Pular para o conteúdo principal

NICE NICOLOSI E ANTÔNIO CARLOS CORRÊA




Eles se conheceram em 1945. Nice tinha apenas 14 anos e acompanhara o pai na cerimônia de casamento de Marcos Reginato. Lá aconteceu a primeira troca de olhares com o jovem Antônio Carlos Corrêa, de Santa Cruz do Rio Pardo. Com certeza no cruzar de olhares “ouviram os sinos baterem”. Depois, novo encontro no footing da Praça Melo Peixoto, os primeiros papos e o namoro começou. Três anos depois, o casal deixava a Igreja Matriz unido pelos laços do matrimônio. Já lá se vão sessenta e dois anos.
Nice, professora de piano da Escola de Música até hoje, foi aluna do maestro Andolfo Galileu, que viu no talento de sua aluna a probabilidade de uma carreira de concertista. O amor falou mais forte, e Nice dedicou-se à família, tornando-se mais tarde uma excelente mestra de piano.
Meu contato contato mais próximo com Nice  aconteceu há não muitos anos, embora eu já tivesse uma proximidade com sua irmã Nancy, esposa do Bertico Soares, que após seu casamento foi morar na casa que fora do sogro (Horácio), na Arlindo Luz, 478. Nós morávamos em frente, no número 479. Também graças a essa vizinhança daqueles bons tempos fiquei conhecendo de perto dona Alzira Tocalino Nicolosi, mãe das duas. O irmão mais velho de Nice, Lúcio, foi colega de grupo de minha mãe, e Carlos, meu professor na Escola Técnica de Comércio de Ourinhos.
Após o casamento, Antônio Carlos foi trabalhar na Cargil sendo, logo depois, promovido a gerente e removido para Arapongas, especializando-se no trabalho com cereais. Os silos de Ourinhos e de Arapongas foram pioneiros na silagem, armazenamento, resfriamento e transporte a granel de milho e soja. Após oito anos, o casal e as duas filhas Márcia e Silvia retornaram a Ourinhos, onde construíram sua casa na Rua Rio de Janeiro, a poucos metros de onde viemos a morar anos depois. Em 1964, nasceu Janine, em 1969 Renata. Hoje, todas casadas, constituem um núcleo familiar muito bonito.
Antonio Carlos trabalhou na Cargil até a sua aposentadoria.
Foi um dos grandes pescadores de Ourinhos, numa época em que havia um grupo de aficionados dessa atividade, tendo sido também presidente do Rotary Clube e do Grupo de Amantes da Música. Muito estimado na cidade, curte hoje o descanso merecido após tantos anos de trabalho.
Hoje, Nice eu mantemos longos e agradáveis papos sobre música e sobre o passado da cidade quando vou a Ourinhos visitar minha mãe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…