Pular para o conteúdo principal

AUGUSTO FERNANDES ALONSO, PROJETISTA E MARCENEIRO, UM MESTRE NA SUA ARTE.




No bairro Jardim Paulista, há uma rua denominada Augusto Fernandes Alonso.
Quem terá sido essa pessoa, muitos devem se perguntar.
Augusto Fernandes Alonso era natural da Província de Orense, na Espanha, onde nasceu em 4 de novembro de 1896. 
Veio para o Brasil solteiro, estabelecendo-se inicialmente em Santos, cidade em que  contraiu matrimônio com Olidia Botelho. 
Segundo um de seus netos, o jornalista Aurélio Fernandes Alonso:

"Sobre o motivo de sua vinda para o Brasil até hoje é um mistério na família. Pelo que sabemos veio solteiro provavelmente pela fase difícil que o país atravessava."



Acredito que tenha se fixado  em  Ourinhos por volta de meados dos anos 1920.
Mestre em carpintaria, construiu uma oficina com residência ao lado, na Avenida Altino Arantes, denominada Oficina Santa Maria.
Sentado, na frente da casa nos finais de tarde, é que me recordo dele.
Era um homem culto, amante de ópera, um artesão em carpintaria e também projetista. O belo púlpito em madeira e a porta de entrada da "Igreja Velha"  e a porta de entrada são de sua lavra. Já o disse em outra ocasião, e torno a repetir: o púlpito deveria estar hoje na Catedral. 
Também são de sua lavra as belas escadas em madeira nos primeiros sobrados de Ourinhos. 
Havia até pouco tempo um exemplo de sua arte como projetista: o sobrado duplo que construiu na confluência das ruas Cardoso Ribeiro com Expedicionário, onde moraram suas duas filhas Isabel, casada com Neno Ferrazoli e Olídia (Nena) casada com o professor Norival Vieira da Silva. Se você conheceu esse sobrado faça um esforço de memória para tê-lo novamente à frente. Era um primor de originalidade em termos de concepção arquitetônica e no seu  revestimento externo. Existem ainda dois  ou três sobrados dos anos 1930 e 1940, onde as belas escadas podem ser vistas.
Em artigo publicado no Diário de Ourinhos, seu genro profº Norival conta que o sogro foi o projetista do Hotel Comercial, edificado em 1939, no mesmo local do anterior, na Rua Antônio Prado.
Diz ainda o professor Norival:

"(...) Alonso, que iniciou em Ourinhos a construção dos prédios de dois pavimentos. Muitos sobrados na Avenida Altino Arantes, e o meu sobrado esquina Cardoso Ribeiro-Expedicionário, trazem sua marca registrada nas escadas de madeira, perfeitas e de lances suaves, todas muito semelhantes. Os moldes para a moldagem dos enfeites de parede foram feitos em sua oficina."

Há pouco tempo, em pesquisa nas edições de "A Voz do Povo", descobri que o sobrado onde funcionou o Grêmio Recreativo de Ourinhos, nos anos 1930 e 1940, e mais tarde foi a sede da Câmara Municipal de Ourinhos, na Rua São Paulo, também foi da autoria de Augusto Fernandes Alonso.




Além desses dons Alonso foi também colaborador de "A Voz do Povo", onde podem ser encontrados vários artigos de sua autoria discutindo principalmente problemas da cidade e oferecendo sugestões para resolvê-los.
Foi também vereador pela UDN.
Tendo enviuvado, a primeira esposa morreu de parto, Alonso casou-se com Ivani Alonso.
Alonso teve os filhos: .Oswaldo Fernandes Alonso (falecido), Amilcar Fernandes Alonso (falecido), Isabel F. Alonso (falecida), Olidia Alonso (falecida), a “Lola” esposa de Norival Vieira da Silva, Orizon F. Alonso (ainda vivo, residente em Marília) e Alcedo Alonso, o “Peti”, residente em Cuiabá. Há Francisco Alonso, o Francola que desapareceu antes de 1961  e do qual não se teve mais notícia.




Como se vê, Augusto Fernandes Alonso foi  merecedor da homenagem que a municipalidade ourinhense lhe concedeu, ao dar o seu nome a uma das ruas da cidade.



Comentários

Marão disse…
Toda tardinha, começo de noite, a caminho do jardim (era programa obrigatório), eu passava na calçada dele. A ópera rolava a 800 decibéis.
Exatamente, eum também me lembro disso., Marão.
Lylian Leonis Cintra Bruno disse…
Lylian Leonis Cintra Bruno Seu Alonso foi o responsável por toda a parte de marcenaria de nossa casa!!! Era sempre mencionado por meus pais. Muito interessante seu texto, José Carlos! Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…