A "IGREJA VELHA"






A antiga Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus marcou toda uma geração católica. Sua demolição, após o início dos ofícios religiosos na nova igreja matriz, foi chorada em verso e prosa. Do ponto de vista arquitetônico, seu exterior não era grande coisa. A ação do tempo, o sol causticante e a poeira vermelha da terra roxa, haviam lhe castigado bastante. Já o seu interior possuía uma decoração graciosa e três belos altares. Não obstante esse seu estado material, a população católica amava aquele pequeno templo.
Sua localização era defronte à Praça Melo Peixoto, onde hoje se encontra o prédio da Telefônica.
Por que condenaram-na à demolição? Sem dúvida uma história a ser resgatada.
Todos os que a conheceram lamentam ainda hoje o fato.
O professor Luciano Correia da Silva dedicou-lhe um soneto no livro "Poemas do Vale":


ENTRE DEUS E O DIABO

Um dia destruíram-no sem pena,
num gesto de desprezo e desamor.
E a praça, que é do povo, agora encena
lembranças do seu templo protetor.
Pois, em lugar da torre, há outra antena
rumando para o céu, que é do condor.
Diz que o Diabo ri, mas Deus condena.
E assim, toda manhã fala o Senhor:
"Seu Satanás, devolve a minha igreja.
Hosana, hosana, hosana nas alturas...
Que o teu pecado perdoado seja."
E o Demônio, fingindo sobressalto,
responde sempre, em meio às diabruras:
"Alô ! não posso ouvir! fala mais alto!...

Comentários

Anônimo disse…
Muito bom,estou fazendo um trabalho sobre a Matrix e estou usando as imagens!
Juliana Fontana Silveira disse…
Com muito gosto venho dizer que os meus avós, Waldomiro Fontana (Faísca) e Alice Ferreira de Oliveira Fontana se casaram na Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus, em 27.09.1953.
Ele filho de Victorino Fontana e Maria Fittipaldi Fontana. E ela filha de Narciso Ferreira de Oliveira e Maria José dos Santos Oliveira.