Pular para o conteúdo principal

MEMÓRIAS DE UM BEBÊ FELIZ



Devo ter sido um bebê feliz. Tive tudo para isso.
Minha mãe somente engravidou quatros anos após seu casamento, portanto,  um filho era muito esperado. 
Tive o privilégio de haver nascido na casa de meus avós, onde havia três irmãs solteiras de minha mãe. Enfim, tudo para ser paparicado.
Cheguei a este mundo na segunda metade do século passado, sob a regência de um signo bom - Libra, às 21h30 de uma quinta feira. Por isso gosto tanto da noite.
Parto normal, parteira dona Luisa.
Não nasci com muitos quilos, os quais foram sendo adquiridos depois graças ao mingau de maizena.
Segundo vontade de minha mãe, meu nome deveria ter sido José Eduardo. Minha avó lhe disse: Ah, ponha  Carlos, eu sempre quis dar esse nome para um dos meus filhos e seu pai nunca concordou". Daí ficou José Carlos.
José, pela devoção de minha mãe para com o santo de mesmo nome, que acabou sendo meu padrinho também, já que fui batizado somente cinco meses depois, no dia de são José (19/3/1948).

Aos nove meses já começei a andar.
Dizem que fui um bebê muito bonito, o que as fotos confirmam, justamente por isso sempre às voltas com o quebranto (Estado mórbido atribuído pela crendice popular ao mau-olhado).

Hoje já não se fala mais em quebranto, o qual somente sarava com benzeção.
Em Ourinhos,nos anos 1950,  havia dois benzedores famosos, pai e filho. O pai ficou conhecido como "Manuel Pegatudo", justamente por livrar as pessoas que o procuravam dos males que as acometia. 
Morava na atual Antonio Carlos Mori, ao lado da garaparia do seu Leonel. Na sala, havia um grande altar com várias imagens de santos e santas, onde se realizava a benzeção, que funcionava mesmo. 
O filho morava na "Vila Nova", se não me falha a memória de nome José Nascimento. Também me vali de sua benzeção.
Havia também benzedeiras famosas. Lembro-me de uma senhora negra que morava numa casa de madeira muito grande fronteiriça à linha do trem, na altura do atual prédio do correio. Era especialista em benzer erisipela. Havia espécia de flor branca e de flor rosa.
Minha tia-avó paterna, Fausta Godoy de Lima, também benzia erisipela com sucesso.
Ela utilizava a folha de um arbustivo (Datura Stramonium), chamado popularmente de trombeta, trombeteira, saia branca, aguadeira, buzina, zabumba ou lírio
img

Untava-se a folha com óleo, a qual era então passada sobre a perna com erisipela.  A benzeção tinha sucesso. 
Os dizeres de minha tia Fausta  eram semelhantes a este que encontrei na web, pelo menos o início era idêntico

"Pedro Paulo vem de Roma.
Jesus Cristo o encontrou:

- Donde vens, Pedro Paulo?
- Senhor, venho de Roma.
- O que e que há lá?
- Morre muita gente.
- De que?
- De erisipela e erisipelão bravo.
- Pedro Paulo, volta para lá e cura-me essa gente toda.
- Com o que, Senhor?
- Com ramo de oliveira e três pingadas de azeite.
- Volta para trás (nomeia-se o paciente), que te hei de queimar e te hei de abrasar.
- Nem 'me hás de queimar, nem me hás de abrasar, mas hás de me curar.
Em honra de Pedro Paulo e da Virgem Maria, Padre Nosso e Ave Maria."

'

A planta que está à esquerda dessa foto é uma  "Buzina"
Em Ourinhos há ainda uma benzedeira famosa, a querida Dalva Vita, em cujas orações minha mãe tanto confiava.
Dalva continua utilizando seus poderes de benção para confortar todos que a procuram.

Comentários

Maria Dilma Freitas Faria escreveu:
Oi José Carlos
Realmente você foi um bebê muito lindo,sua mãe também era uma mulher muito bonita.
É uma pena agora não termos mais "retratos",é cd ,pendrive etc...Mas,é assim mesmo.
Viva os tempos modernos!
Minha mãe tem uma árvore de saia branca no quintal.Ela coloca no alcool as flores e depois
usa para dores musculares e reumaticas.É ótimo!
Plantei uma muda na chácara e agora também faço.Não sabia que era bom para erisipela.
Sei que é alucinógena e no meu livro de ervas medicinais eles não aconselham o uso,dizem
que é perigosa.Só uso externamente.
Maria Dilma
Wilson Monteiro escreveu:
"Belas fotos,belas lembranças José Carlos,parabéns !"
Tia Ivonete escreveu:
Adorei o seu histórico e também os comentários sobre as benzedeiras. Saudações.
Maria Alice Carvalho escreveu:
Olá José,
Maria Alice Carvalho comentou seu link.
Maria Alice escreveu: "Oi José Carlos!!! Adorei a foto, o texto e as memórias de um bebê feliz!!!Você foi mesmo muito esperado e sua mãe lhe tinha um amor enorme. Que bom, não?? Beijos!!!"

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…