Pular para o conteúdo principal

A FAMÍLIA MORI




Segundo depoimento ao jornalista Jefferson Del Rios (Ourinhos - memórias de uma cidade paulista), Júlio Mori, filho de italianos de Lucca (Ligúria), veio para Ourinhos em 1918, juntamente com Angelo Milanezzi, provenientes de Botucatu.
Compraram a maior parte do quarteirão compreendido entre as ruas Cardoso Ribeiro, Arlindo Luz, Paraná e Sergipe (atual Antonio Carlos Mori), onde montaram uma serraria. Naqueles anos, a demanda por madeira era muito grande.
Mais tarde, Júlio comprou a parte do amigo, ficando sozinho no negócio.
Diversificou suas atividades montando uma casa de secos e molhados no trecho do quarteirão que dava para a rua Paraná. Essa casa comercial cheguei a conhecer. Possuía um balcão comprido, tendo atrás enormes prateleiras onde ficava exposta a mercadoria. Era uma época em que arroz e feijão eram comprados a granel. Alguns de seus filho ficaram à frente do negócio.
À medida em que os filhos se casavam, foram construindo suas residências naquele quarteirão. A primeira casa ficava na esquina da rua Paraná com Sergipe seguindo outras quatro até esquina com Arlindo Luz. Nessa rua ficava a última, a de Oriente Mori, que envolveu-se na política local, sendo por diversas vezes eleito vereador, no que foi seguido por seu filho Ronaldo. A mesma direção também seguiu, Antonio Carlos, vereador em muitas legislaturas.
Júlio Mori foi um dos fundadores do Clube Atlético Ourinhense, de cuja diretoria muitos de seus filhos também participaram.
A foto de Julio Mori é uma edição da que foi tirada por ocasião da assinatura do contrato para a construção da nova sede do Ourinhense, nos anos 1940.

Comentários

Anônimo disse…
A nova sede do Ourinhense (a 3ª) na rua Paraná foi inaugurada em 1940. Em 1947 foi assinada a escri-tura do terreno onde seria construido o estádio da baixada (inaugurado no dia 1º de maio de 1951 com dois jogos entre veteranos magros contra veteranos gordos). No dia 06 de maio, ferroviaria de Assis inaugurou oficialmente o estádio em um jogo válido pelo campeonato amador estadual.
Anônimo disse…
tio julio , era irmao de minha avó , TERESA MORI , mae de ZECA MILANI , MEU PAI
MUITO LEGAL
andrei disse…
Muitos Ourinhenses não sabem, mas Julio Mori foi um grande empreendedor na cidade de Ourinhos, nos tempos em que a necessidade e a vontade de fazer crescer o municipio, para gerar riquezas e fortalecer a região, era o principal sentimento dos imigrantes, uma virtude que deveria ser seguida pelos jovens Brasileiros.
Anônimo disse…
Sou Diovane De Mori de Cachoeirod de Itapemirim, ES, gostaria de saber se nossas familias tem algo em comum. Me enviem um dmail se puderem: fdiovane@hotmail.com. Desde ja muito obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…