Pular para o conteúdo principal

O RESTAURANTE IPÊ


Em 1964, no mês de setembro, Ourinhos via inaugurado um empreendimento que fez sucesso ao longo dos anos seguintes,  e que marcou os jovens da minha geração.
Esse empreendimento foi o Restaurante Ipê, localizado no último quarteirão da Rua 9 de Julho, à esquerda de quem ia em direção ao Correio. Os responsáveis pelo empreendimento, ao que parece foram Delfino Tossi e Arnaldo Abuhamad, filho de um dos donos do famoso Bar Central, localizado na Praça Melo Peixoto.
Em 1966, a sociedade foi dissolvida, retirando-se Delfino que, no ano seguinte, inaugurava o novo restaurante da Rodoviária de Ourinhos, localizada na Rua São Paulo.
A edição de 9-7-1967 do jornal "O Progresso de Ourinhos", noticiava:

Estivemos em visita à rodoviária local. Quem viu
aquilo antes e vê agora ... Tudo novo, limpinho feito
com gosto, com carinho. Um lugar convidativo
"Milhões" foram gastos e o sr Delfino Tossi (doutor no
assunto) conseguiu, como num passe  de magica dotar
 Ourinhos de mais um decentíssimo bar restaurante
coisa rara aliás, em se  tratando de estações
rodoviárias. Uma beleza.


IPÊ, recebeu no dia da posse do ROTARY, 250 pessoas das quais 110 eram visitantes, 19 clubes vizinhos estiveram presentes, e o Rotary está de parabéns. Foi a maior reunião jantar que assistimos até hoje, muita gente, muita movimentação e muita beleza. 



Não sei até quando o Restaurante Ipê subsistiu. Eu aproveitei-o no transcorrer do ano de 1965, o último que passei em Ourinhos, costumava frequentá-lo nos finais de semana,  na medida das possibilidades financeiras de um adolescente.
Era um bar e restaurante de muito bom gosto arquitetônico. Possuía um mezanino.
A propaganda abaixo,  inserida na  edição de  3 de setembro  de 1964 do jornal Diário da Sorocabana,  mostra a bela fachada  moderna  do Restaurante Ipê:



Num de seus aniversários, meu amigo tardio, Roberto Pellegrino lá comemorou um de seus aniversários juntamente com amigos e amigas mais próximos:


Nesta foto, vemos à esquerda , o ferroviário, garçom e desportista ourinhense Salvador Munhoz de Castro, Marlene Alberine, Armandinho D'Andrea, Beth Fenley, Euclides Rossignoli, Silvio Sangermano.



Nesta, partindo da esquerda: Armandinho, Sílvio, Roberto Pellegrino, Gracinha Galvão (Bessa), Luizito (Luiz Cordoni Júnior), o filho do José Braz da farmácia, Georgeta Gonçalves e Ronaldo Mori. Pode-se ver o mezanino.





O brinde.

A pesquisa deve-se ao Acervo Tertuliana e as fotos, de autoria desconhecida,  são do acervo de Roberto Pellegrino .

Comentários

Flavio Ferreira disse…
Muito bacana a história do Ype. O quadro com o ipe amerelo florido era de autoria do pintor Bráulio, entao casado com Yara Branco.
Nando Saraiva disse…
Bom dia,José Carlos.
Espero ajudar nos comentários das fotos;
foto 1- SALVADOR MUNHOZ DE CASTRO, ferroviário, garçom e desportista ourinhense, não reconheci, Armandinho D'Andrea, não reconheci, Euclides Rossignoli, Silvio Sangermano.

Nando Saraiva

Nando Saraiva disse…
José Carlos
Eu acho que vc confundiu a Marisa Brandimarte com a Georgeta Gonçalves, filha vereador João Flausino Gonçalves.
Nando Saraiva
Obrigado Nando pelas informações. Foram feitas as devidas correções e acréscimos.
Abraço.
José Carlos
germaneo disse…
No jornal impresso,não fazia referencia ao Salvador Munhoz de Castro....por aqui devidamente corrigido....
Anônimo disse…
Flávio Devienne Ferreira comentou:

Nunca tinha ouvido falar dessa familia, dos Teixeira sim. Ela tem cara de quem estudava em SP.
Na Maria Antonia ou na PUC, ou o Sedes, na epoca.
Tem nome de personagem. Dessas moças que depois viraram guerrilheiras.


A outra moça, cabelo e vestido bem anos 60, parece artista de cinema.
não aparece o nome dessa moça.
adorei ver o garçom - parece ator de filme italiano. lembro me dele com o arnaldo e arlete,
e a norma, q dirigiram o restaurante nos anos 70, um segundo escritorio do meu pai.

aquela mesa proximoao balcao era a mesa cativa dele e alguns de seus amigos,
seu plinio de barros, vagner romero e edmundo almeida e tantos outros que
passaram por ali. lembro muito de irmos la ficar com meu pai - e conhecer artistas e celebridades que estavam por Ouros, Mazzaroppi, Marilia Pera, Juca Chaves,

parabéns pela matéria . Ainda tenho uma pergunta pra populacao ourinhense:

ONDE FOI PARAR O QUADRO DO IPE AMARELO EM FLOR DO PINTOR BRAULIO, que ficava
na entrada do restaurante, ate o ultimo dia esteve la!

Na frente do restaurante, uma arvore de ipê q nunca chegou a crescer.

(eu sei porque calhou de eu estar em ouros na época uns tempos quando o restaurante finalmente fechou - o quadro estava lá. )

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…