10.1.15

"TRIBUNA ESCOLAR" UMA PUBLICAÇÃO VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO

No meu arquivo de fotos e recortes de jornais, encontrei outro dia um exemplar do jornal "Tribuna Escolar", de 1º de janeiro de 1959, em seu número 5. 
Era uma publicação de natureza exclusivamente educacional, com circulação quinzenal e de propriedade da Indústria e Comércio Silvano Chiaradia Ltda. 
A redação e oficinas localizavam-se na Rua 9 de Julho, 482, ou seja onde Silvano Chiaradia possuia a sua loja "A Cidade de Ourinhos" e tipografia. 
O diretor gerente desse jornal  era o marido da professora Dalila, Diomar Antonio de Souza. O diretor responsável era o professor Norival Vieira da Silva, tendo como redatores o professor Rafael Orsi Filho, inspetor escolar da 35ª Zona, de Ourinhos, e meu primo José Luiz Devienne.
Destaco algumas manchetes dessa edição:
 - "Em vigor, a partir de hoje, a lei sobre aulas extraordinárias"   
 - "Vila Odilon teve sua festa de formatura"
 - "Os Diretores de Colégios terão seus Assistentes"  
 - "Deverá funcionar no corrente ano a Escola Normal de Cerqueira      Cesar"
 O artigo de fundo tinha como título "Vestibulares ao Curso Normal", prova de seleção para o ingresso no referido curso, que havia sido adotada há pouco tempo. O articulista comenta o alto índice de reprovação na disciplina matemática, destacando o fato de que em alguns colégios ela alcançara " a porcentagem incrível de 100 % reprovações", concluindo que a "verdadeira causa parece ser, não resta a dúvida, a falta de preparo dos candidatos".
Destaca o fato de  a "Escola Normal Imaculada Conceição", (do Educandário Santo Antonio) ter alcançado uma boa média de aprovação em matemática, após ter oferecido uma boa preparação "às  suas alunas que visavam o curso Normal" ( um professor dava aulas diariamente aulas às alunas da quarta série, fora do horário escolar).
Por fim, defendia a manutenção do vestibular como meio "de elevar o nível do Ensino Normal no Estado de São Paulo" .
A edição trazia dois artigos: um  sobre Rui Barbosa, de autoria do drº Júlio dos Santos, advogado de renome na cidade, e outro do professor catedrático do Instituto de Educação de Jaú, Rui Gutierres, sobre a "Liberdade de Cátedra.
Por fim, uma notícia que me é cara, ou seja, sobre a entrega de diplomas a 277 alunos do curso primário do Grupo Escolar "Jacinto Ferreira de Sá", realizada no dia 13 de dezembro de 1958, no Grêmio Recreativo de Ourinhos. A cerimônia teve como paraninfo o professor José Maria Paschoalick, prefeito municipal, que tinha sua filha Zelinda como uma das concluintes.


Recebo o diploma das mãos do prefeito Paschoalick. Ao lado o diretor do Grupo Escolar, profº Luiz Cordoni.
Ao fundo, a profª Josefa Cubas da Silva

Eu tive a honra de ser o orador dessa turma.


Na foto, discursa o aluno José Carlos Neves Lopes. Atrás, da esquerda para a direita, Tufy Zaki Abucham, representando o Rotary Clube de Ourinhos e Miguel Farah , proprietário do jornal "A Folha de Ourinhos". Ao fundo, o professor Aparecido Lemos, proprietário do externato "Rui Barbosa", cujo filho Osmar era também um dos formandos.



Após a cerimônia, professoras foram almoçar: Maria Auxiliadora Ramos Pompéia, Dalila Souza, e o dentista do Grupão drº Ortésio.


 Recebo o prêmio de melhor aluno da minha classe das mãos de dona Dalila. 

2 comentários:

Maria Aparecida Gabrioti Pires De Oliveira disse...

D. Dalila, saudade! Ela foi minha professora no quarto ano primário. Dr. Ortésio, meu primeiro dentista. Tinha consultório no sobrado geminado com a casa do Barbosinha, que foi prefeito. Atendia os pacientes cantando a música Que Murmurem. Até o último tratamento que fiz com ele ouvi a mesma música. Coisas que marcam pra sempre.

José Carlos Neves Lopes disse...

Realmente, não da para esquecer.
Abraços.
José Carlos