Pular para o conteúdo principal

RAPHAEL ORSI FILHO(1918-1993), DIRETOR DO IEHS (1959-1961)


Estamos próximos do centenário de nascimento de Raphael Orsi Filho, educador que esteve à frente do Instituto de Educação Horácio Soares, de 1959 a 1961.
Filho de Rafael Orsi e Benedicta Fiusa Orsi, nasceu em Tatuí em 2 de julho de 1918.
Fez o curso primário em São Paulo, no Colégio Rio Branco, em regime de internato. Os cursos ginasial e secundário foram realizados no Instituto de Educação "Barão de Suruí", em Tatuí.
Aos 18 anos, ingressou na Marinha, onde fez a Faculdade de Educação Física da Marinha Mercante.




Retornando a Tatuí, prestou concurso para professor da rede estadual de ensino e, posteriormente o concurso para diretor de escola.
Casou em primeira núpcias com Darcy Pimentel, com quem teve o filho José Roberto Orsi.
Após o rompimento do primeiro casamento, O professor Orsi transferiu-se para Assis, onde conheceu Eunyce Nobile (1953), que fazia o curso normal naquela cidade. Passaram a ter uma vida em comum, sem ser casados. Em 1955, tiveram a filha Maria do Carmo, hoje bibliotecária da UNIESP (unidade de Itú).

 Foto: Orsi e Eunyce, em Aparecida durante o batizado da filha Maria do Carmo.

Raphael Orsi Filho foi diretor de escola em Taubaté, Pirajú e Ourinhos.
De volta a Tatuí, Orsi prestou concurso para inspetor regional de ensino. Foi, ainda, diretor da Faculdade de Tatuí.
Aposentou-se como diretor de escola. Foi rotariano e provedor da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí ao longo de 10 anos.
Era amante de Numismática, chegando a frequentar a famosa feira que existia aos domingos na Praça da República, em São Paulo.
Em 16 de janeiro de 1979, Rafael e Eunyce legalizaram seu estado civil.


Casamento de Rafael e Eunyce (1971)

O casal foi um dos fundadores da APAE de Tatui. Orsi era sobrinho de Helena Portugal de Souza, esposa do drº Ovídio Portugal de Souza, que residiram em Ourinhos por muito tempo. Eunyce faleceu em 1991 e Rafael em 1993.
Em 1959, iniciando meu curso ginasial, estava sendo realizada a campanha para a escolha de nova diretoria do Grêmio Ruy Barsosa. Meu primo, quatro anos mais velho, Jefferson Del Rios Vieira Neves era um dos candidatos. Na inocência de um calouro ginasial escrevi  seu nome na lousa. O inspetor Christoni ao verificar aquilo foi à classe indagando quem tinha feito, se não  houvesse manifestação todos seriam suspensos. Eu levantei a mão e fui levado para a diretoria. O professor Orsi, no rígido sistema disciplinar vigente à epoca, disse-me que estaria suspenso das aulas no dia seguinte, justamente o dia da primeira prova de Música.
Minha mãe quando soube do fato desesperou-se porque sabia que aquilo representava  zero na prova. Foi conversar com o diretor mas nada conseguiu é claro.
Tomei zero e tive que me esforçar para tirar apenas notas altas nos meses seguintes, o que consegui.
O Professor Orsi deu todo apoio à campanha  desenvolvida pelo Gerb, naquele ano, quando os estudantes percorreram as ruas da cidade angariando roupas para mantimentos.
Na sua gestão ocorreu a inauguração do novo prédio do Instituto.
Meu primo Jefferson, assim o descreveu:
Magro alto, ternos escuros, uma particular elegância um pouco desarrumada, andar rápido e meio caído para frente, como o de Jacques Tati nos filmes em que interpretava   Monsieur Hulot.  
Sorria pouco mas era um verdadeiro  cavalheiro. Sempre atencioso.


Orsi com alunos do Instituto na campanha do GERB

Agradeço a Maria do Carmo Orsi pelos dados familiares e pelas fotos de seu arquivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…