Pular para o conteúdo principal

SÉRGIO NUNES FARIA (1949-2008)

Sérgio Nunes Faria, falecido em 2008, aos 59 anos, esteve envolvido com teatro desde a adolescência, tendo sido fundador de um grupo teatral em Ourinhos, no final dos anos 1960 -  Grupo de Teatro Amador de Ourinhos - o GRUTAO.
Em agosto de 1968, esse grupo participou do Festival de Teatro Amador do Estado, realizado na cidade de Botucatu, sagrando-se vencedor entre os seis grupos concorrentes, na fase eliminatória,  com a apresentação da peça Arena conta Zumbi.O grupo ourinhense levou 6 das 9 premiações:espetáculo,  direção, ator, ator coadjuvante masculino, figurino e cenário. A direção foi de Sérgio Nunes

"Muitos anos depois, em 1993, nascia o Grupo Soarte em Ourinhos, pelas mãos do mesmo Sérgio Nunes Faria, que passou a vida semeando núcleos de teatro pelos lugares por onde andou. O Soarte encenou dezenas de espetáculos, mesclando infantis, musicais, clássicos da dramaturgia universal e temas da cultura popular brasileira, numa produção intensa e diversificada."
Fonte: Tertuliana artigo por Neusa Fleury

No começo era um Fusca












Fonte: O Progresso de Ourinhos

Felizmente, a municipalidade de Ourinhos prestou duas homenagens a Sérgio Nunes de Faria: há uma mostra de artes cênicas que leva o seu nome,  já  em sua sexta edição

6ª MOSTRA SÉRGIO NUNES DE ARTES CÊNICAS

E, mais recentemente, foi inaugurada uma concha acústica que leva o seu nome:






Para encerrar esta homenagem de Memórias Ourinhenses a Sérgio Nunes Faria, transcrevo este belo artigo de autoria de Neusa Fleury, publicado no Debate de Santa Cruz do Rio Pardo (http://www2.uol.com.br/debate/1427/regiao/regiao10a.htm):

Sérgio Nunes não tinha laptop
Neusa Fleury Moraes


Sérgio Nunes não tinha carro, laptop, cartão de visitas, roupas da moda. Sérgio nunca sabia onde estava o RG, a carteira de trabalho, não tinha um currículo digitado para apresentar procurando emprego ou buscando reconhecimento. Sérgio viveu como um pária, e talvez por isso tenha escolhido o teatro como paixão de vida — essa arte tão visceral, que ele, discípulo fiel, ensinava a quem estivesse disposto a aprender.

A exigência era que fosse sem fazer de conta, sem artificialismos, sem querer parecer bonito. Tinha de ser com todas as feridas expostas, com a nudez que as entregas verdadeiras exigem. Quem não estivesse disposto, que não se aventurasse.

Com os sentimentos sempre no limite, não era fácil conviver com ele. Foi avesso a comportamentos socialmente corretos e tentava sobreviver sem ser manipulado por códigos de conduta que não tivessem sido construídos por ele mesmo. Difícil entender alguém que não fecha a porta da própria casa, e era assim que ele agia. E para aqueles que não estão acostumados com pessoas assim diferentes, saibam que Sérgio acreditava em Deus, era de uma piedade extrema com quem tinha menos ainda que ele, tinha uma capacidade enorme de amar, era cidadão e tinha consciência de seu papel no mundo. Tudo a seu jeito.
Os amigos sabem que demonstrava carinho fazendo doces e reunindo todos em sua casa nada ortodoxa, onde trens de cozinha ficavam misturados a objetos de cenário, cópias de textos teatrais, CDs, maços de cigarro barato. Tinha um pé de caju plantado numa lata, quem vai molhar? Nunca escondeu que usava drogas, talvez para suportar sua estranheza com este mundo. Manifestava descontentamentos da maneira mais impulsiva possível. Quem não se lembra do tênis atirado no palco para “acordar” o ator desconcentrado, os muitos momentos de mau humor... Depois dos destemperos, a cara mais santa desse mundo, como se nada tivesse acontecido. Quem conseguia reconhecer sua superioridade intelectual, relevava, sabendo que o pecado tinha sido pequeno perto da grandeza e generosidade de sua alma.
Sérgio foi um intelectual, entendido como a pessoa que questiona, provoca, que instiga ao pensamento e à crítica. Era um intelectual no sentido puro da palavra: não possuía diploma, terno e gravata nem curso de pós-graduação — não precisava de disfarces. Apaixonado pelo teatro, não via limites entre as artes, sendo crítico de dança, música, artes plásticas, literatura... Era dono de uma cultura invejável conquistada em anos de seminário, e um eterno defensor da cultura brasileira. Quanto aprendemos com o Sérgio — que falta ele nos fará...
Sabia-se miserável e dolorosamente humano. Sabia a extensão da sua solidão. Acho que soube também o quanto foi amado e respeitado por muitos, embora este amor não amenizasse a impotência de se sentir pertencente à raça que mata, estupra e destrói. No concerto das Orquestras do Festival de Música deste ano, no último dia 26 de julho, o maestro Gil Jardim redimiu Sérgio Nunes de seus pecados. Disse ao público que lotava o Teatro o quanto o Sérgio era importante para a cultura ourinhense, e as pessoas aplaudiram longamente aquele emocionado senhor dos palcos, avesso a elogios e badalações. Obrigada, Gil, por dizer publicamente aquilo que nós já sabíamos. Obrigada por ter feito Sérgio Nunes feliz e orgulhoso naquela noite.

Comentários

Eneida Santilli disse…
Eneida Ferreira Santilli Meu amigo...
Ivelina Marques disse…
Ivelina M. Marques Que belo artigo....Como sempre ! !
Germaneo Toloto disse…
Germaneo Toloto Estudamos juntos na mesma classe no Grupinho..
uis Antonio Ferreira disse…
Luis Antonio Ferreira Sábio....saudades do Guru....Sergião....homem de ideias....criador ...semeador de arte.
Carlos Eduardo Parisotto disse…
Carlos Eduardo Parisotto Sérgio sempre com vontade de tornar as coisas em outras coisas , dar sentido , numa elaboração bem peculiar.
Davamo-nos bem!
Saudades.
Reginaldo P. Góes disse…
Reginaldo Pereira Góis Um grande amigo...
Gonçalo Luiz Melo disse…
Gonçalo Luiz Melo Lindo texto, necessário!!
Madalena Grandini Saraiva disse…
Madalena Grandini Saraiva Pessoa do bem.
Sergio Pires disse…

Sergio Pires Sérgio Nunes.....mestre, amigo, generoso..... vc faz muita falta para todos nós.....saudades!!!
Gabriel Emidio Silva disse…
Gabriel Emidio Silva Sérgio - um resignificador que fazia acontecer... E um homem do bem.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…