Pular para o conteúdo principal

A SOCIEDADE ESPORTIVA BACANAS DE OURINHOS


Nos anos finais de 1930, um grupo de jovens autodenominado "Os Bacanas de Ourinhos" haviam formado dois times: um de futebol e outro de basquete, e em 1940 , deram um voo mais alto, fundando  e fundaram uma sociedade esportiva denominada Sociedade Esportiva Bacanas de Ourinhos.
O livro de atas dessa associação foi cuidadosamente conservado por um desses jovens, que me parece ter sido o líder do grupo. Trava-se de Cyro Teixeira Tucunduva, filho de um dentista radicado em Ourinhos nos anos 1930, o drº Lino Tucunduva. Cyro, então com 21 anos,  trabalhava no escritório da Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná (contadoria).
A família Tucunduva, foto em Ourinhos



Com uma letra rebuscada Cyro, na qualidade de secretário da Associação,   abriu o livro de atas no dia 8 de abril de 1940:

  

A Associação tinha como sede a sala interna de um dos mais famosos bares da cidade naquela época, o Bar Paulista situado na Praça Melo Peixoto e  de propriedade de dois irmãos Zaki Abucham, um dos quais, Júlio   era integrante do grupo.
Os jovens eram: Brooklin Machado, Walter Costa Galvão, Julio Zaki, Cassio Teixeira Tucunduva, Cyro Teixeira Tucunduva, José Diehl, Hermínio Nogueira, Cássio Tucunduva,  Rosalvo Pondé, Eduardo Vidal Leal, Homero Ferreira Campos, Mizael de Almeida, José Bassi, Sebastião Ereno    e Teófilo Fernandes Nóbrega. Os objetivos da novel sociedade eram a “prática e difusão do esporte em geral”, aventando inclusive a construção de um estádio para esse fim.
De início a ênfase seria a prática do cestobol (basquete), pedestrianismo. 

Realizada a eleição para a escolha da diretoria, essa ficou assim formada: presidente – Júlio Zaki; vice – José Bassi; 1º secretário – Cyro T. Tucunduva; 2º secretário Walter Costa Galvão; 1º tesoureiro - Brooklin Machado; 2º tesoureiro - Ari Diehl;  diretor esportivo - Cássio T. Tucunduva
Ari Diehl e José Bassi retiraram-se da  Associação, logo em seguida; foram então eleitos para a diretoria no cargos vagos: Hermínio Nogueira e Rosalvo Pondé. Novos associados ingressaram entre os quais duas mulheres: Risoleta Ribeiro e Lina Tucunduva de Souza, Philemon de Mello Sá, Paulo Franklin da Silva e Ney Franklin da Silva, Clorivaldo Migliari,. 
A Associação publicou, o jornal "A Voz do Povo", um manifesto sobre seus objetivos:


Além do amor pelo esporte, os Tucunduva tinha especial gosto pela música, tendo formado um conjunto musical qie fez sucesso, o   Conjunto Marajós:


Integravam o conjunto   Cyro Tucunduva (Chuvinha), Cássio Tucunduva (irmão), Lila (Lina Tucunduva, irmã) e Vavá (Evaristo)

A Voz do Povo, 2-11-1940

0 conjunto "Marajós" viajou especialmente convidado para tomar parte no programa de inauguração da Radio Difusora de Cambará, realizada domingo ultimo, obteve naquela cidade paranaense o nosso primoroso conjunto musical «Marajós», tendo atuado lá admiravelmente, logrando sucesso. Nossos parabéns aos rapazes componentes do Marajós, pelo desempenho que deram ao programa musical de inauguração da difusora cambaraense, a seu cargo. 


Os "Bacanas" posam para foto em frente ao original sobrado construído por Augusto Fernandes Alonso, onde morou por muitos anos o professor Norival Vieira da Silva, seu genro. Somente pude identificar três, a partir da esquerda - 4 - Hermínio Nogueira; 8 - Cyro Tucunduva; 9 - José Bassi. 


Em frente ao prédio do  Grêmio Recreativo de Ourinhos, na Rua São Paulo, onde mais tarde funcionou por muitos anos a Câmara Municipal de Ourinhos.Com a raquete na mão José Faccini Bassi.


 O jovem Cyro Teixeira Tucunduva



 No centro, de suspensório, Cássio Tucunduva, à sua direita Bio Albano. Agachados:
Cyro Tucunduva,? e, salvo engano, Mário Cury.



1 - Bio, 2 - Cássio 

1- Bio, 3 - Mário Cury, 5- Cyro

O livro de atas se encerra no final de  1940,  infelizmente não temos informação sobre a ocasião e os motivos de seu encerramento. 
Fica aqui o registro dessa ação voltada para a difusão e prática do esporte por parte de jovens ourinhenses que, somada à formação de um grupo  teatral na mesma ocasião e a criação de um clube de regatas, mostra o anseio de jovens ourinhenses, nos anos iniciais dos anos 1940,  à procura de novos caminhos artísticos-esportivos. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…