linda e elegante, sempre muito alegre com todos...A casa foi vendida, os animais foram doados ao Zoológico de São Paulo, o orquidário foi vendido, a biblioteca foi doada para uma faculdade de Medicina... eles eram muito amados por todos da Família e pelos amigos... foram pessoas incríveis!!! abraços da Maria do Caremo Nobile Orsi

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…