Pular para o conteúdo principal

RECORDAÇÕES DE SANTA BÁRBARA DO RIO PARDO (ÁGUAS DE SANTA BÁRBARA)


CLIQUE SOBRE AS FOTOS



Nos anos 1950, a cidade ainda se chamava Santa Bárbara do Rio Pardo (hoje Águas de Santa Bárbara) e tinha esse aspecto bucólico que as fotos feitas por meu pai nos mostra.


Creio que nossa primeira ida à cidade tenha ocorrido por volta de 1958. Fomos para lá de trem, fazendo baldeação na estação de Cerqueira César, de onde uma jardineira nos levou até Santa Bárbara por uma estrada ainda não pavimentada.

Nesta foto, vêm-se alguns hóspedes. Selma está atrás. O garoto sou eu e a garota minha namorada, da família Pacolla, de Lençóis Paulista.

Nas estações termais daqueles anos ainda não havia rede hoteleira. As pessoas que as demandavam se hospedavam principalmente em pensões.
Havíamos ido para lá com a indicação de uma pensão que se localizava numa das quatro ou cinco ruas da cidade, e que ficava numa área elevada, podendo ser vista à direita na foto. Ela pertencia a uma família síria. Quem a dirigia era uma filha dos proprietários de nome Selma. Uma moça alta, aí por volta de seus vinte anos, muito bonita, cabelos negros, e que exalava simpatia.
A casa era grande, com vários quartos, daquele tipo que dava para a rua e possuía uma grande varanda. Comportava umas quatro ou cinco famílias.
A comida era deliciosa.




A rua  onde se localizava a pensão,  era a única de caráter comercial, e tinha na sua parte inferior, em direção ao rio Pardo, um sobrado onde ficava  o cinema, com sessões em dias alternados. Naquele tempo toda cidade, por menor que fosse tinha um cinema.
No centro, como se vê na foto, ficava a Igreja Matriz, de linhas graciosas, na qual se entrava por uma ampla escadaria. Ao redor da “Matriz”, uma bela pracinha com canteiros repletos de flores. O pároco tinha idade avançada e praticava o exorcismo com muito sucesso.
Um pequeno caminho dava acesso às termas, ainda modesta (no início dos anos 1960 iniciou-se a construção de um grande edifício para abrigá-la).



Foto por Francisco de Almeida Lopes
No fundo das termas, havia um bosque que dava acesso às margens do rio Pardo, onde praticávamos a pescaria. À sua frente uma área de recreação infantil e um amplo bosque elevado.
À noite, o programa após o jantar se constituía de rezas na Igreja seguida de ida ao cinema. Nos dias em que não havia sessão, brincávamos até às 22 horas na praça.
Namoricos também havia. Lá estava uma família Paccola de Lençóis Paulista, cuja filha acabei namorando. Ela é a garota que aparece na foto abaixo:




O grupo da pensão na primeira viagem.



Eu e Selma, na segunda viagem.








Como escreveu o professor Luciano Correia da Silva:
VOLTA
"Estive aqui faz cem anos,
mas que foi ontem parece...
(....)
(...)"
Foto por Francisco de Almeida Lopes

Comentários

Marisa Ferreira Batista Ferrazoli disse…
Querido

Que lembrança gostosa essa sua de Sta Bárbara.
Você descreveu com muita propriedade o cotidiano de uma pequena cidade do interior.
E eu já fui tão longe e nunca até hoje estive lá.Meus pais, a Marli e o pe Domingos fizeram um passeio por lá,mas nessa época eu já estava casada e não fui.
Deve ser um lugar bom para ser visitado até hoje.

Tenha uma boa semana.

Abraços
Marisa
Flávio Guilherme Couto disse…
Viajei no tempo e pus-me a olhar a saudade que visitava cada foto da minha querida terra.Estive nos lugares vistos e não vistos, as pessoas que convivemos, os amigos que ainda lá estão e os outros que se foram, brinquei no rio Pardo, pesquei, nadei, fiz tudo que a imaginação me proporcionou e voltei feliz por ter visitado o tempo de outrora, onde fui muito feliz.Obrigado por ter-me proporcionado tão grande enlevo.
Sinto-me recompensado por lhe ter proporcionado tantas recordações.
Abraços.
José Carlos

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…