Pular para o conteúdo principal

A RUA PARANÁ DOS ANOS 1940 E 1950


O trecho da rua Paraná que vemos nesta foto me é muito caro. Isso porque  traz gratas recordações da minha infância.
Nesse trecho um primo de meu pai, Alfredo Devienne e a esposa Isolina Catai tinham uma loja especializada na venda de fogões, geladeiras, rádios e outras utilidades domésticas, a famosa "Casa dos Fogões". 
Alfredo e meu pai cresceram juntos e eram muito amigos. A mesma amizade unia Isolina e minha mãe. Também era muito querida por nós,  uma irma de Isolina, Alzira Catai, que com ela morava. Alzira completará 89 anos em 2012.  Alfredo e Isolina foram os pais de Alfredo Júnior e Ademar, já falecidos.
Bem, cumprindo um costume que sobreviveu até ao aparecimento da televisão, quase diariamente um grupo de senhoras sentava-se à frente da loja jogando conversa fora. Quando Alfredo estava em Ourinhos, ele e meu pai iam para o cinema (os dois eram cinéfilos) e minha mãe se juntava ao grupo. Enquanto isso,  a criançada da redondeza dedicava-se às  brincadeiras de rua que duravam até as 22 horas.
 Eram: os japoneses do bar da esquina com a Cardoso Ribeiro, os garotos Rodrigues da minha geração, filhos da dona Zulmira, tia do José Carlos Marão, que moravam nas casas da vila existente na Cardoso, os meninos da bicicletaria da mesma rua, os garotos Fantinatti, ocasionalmente os Bastos e os  sobrinhos da dona Joana, comerciante no lado oposto da Rua Paraná.
Os proprietários das casas comerciais, nesse trecho,  tinham loja na frente e a residência nos fundos.   


CLIQUE SOBRE A FOTO

A foto é do início dos anos 1940, vendo-se em primeiro plano a "Casa Chic" , Em seguida seguem-se: o prédio onde anos mais tarde Benedito Rodrigues da Cunha instalou sua  loja de  componentes elétricos,  a casa onde veio a ser instalada a "Casa dos Fogões", a futura Loja Couraça, da dona Isaira (panelas e outras utilidades), a casa e barbearia do seu Conte, e o armazém dos Mori. Do outro lado da rua ainda se vê o depósito da "Fábrica de Cigarros Sudan". 
Foto de autoria desconhecida.

Comentários

José Carlos Marão comentou:

Zé Carlos

Maravilha.

É a rua Paraná da minha infância (moramos na "vila" de 46 a 53).

Com uma falha de memória minha: só lembro da rua já com calçamento.

Na frente da Casa Chic (Paraná com Cardoso) tinha um terreno baldio.

A gente chamava esse terreno de "quintal do açougue".

Isso porque a primeira construção, naquele lado da rua Paraná, era o açougue do Ricardo Martoni.

Ricardo Martoni (pai do Nebrídio, os dois Perino ainda lembram dele) morava na vila.

Abaixo do açougue (mais ou menos em frente aos Mori) vinha a padaria do Silvestrini.

Em seguida, várias lojas de que não me lembro, até a esquina com a Antonio Carlos Mori, onde ficava a padaria do Borin.

A foto mostra o depósito da Sudan. Acho que ele ficava na esquina, abaixo da Antonio Carlos Mori.

Antes de a travessar a Antonio Carlos Mori (do mesmo lado dos Mori) ficava a farmácia do seu Aristides.

Você fala lá dos garotos da dona Amélia Rodrigues.

A única Amélia Rodrigues que conheci por lá era a minha mãe....

Grande abraço

marão
tiavonete disse…
Não sei se o nome é Zulmira, mas acredito que voce se sefere aos Rodrigues (Ademar e Valdemar) que hoje são donos da loja Bramerex, irmãos de Maria Amélia, que faleceu muito nova. Moravam na Cardoso Ribeiro e têm parentesco com o Marão por parte da mãe.
tiavonete disse…
Acrescentando: meu padastro. Francisco Marques, era representante da Sudan, naquela esquina da rua Paraná. Posteriormente, funcionou ali, a Dental Ourinhos, também dele.Hoje, no mesmo local há uma loja de artigos esportivos.Ah.. que boas lembranças. Obrigada.
Sim, Ivonete, Na verdade dona Zulmira Rodrigues, era irmã de dona Amélia Marão. Fato do qual eu não me lembrava. A garotada a que me refiro eram seus filhos, primos, portanto, dos Marão.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…