Pular para o conteúdo principal

TOMÁS LOPES, O MESTRE DE OBRAS


Ao centro da foto, nos andaimes da nova matriz, anos 1940.
Na Capela do Asilo São Vicente de Paula, anos 1960: Humberto Rosa, Benedito Monteiro, Tomás Lopes, as Irmãs espanholas do Asilo .




Na Casa Paroquial, com missionário redentorista e Humberto Rosa, presidente da Congregação Mariana.









Em cerimônia na Matriz, ao lado do prefeito Rubens Bortolocci da Silva, Humberto Rosa e Mituo Minami.







Com a esposa e filhos















Na Matriz, missa das bodas de prata.


Alto, vasta cabeleira, olhos claros marcantes, uma figura que lembrava o ator Burt Lancaster. Assim era Tomás Lopes, de ascendência ítalo-alemã, nascido em Botucatu em 5 de abril de 1916 e falecido em Ourinhos em 22 de agosto de 1988. Quando o empresário Emílio Pedutti decidiu construir um novo cinema de Ourinhos, no início dos anos 1940, foi a Tomás Lopes que ele entregou o comando da obra. Foi dessa forma que Tomás veio para Ourinhos, e quando resolveu aqui fixar-se, trouxe a esposa Diana Dias.
Terminada a construção do prédio que abrigaria o Cine Ourinhos, Ezelino Zório, sobrinho de Henrique Tocalino, a quem fora entregue a responsabilidade da edificação do novo templo católico da cidade, chamou Tomás Lopes para ser o mestre de obras da empreitada. Era uma construção de vastas proporções, conforme a idealização do jovem pároco, Eduardo Murante que havia se lançado à concretização do sonho de sua vida. Quermesses, rendas de jogos esportivos, almoços, bilheteria de cinema, doações foram constituindo o capital necessário à empreitada.
Homem de profunda fé católica, Tomás também foi um dos primeiros vicentinos responsáveis pela construção do Asilo São Vicente de Paula, ao qual esteve dedicado até o final dos seus dias.
Amante de música, com a qual já se envolvera na cidade natal, era um dos membros do coro da Igreja Matriz, preparado e conduzido pelo maestro italiano Andolfo Galileu. Seu belo registro de tenor lançou-o a solos belamente executados em cerimônias religiosas e nos casamentos onde fazia duo com a soprano Carolina Mella Ribeiro, a Cali, muitas vezes também acompanhado pela dupla Ditinho e Liberto Resta ao violino. Tive a felicidade de testemunhar seus belos duos, no coro da nova Igreja Matriz.
Concluída a obra da Igreja Matriz, Tomás empregou-se na Oncinha, onde aposentou.
Merecidamente seu nome foi dado a uma das ruas da cidade, no Jardim Santos Dumont, bem próximo da rua que leva o nome de meu pai, falecido um ano antes.
Essas lembranças remetem-me para uma sugestão absolutamente necessária: a Catedral de Ourinhos necessita ter em suas paredes uma placa contendo os nomes dos responsáveis por sua construção e as datas respectivas. Não se concebe que uma obra desse vulto não tenha registrado historicamente esses dados. Apelo aqui a sua Eminência, Dom Salvador Paruzzo, Bispo da Diocese de Ourinhos, para que acate esta sugestão.

Comentários

Francis Carlos Soares escreve:

Confrade,

Gostei muito da primeira remessa de 2009. Trouxe o Tomaz Lopes, figura com quem conviví por muitos e muitos anos.Ele morava a 5O metros de minha casa, bem perto da Frei Antonio de Pádua, virando a quadra onde morava o Oswaldo Brizolla. Fui vicentino com o Tomaz. Nossas reuniões eram em uma casa numa rua
ao fundo da Catedral. Acompanhei toda a obra da igreja, sempre sob os cuidados do grande mestre de obras que ele foi. Gostava quando o via cantar, fosse em cerimônias relilgiosas, fosse na Rádio Clube de Ourinhos ou em outro local.

Outros nomes citados que me trazem boas lembranças: Jairo Diniz, Liberto Resta (grande violinista, Ezelino Zorio e Benedito Monteiro. Este era pai de vários filhos, dentre eles o Renato (meu colega de ginasio) e Airton (que formou-se em Medicina e foi para o Paraná, inicialmente Apucarana (depois não sei). O Renato também esteve no Paraná, em Nova Esperança, onde foi gerente de um banco. Quanto ao dr. Ezelino Zório Maulen, lembro-me muito bem, pois fui namorado de sua filha Edda, uma linda loira de muita classe. A mãe, dona Geraldina, era uma grande dama. Nascera em Jacarezinho, onde conheci dois irmãos. o Salviano Fortes e o Cândido Fortes. Este, veio para o Norte do Paraná e formou uma bela fazenda no município de Guairaçá. Tinha um filho, o Wilson, agrônomo, que cresceu em política, sendo deputado estadual por várias legislaturas, tendo sido, inclusive, presidente da Assembléia Legislativa, mérito por ter sido o deputado mais votado na legislatura, e também Secretário de Trabalho do Paraná. na gestão do Governador Paulo Pimentel. Gente muito simpática e bacana, com quem mantive estreita relação de amizade em todos os anos em que ele residiu aqui em Paranavaí. Parece-me que hoje ele está em Curitiba.

Bem, creio que por hoje é só

Grato e um abraço

Chicão
Wilson Monteiro disse…
Parabéns José Carlos,
Perfeitamente merecida esta homenagem ao Tomáz.
Pena ele não estar vivo hoje para ve-la.
Caso me autorize,gostaria de utilizar a foto da construção no meu Blog.
um grande abraço
Anônimo disse…
Oi José Carlos, sou fã confessa do blog e me foi muitissimo util as fotos que publicou sobre o Tomás Lopes.
Muito obrigada e um beijão.
Tuca Eloy
Paulo disse…
Eu ja havia lido essa matéria sobre meu querido e amado avô, e chorei muito, pois sei o tanto q ele era dedicado a tudo q fazia. Sinto hj ele nao estar aqui presente para ler essa homenagem.
Homem extremamente do bem, catolico fervoroso e como amava sua familia.
Acho tbm q precisam colocar uma placa com o nome d todos q ajudaram a fazer a Matriz ( Catedral), e meu pai (Roberto) e meu tio ( Thomaizinho) tbm estiveram junto com meu avô nessa empreitada d juntos construirem uma mega igreja para Ourinhos!
Obrigada pela homenagem, eu aqui agradeço por toda a minha familia, e em nome do meu avô, fica aqui o meu MUITO OBRIGADA!!!
Roberta Lopes
Roberta disse…
Esse nome de Paulo no comentário acima, foi um erro acho q apertei algum botão aqui...
Quem escreveu esse comentário sobre meu avô fui eu ROBERTA LOPES, neta de THOMAZ LOPES.
Anônimo disse…
O TOMAS ERA MUITO AMIGO , SOU O JOSE RUBENS , FILHO DO ZECA MILANI E YARA , ELE CONSERTOU MINHA CASA MUITAS VEZES , MORAVA EM FRENTE A IGREJA
ana maria disse…
EU tambem sou neta de TOMAZ LOPES,meu nome é ANA MARIA F.DIAS LOPES moro em PORTO FELIZ-SP meu pai chama-se TOMAZ DIAS LOPES,aROBERTA LOPES é minha prima,me procura no orkut BETA.
ana maria disse…
A propósito,meu email éAnafagundesgallo15@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…