Pular para o conteúdo principal

PROFESSOR LUIZ CORDONI



Amanhecer de segunda-fei 11 de outubro. Manhã fria e com chuvisco.
Leio o e-mail de Luiz Cordoni Junior, no qual faz,  a meu pedido, um breve relato sobre seu pai, o professor Luiz Cordoni, falecido em  21 de dezembro de 2009.
Revejo uma foto de 1958 na qual está o professor Cordoni,  e as lembranças, qual imagens cinematográficas, desfilam à minha frente.
Lembranças do vetusto prédio do “Grupão” (Grupo Escolar “Jacinto Ferreira de Sá”, na Rua Nove de Julho, dos seus corredores, das salas de aula, do seu pátio. Lembranças dos professores (as), dos serventes, dos colegas e do diretor do estabelecimento, Luiz Cordoni.
Luizito devia se orgulhar, naquele ano de 1958, de ter naquela escola pública, a mãe, dona Cida, como uma das melhores e queridas professoras e o pai como diretor.
Não me lembro se estivemos, eu e Luizito, na mesma sala do quarto ano. Recordo que nossa aproximação deu-se, no mesmo ano, no preparatório ao ginásio, curso particular dado à tarde pelos professores Osvaldo e Aparecido Pasqualini.
Por força dessa aproximação, estive muitas vezes na casa do professor Cordoni, onde fazíamos (Luizito, Luiz Gonzaga Tone e eu) sessões de estudo acompanhadas de um bom lanche preparado por dona Cida.
Impressionava-me o gabinete de trabalho do professor Cordoni, com uma bela mesa de trabalho tendo atrás estantes onde estavam os seus livros.
A lembrança de um homem sisudo, mas que sabia emitir um belo e raro sorriso é confirmada pela descrição breve do filho:

“Era sisudo, falava pouco, mas muito gentil e cavalheiro.”
Em seguida, detalhes que eu desconhecia:
“Gostava de dançar. Ia com minha mãe aos bailes no Grêmio Recreativo de Londrina. E dançavam bem. Era bom de garfo, comia bem. Adorava massas, como bom descendente de italianos.”
O casal, com o avançar da idade, mudou-se para Londrina (Pr) onde morava o filho já formado e seguindo uma bela carreira universitária que o levou ao secretariado no governo do Paraná, fatos do quais muito se orgulhavam certamente.
“Formou-se professor em Botucatu. Muito do que aprendi em meu curso de Medicina já estava lá em seus livros da Escola Normal. Muito sério e dedicado à educação. Pouco trabalhou como professor. Bom dirigente, sabia ouvir, característica importante na função. Organizado, sempre atualizado. Tinha uma pasta enorme de recortes do Diário Oficial.”
Essa descrição aponta para a excelente formação que a antiga Escola Normal paulista, a partir do final do século XIX, dava aos seus alunos, o que resultava na base sólida que estes, já então professores, ministravam nos grupos escolares. Infelizmente, tudo isso se perdeu a partir de finais dos anos 1970, ocasionando a baixa qualidade do ensino das primeiras séries do ensino fundamental, com as conseqüências que todos conhecemos.
Como pai de família, muito dedicado. Sempre planejando e executando o que planejara.
Faleceu aos 97 anos. Estava muito forte ainda (a memória dava alguns sinais de enfraquecimento) e teimava em dirigir o seu carro na cidade (com CNH válida).

A foto, por Francisco de Almeida Lopes, mostra o momento em que eu recebia meu diploma do curso ginasial das mãos do drº Salem Abujamra, Inspetor Federal de Ensino À esquerda estão o professor Norival Vieira da Silva, diretor interino na ocasião, o professor Mário, de Matemática no noturno, a saudosa Irmã Celestina, representando o Colégio Santo Antônio e o padre Felipe Dimants, professor de inglês, aqui ostentando um belo sorriso. Á direita, vemos o professor Luiz Cordoni, que entregaria o diploma a seu filho Luizito.
Foto por Francisco de Almeida Lopes

Comentários

Zélia Guardiano disse…
José Carlos
Tive a honra de conhecer o professor Luiz Cordoni no início dos anos sessenta, quando eu começava carreira de professora, e era ele inspetor escolar. Competentíssimo, muito estimado por todos, sabia ser sério, sem deixar de ser compreensivo e amigo.
Guardo, dele, saudosa lembrança.
Lendo este seu interessante post, fiquei bastante emocionada.
Grata, pela oportunidade de recordar.
Abraço
Foi com enorme surpresa (quase um ano após) e pesar que li a noticia do falecimento do professor Luiz Cordoni (meu tio), sou filha de Américo Cordoni ( inspetor tbem escolar )...por outro lado fiquei grata pela recordação do querido e estimado tio.Abraços.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…