Pular para o conteúdo principal

A ARTE DA FOTO EM ESTÚDIO EM OURINHOS: FREDERICO HAHN, JOSÉ MACHADO DIAS E SHUKI SAKAI

A foto em estúdio é tão velha quanto a fotografia. Intensamente utilizada no século XIX, adentrou o século XX, vindo  praticamente a desaparecer no último quartel do século passado.
Casamento,  primeira comunhão, grupos de amigos (as), grupos familiares e outros eram objeto de ida ao fotógrafo para registrar momentos importantes da vida de cada um.
Conheci  três grandes fotográfos de estúdio em Ourinhos: Frederico Hahn, José Dias Machado e Shuki Sakai . Os três faziam, maravilhosamente, fotos em estúdio nas quais a pessoa posava. A foto era então revelada e retocada, ocasião em que  a arte do retoque entrava em ação.
Meu pai foi amigo dos três, por esse motivo  conheci de perto os três estúdios. O Foto Vitória, do Frederico, ficava na 9 de Julho, o  Foto Machado  na Praça Melo Peixoto e o Foto Sakai em frente ao Cine Ourinhos.
Seguem aqui alguns exemplos familiares da arte desses três fotógrafos:



 Casamento de Amélia das Neves e Francisco de Almeida Lopes, em 8/7/1943. Autoria Frederico Hahn, o original contém uma dedicatória de Frederico. O vestido de noiva foi confeccionado por d. Maria Petronilha , tia do Alberico Albano. 
 Meu tio Carlos Eduardo Devienne, a mãe Anselma Godoy de Lima Devienne,  a segunda  esposa Avelina Almeida e os filhos. Foto Frederico Hahn
Amélia das  Neves Lopes, em 1948 Foto Frederico Hahn









Comentários

Cristina Souza comentou:
J Carlos

As fotos de estúdio são ótimas, mas fico imaginado o trabalho conseguir as cças paradas em cima da mesa. E vc, mais uma vez afirmo, que cça linda, sorridente e simpática.
Bj
Cristina
Doce Candinha disse…
J.Carlos

Em uma conversa, Angelina Rossignolli nos contou que antes de trabalhar no escritório da ferrovia, trabalhou no Foto Sakai por alguns anos.

P.S.Linda a foto de Amélia Neves Lopes.
abço
Fernanda
Neide Gaspar disse…
Prof. José Carlos

Obrigada por compartilhar conosco essas imagens e recordações. Conheci a cidade de Ourinhos na infância, quando era passagem obrigatória na longa viagem de carro a Assis. Meus tios de Assis têm parentes lá e uma de minhas primas mais jovens viaja de Assis para Ourinhos três vezes por semana para lecionar na Faculdade de Direito. Ver suas fotos torna o vínculo que tenho com a cidade, ainda que indireto, mais rico.
Laura Bandoni de Oliveira disse…
José Carlos

Bacana a idéia de explorar as fotos em estúdio de antigamente. É algo que ficou apenas na lembrança de quem teve essa experiência...

A foto do cavalinho é uma graça!

Laura
Rose disse…
Zé, obrigada pela oportunidade de poder apreciar esta expressão artística que faz parte da nossa história. As fotos estão muito bonitas e bem elaboradas. Não sou especialista, mas como leiga percebo o cuidado e a qualidade do trabalho que são identificados nos detalhes da decoração, nas expressões das pessoas e na nitidez da foto.
José Carlos,

Muito lindas as fotos. Lembraram-me minha infância em Adradina.
Velhos e bons tempos!! As fotos perpetuam as lembranças de quem queremos bem e é muito gratificante poder “voltar” e rever essas pessoas naqueles momentos de um feliz convívio familiar. Obrigada por compartilhar conosco esses momentos.
Abraços,

Claricia
Nossa!! Que lindas fotos! Sua mãe sempre foi linda! Suas fotos uma belezinha!
Pra mim, imbatível é aquela do terninho...
Beijão
mertila
Prof. José Carlos,
Poxa ... que legal hein ...
Belo trabalho de recordação histórica.
Abs,
Ari
Parabéns pela lembranças, que dia feliz.....
Obrigada
Jandyra
Parabéns pela lembranças, que dia feliz.....
Obrigada
Jandyra
Huguette disse…
Viver as lembranças de nossa infância alimenta nossa alma...é sinal que esses momentos foram memoráveis... D. Amélia era uma Linda Mulher!... Obrigada por compartilhar conosco momentos tão seus...
Bjs
Huguette
Anônimo disse…
Zé...lindas lindas as fotos...e você, fotogênico desde pequeno...sempre com um sorriso simpático...
Obrigada amigo
Beijos

Jaqueline

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…