O "MONSTRINHO" E O PROFESSOR JAIRO














Bem próximo do seu cinqüentenário, o Ginásio de Esportes de Ourinhos "José Maria Paschoalick", traz-me agradáveis recordações do meu tempo de ginásio. Quando fiz a primeira série ginasial no IEHS, ainda no velho prédio, o professor de educação física da época Sylas) fazia a chamada, entregava a bola para os alunos, e pronto. Como eu não era muito chegado num jogo de futebol, quase sempre vinha embora para casa. Já no ano seguinte (1960) as coisas mudaram: um novo professor de educação física chegara, o jovem profº Jairo. Foi uma "revolução" nas aulas de educação física, agora dignas desse nome: tínhamos todas as modalidades de jogos esportivos e muita ginástica. Todos os alunos admiravam o professor Jairo que integrou-se na vida da cidade. Casou com uma ourinhense, filha do empresário Clóvis Conceição.
Muitas vezes as aulas eram realizadas no "Monstrinho", denominação pejorativa da época da construção que acabou vingando, para onde nos dirigíamos bem cedo. Ali tínhamos basquete e volei, O O Ginásio, cuja construção gerou muita polêmica como quase todas as ações da gestão Paschoalick, fez história na vida da cidade e da região.
Ao profº Jairo a homenagem de um ex-aluno.
Foto: autoria desconhecida.

Comentários

fabio disse…
Caro bloger,
Ao longo de sua historia Ourinhos teve seus historiadores e voce esta se consolidando como o mais novo historiador de nossa cidade, parabens.

http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=17189219464393964017
Renato Barros escreveu:

É Importante ressaltar alguns pontos com relação ao comentário feito por você:

A verba utilizada na construção do Monstrinho foi trazida para a
cidade através dos esforços e influências de Salvador Fernandes, com o
intuito de minimizar as deficiências de saneamento básico que a
população de Ourinhos possuía naquele momento. Entretanto o Prefeito
da época desviou a mesma de seu intuito inicial para a construção do
ginásio.

A grande crítica que Salvador fez na época foi com relação às
prioridades estabelecidas pelo prefeito e não com relação a
importância que um ginásio tem para uma cidade, o que parece ser
óbvio. É melhor e mais legítimo priorizar pela saúde da população da
cidade do que pela construção de um ginásio.

Se hoje a cidade tem um time de basquete vitorioso é porque existe um
grupo de pessoas e empresas que decidiram investir e trazer para a
cidade profissionais consagrados do basquete Brasileiro e o Monstrinho
não teve uma relação direta com a formação desses jogadores.

Não se nega a importância que isso exerce nos jovens da cidade, mas
para que eles realmente se desenvolvam há necessidade de melhores
condições, que só com decisões acertadas e dadas as prioridades
adequadas iremos obter. E não parece ser isso que acontece na nossa
cidade.

O momento crucial para a formação de um atleta é o período da pré
adolescência, onde deveríamos passar a maior parte do dia na escola e
é curioso pensar que não temos nem se quer uma piscina em escola
pública na cidade. Essa não é uma condição exclusiva de Ourinhos, mas
sim da maioria das cidades Brasileira e coincidentemente sempre
tivemos uma atuação secundário no cenário esportivo mundial. Desse
modo, volto a resgatar a questão das prioridades que Salvador
ressaltou naquela época, será que priorizamos as coisas certas nesse
país?