Pular para o conteúdo principal

OURINHOS E A REVOLUÇÃO DE 1932




Ourinhos, Xavantes, Ribeirão Claro, Salto Grande e
Santa Cruz do Rio Pardo, por sua localização geográfica, tiveram importante papel na Revolução de 1932.
As tropas federais, vindas do sul, tinham que atravessar o Paranapanema para chegar a São Paulo, portanto, a região circunvizinha ao rio foi palco de luta intensa, com bloqueio de ferrovia, ataque a trem blindado. A região da chamada “Pedra Criminosa”, nas margens do Paranapanema sediou tropas federais até a invasão de Ourinhos.

Conforme cita o professor Roberto Bondarik em seu blog"HISTÓRIA E INFORMAÇÃO - O Paraná e o Norte Pioneiro: histórias, análises, contos e casos", a ordem do dia da Coluna João Francisco dizia:

O que foi a marcha e travessia do Paranapanema, o que foram os dias de inquietação e de sacrifícios, sob a inclemência do tempo, sem calçados, sem agasalhos, quase nus, parcamente alimentados, sob intensa e violenta fuzilaria na defesa da ponte metálica para Ourinhos, não poderei eu dizer, que horas tais vivem-se, sentem-se, depois de se ter vivido, mas não se pintam, nem se descrevem”.
Aqui havia sido formado o Batalhão Teopompo, constituído por moradores que se alistaram. O Batalhão era comandado pelo Capitão Carlos Amaral que aparece no centro da foto. Carlos Amaral, filho do coronel Vicente Amaral, foi por muitos anos proprietário de uma importante casa de secos e molhados na Avenida Jacinto Sá, que cheguei a conhecer. Quando meu pai veio para Ourinhos, em 1924, Carlos Amaral tornou-se um de seus primeiros amigos.
As tropas federais, por fim, invadiram Ourinhos. Lembro-me de minha avó contar a respeito da ação dessas tropas na casa de Benedito Martins de Camargo, um dos líderes do Partido Democrático local, e que era seu vizinho de cerca, na Rua Minas Gerais, atual 9 de Julho.
Na Bibliografia sobre a Revolução de 1932, arrolada pela Wikipedia, há uma publicação ourinhense, de autoria do professor Constantino Molina:
MOLINA, Constantino A. A Revolução no Setor de Ourinhos. slp, scp. sd. 23p
Constantino Molina foi um educador radicado em Ourinhos, onde viveu até meados dos anos 1940. Era proprietário do Externato Ruy Barbosa, localizado na Avenida Altino Arantes, onde hoje se encontra a Caixa Econômica Federal. A escola proporcionava Curso Comercial e Ginásio Propedêutico. Meus tios João e José e suas irmãs, Amélia e Maria lá estudaram.
Na foto está, ao centro, o Padre Vitor Moreno, vigário local. Portando a Bandeira Nacional, no coreto, a esposa do dentista, por três vezes prefeito de Ourinhos, José Felipe do Amaral.

Comentários

wilson monteiro disse…
José Carlos,
Só uma pequenina observação:
O nome com que ficou conhecido aquele morro no lado do Paraná até hoje é "Pedra Criminosa".
Um grande abraço
Obrigado pela atenção,. já corrigido
Parabéns, Sr. José Carlos, adoro saber as historias sobre Ourinhos

Grande
Abraço
Edson Luís Camargo
Júlio César disse…
Sr. José C. Neves,
A esposa do dentista que fora prefeito por três vezes em Ourinhos, não seria aquela que foi atropelada na esquina do mercado municipal ? Sei onde se encontra sua sepultura através de uma tia que o conheceu. Se quiser mais detalhes sobre esse casal posso colocá-lo em contato com essa minha tia
JÚLIO CÉSAR DE CASTRO

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…