Pular para o conteúdo principal

CAROLINA MELLA RIBEIRO DA SILVA - ENTOANDO "AVE MARIAS"
















Dos 7 aos 17 anos morei na rua Arlindo Luz , no número 479.
Graças à proximidade da Igreja Matriz e a uma já forte atração para a música, ia frequentemente assistir aos casamentos que lá eram realizados para poder ouvir os dois cantores que eram chamados para abrilhantar as núpcias: Tomás Lopes e Carolina Mella Ribeiro da Silva, Cali.
O contato de minha família com Cali iniciou-se, nos anos 1940, quando ela, recém-casada, veio morar numa casa de meu avô, na rua Rio de Janeiro.
Desse modo, uma amizade próxima ligou-a a minha mãe e tias.
De seus filhos, aquele com quem tive mais proximidade, foi Roberto, colega de folguedos nas ruas e de bancos escolares.
Há muitos anos não a via. Neste final de ano, por força de uma longa estada em Ourinhos, fui visitá-la. Próxima de completar 90 anos, Cali ainda está, com a vivacidade e alegria que sempre irradiou e que a ajudaram a enfrentar as vicissitudes de uma longa jornada de vida que não foi fácil.
Falou-me de suas muitas atividades: pintura, bordados e do canto.
Quando lhe perguntei como havia iniciado a fazer solos nos casamentos, contou-me:
- "Eu cantava no coro da velha Matriz desde os 13 anos, certo dia sai das Casas Pernambucanas onde trabalhava e fui para o ensaio na Igreja. Como havia chegado bem antes do horário acertado, o maestro Galileu pediu-me para ensaiar um solo do "Ave Verum'. Acontece que estava na Igreja, Adba Abujamra que estava para se casar com Philemon de Mello e Sá. Ao ouvir meu solo quis saber quem estava cantando. Gostou tanto que me contratou para cantar na cerimônia de seu casamento. Assim iniciou-se minha carreira como solista em casamentos."
O acompanhamento, inicialmente, era feito pelo maestro Galileu, mais tarde pelas Irmãs Emiliana, Custódia e Carmela. Também participaram muitas vezes Liberto Resta e Ditinho ao violino. Em algumas ocasiões Cali fazia solo com Tomas Lopes, tenor, Milton Rosa, tenor e Ernesto Rosa, baixo.
Já nos anos 1930, Cali passou a encarnar a Verônica na tradicional Procissão do Enterro, realizada na Sexta-Feira Santa, a convite do Cônego Miguel dos Reis Mello.
Esse é um momento comovedor da procissão do Senhor Morto, acompanhado do mais absoluto silêncio. A soprano que o entoa recita trechos em Latim extraídos das "Lamentações do profeta Isaias", enquanto vai desdobrando o véu, no qual está estampado o rosto ensanguentado de Cristo:


"12 LAMED. O vos omnes, qui transitis per viam,attendite et videte,si est dolor sicut dolor meus,quem paravit mihi,quo afflixit me Dominus
in die irae furoris sui. ."

Tive a felicidade de assistir muitas vezes vezes a sua fase final como Verônica. Emocionante !
Cali foi casada com Elziro Ribeiro da Silva. O casal teve os filhos: Maria Helena, Sérgio, Vera Lucia, Roberto, Eduardo, Maria Alice e Fernando.
Durante muitos anos foram proprietários do bazar "Casa Primavera", na rua Paraná onde, pela simpatia irradiante de Cali, amealharam uma vasta freguesia.
Em 2004, Cali publicou "Relembranças", no qual narra suas memórias.
Fotos: Carolina Mella Ribeiro da Silva
Cali e Elziro, nos anos 1940.

Comentários

Francisco Carlos Soares falou:
José Carlos, Seu relato, reputo como a mais tocante homenagem que alguém poderia prestar à Carolina Mella Ribeiro da Silva. Da minha faixa de idade, duvido que alguém deixe de se lembrar dela e do sr. Elziro. Parabéns Chicão

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…