Pular para o conteúdo principal

RECORDANDO ANTIGOS PROFESSORES (AS): DALILA DE SOUZA






Lembram-se? Alta, gorda, extrovertida. Assim era dona Dalila, uma das melhores professoras primárias do Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá, o Grupão. No final dos anos 1950 já havia dois grupos escolares estaduais na cidade, o Grupão e o "Virgínia Ramalho",chamado de Grupinho, embora fosse do mesmo tamanho ou talvez maior que o primeiro.  
Dona Dalila era casada com Diomar Antonio de Souza, que era proprietário de uma tipografia que havia ao lado do Cine Ourinhos, ou talvez sócio do Silvano Chiaradia nesse estabelecimento. 
O casal tinha vários  filhos homens, cujos nomes,  se  me engano, começavam todos com a letra D. Um deles, Dalton José (20/03/1947 - 17/12/2011) foi meu contemporâneo. 
Moraram na Expedicionário, logo após o Grupão.
Dona Dalila foi também vereadora, tendo sido eleita para a 3ª Legislatura (1956-1959), pela UDN, se não estou errado
A saudosa professora está nessa foto entregando o prêmio ao primeiro colocado da 4ª série A, de 1958, o aluno José Carlos Neves Lopes.
Saudades.
Foto por Francisco de Almeida Lopes




Foto de 1958: A professora Maria Auxiliadora Ramos Pompéia  (esquerda), a profª  Dalila de Souza e o drº Ortézio, que era o dentista do "Grupão".
Foto do acervo de Fernando Saraiva

Comentários

Marão disse…
Fui aluno da Dona Dalila no "admissão ao ginásio", espécie de cursinho que a gente fazia para entrar no segundo grau. Ela era sócia do professor Lourenço nesse curso de admissão ao ginásio. O curso era nos fundos da casa dela. Quanto ao período em que ela foi vereadora, acho que vale a pena aprovundar a pesquisa. Pode ter sido depois.
Cláudio (Jararaca) disse…
Não fui seu aluno, mas frequentei sua casa e conheci um pouco desta mulher determinada, de pulso forte, que conduzia seus quatro filhos com rédeas curtas. Dentre eles, fui amigo do Dalton; estudamos juntos por um bom tempo. De Ourinhos foram para Itapetininga e só vim a saber deles através do Dalton muitos anos depois. Ele em Vinhedo/SP e eu Campinas/SP. Ela terminou seus dias residindo com o Dalton e a Terezinha, já em Vinhedo.
Saudades ...
Marão, o dado foi colhido no site da Câmara. Não sei se ela cumpriu todo o mandato, mas foi eleita para essa legislatura sim.
José Carlos
pompeia disse…
sou filho da Maria Auxiliadora e amigo dos filhos da Dona Dalila e do Diomar: Dagmar, Dalton, Douglas e Djair. Mais do Dalton e Djair. Minha mãe e ela eram super amigas, acho que comadres. Minha mãe morreu cedo,com 48 anos apenas e viemos eu e meus irmãos para a casa de nossa avó em Lorena. Fui pegar papeis do Grupo Jacinto Ferreira de Sá e depois no Horacio Soares para a faculdade e havia uma escola com o nome de minha mãe. Acho que mudaram o nome da mesma. Saudades daquele tempo, Jair, Iria, João Batista, Armandinho, Foca (nem me lembro do nome), e outros. Vi que o Prof. Norival está fazendo 90 anos. Foi meu prof de historia. Quem não se lembra da Maria Tereza de Matematica-brava que só ela.
Pois é Pompéia, sua mão não foi minha professora, mas me lembro bem dela no Grupão.
Em 1998 algumas escolas foram municipalizadas e com isso acredito que a escola que tinha o patronímico de sua mãe estava nessa lista. É necessário consultar a SE do município.
Abraços
José Carlos

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…