Pular para o conteúdo principal

A ESCOLA ARTESANAL DE OURINHOS


 


(Foto por Francisco de Almeida Lopes, anos 1970)


No final dos anos 1940, mais precisamente em 29 de janeiro de 1949, o projeto de lei municipal de autoria do vereador Benedito Monteiro, da União Democrática Nacional - UDN,  dava o primeiro passo para a concretização de uma iniciativa importante , qual seja a criação de uma escola profissionalizante em Ourinhos.
Para tanto, era previsto no projeto de lei a construção de um edifício para abrigar a nova escola, localizada na Vila Nova. 
Haveria dois cursos: o masculino e o feminino.  
Ao que parece, a escola começou a funcionar em 1950, tendo como primeiro diretor, o professor Aparecido Gonçalves Lemos, que havia comprado do professor Constantino Molina, o Externato Rui Barbosa, localizado na Avenida Altino Arantes. 
Um dos primeiros professores da nova escola municipal foi o professor Homero Taveiros Ramos, que foi inquilino de meu pai por muitos anos na casa de sua propriedade na  Rua Souza Soutello, mestre muito estimado por seus alunos.
No primeiros anos da década de 1950, a escola municipal profissionalizante de Ourinhos foi integrada ao Departamento do Ensino Profissional da Secretaria de Estado da Educação,  que implantara  um projeto de criação e escolas artesanais durante a  gestão do então governador Jânio Quadros . 
O Decreto Estadual nº 25.206, de 10 de dezembro de 1955, que dispunha sobre a  lotação de cargos de Mestre em Escolas Artesanais subordinadas ao Departamento do Ensino Profissional, dotava a Escola de Artesanal de Ourinhos com os seguintes cargos: dois (2) à disciplina de Ajustagem Mecânica, um (1) à de Corte e Costura e um (1) à da Educação Doméstica.
Em 1959, por iniciativa do então Deputado Estadual Domingos Camerlingo Caló (Lei 1450-59), a Escola Artesanal de Ourinhos recebeu o patronímico de "Josefa Navarro Lemos"., professora recentemente falecida,  que foi  esposa   do professor Aparecido Gonçalves Lemos, mãe do meu amigo de infância, Osmar.
Duas das mais competentes empregadas do escritório da Sanbra, as quais conheci, foram alunas dessa escola: Cleide e Setuko Sekino.
Com a municipalização do ensino, a escola integrou-se à rede de escolas de ensino fundamental de Ourinhos, conservando o mesmo patronímico.



Fica assim registrada nesta  "Memória de Ourinhos", a  importante iniciativa da primeira legislatura da Câmara Municipal de Ourinhos, após o fim do Estado Novo

A foto , cuja autoria desconheço, mostra a Escola Artesanal recém construída.
Ela foi publicada inicialmente em "Fotos Antigas de Ourinhos", de Wilson Monteiro,  que foi aluno da antiga Escola Artesanal nos anos 1950.

Comentários

Marão disse…
A dona Josefa foi minha primeira professora. O Externato Rui Barbosa tinha uma espécie de "pré-primário", que frequentei aos 6 anos de idade. Aos 7, fui para o grupão, em 1948.
oel Cerqueira Gonça~lves disse…
Estudei na Artesanal - mais ou menos de forma compulsória, por ter
abandonado os estudos após o curso primário - lá pelos l3 anos de
idade. Lembro do professor Homero, do diretor Olavo ( Tatuiano, como
meu pai ! ) e ainda do bebel de nome Raul, homem de poucos amigos. As
instalações e urbanização ainda eram as mesmas exibidas pela foto, que
presumo seja da sua inauguração.Não retornei ao segundo ano - somente
voltei a estudar depois dos 20 anos, no Santa Inez, curso de madureza
existente na Praça Carlos Gomes, em São Paulo, onde fui aluno do
Kobaiachi e do Heródoto Barbeiro. Bons tempos !!!
Noel

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…